UOL Entretenimento Música
 

26/03/2010 - 14h54

Renato Russo: Paulo Ricardo fala sobre sua amizade com o cantor

PAULO RICARDO
Especial para o UOL
  • Renato Russo em show da Legião Urbana em São Paulo (12/08/1990)

    Renato Russo em show da Legião Urbana em São Paulo (12/08/1990)

"Você precisa ouvir essa banda, eles tem umas letras bem legais", e lá fui eu com minha amiga Patrícia Andrade e nossa turma de modernos assistir à tal Legião Urbana de Brasília no Centro Cultural de São Paulo, numa tarde cinzenta de primavera em 1984.

O trio era bem interessante, um punk pop arrumadinho, e a voz potente e afinada do baixista barbudo de óculos me deixou muito bem impressionado. Dali saímos para uma longa noite perdida em alguma prateleira das minhas lembranças, mas era, como naquele célebre diálogo de "Casablanca", o início de uma bela amizade.

Nossos encontros em camarins de programas de TV, como "Chacrinha" e "Milk Shake", eram constantes e permeados daquela típica euforia dos vinte e poucos anos, da troca de figurinhas de bandas novas e antigas, e dos nossos planos ambiciosos de dominação das ondas do rádio. Legião e RPM lançaram seus primeiros álbuns em 1985, e o que se via adiante era uma freeway cheia de som e fúria. Foram momentos inesquecíveis que guardo como uma coleção de vinil.

Em poucos meses estávamos ambos numa posição de destaque na cena pop rock, e a revista "Bizz" nos convidou, eu e Renato, para uma matéria na qual entrevistaríamos um ao outro. Dali surgiram afinidades e a declaração de Renato a respeito da canção "A Cruz e a Espada", que ele confessou adorar, tentando entender o que eu queria dizer com aqueles versos. Só algum tempo depois percebi que ele havia se identificado com o dilema do desejo que "se perdeu de mim", e sairia do armário, por influência decisiva de Cazuza. Em 96, Renato regravaria esta canção comigo no meu CD "Rock Popular Brasileiro". Mas já falo disto...

Em 86, após um show do RPM no Gigantinho, a banda assistir a Legião, e naquela noite fizemos nossa única jam, com Luiz Schiavon tocando baixo em "Rádio Pirata". De lá pra cá passamos a nos falar constantemente. Em 87, com Cazuza já em carreira solo, tivemos os três um encontro antológico no Barão com Joana, em Ipanema. Nos vimos e ficamos horas e horas nos abraçando, gritando e pulando como crianças. Essa polaróide ainda me leva às lágrimas. Seria o fim de uma era.

Diante da coragem de Cazuza ao enfrentar de peito aberto e publicamente sua luta contra a AIDS, Renato foi se sentindo constrangido e forçado a assumir sua homossexualidade, o que, naquele ponto, já não faria muita diferença na adoração messiânica de seus fãs (termo que Herbert Vianna adorava repetir quando se referia à Legião) . O que não se sabia é que naquele mesmo ano Renato contrairia o vírus daquela "big disease with a little name", como cantou Prince em "Sign 'o the Times".

Em1996 voltei a morar no Rio, e pude sair mais com Renato, no auge de sua loucura, como se disputasse com Cazuza, ambos arianos, cheios de sede de viver, o troféu de "party animal #1". E olha que naquela época ainda tínhamos Lobão no páreo! Mas quando o convidei para participar de meu CD, ele, com a doçura e sensibilidade que poucos conheceram, me presenteou com um dos momentos mais emocionantes de minha carreira. Fui buscá-lo em seu apartamento em Ipanema, a maior coleção de CDs que já vi. Ele me esperava de bermudas e camisa florida, um anti-Magnum improvável, de sandália havaiana e cara de tédio ( com um T bem grande pra você).

Nos estúdios da Som Livre foi aquele beija mão e sessão de fotos. E olha que Roberto Carlos e Xuxa também estavam gravando lá. Guardo minha foto com o maior carinho. Cantando e fumando (ao mesmo tempo), Renato se emocionou e emocionou a todos com sua interpretação, ouviu minha versão para "Tempo Perdido" e apostou um jantar que ela chegaria a primeiro lugar nas rádios. Na volta, parecíamos aquela cena de "Wayne's World", cantando "Bohemian Raphsody", e "Dancing with the Moonlit Knight", do Genesis, a plenos pulmões, quando, felizes e cúmplices, Renato disparou, com sua peculiar ironia, "você sabe, né, Paulo, que aqui só eu e você cantamos mesmo". Ele se referia ao rock brasileiro.

Foi a última vez que o vi, meu Rei Nato. Will be missed.


Paulo Ricardo é cantor e compositor.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host