UOL Entretenimento Música
 

08/02/2011 - 08h00

"Ainda temos muita gasolina em nosso tanque", diz cantor do Backstreet Boys

FLÁVIO SEIXLACK
Da Redação
  • O grupo Backstreet Boys durante apresentação no American Music Awards, em Los Angeles (21/11/2010)

    O grupo Backstreet Boys durante apresentação no American Music Awards, em Los Angeles (21/11/2010)

O ano de 2011 será intenso para o Backstreet Boys. A começar pela turnê latino-americana do grupo, que tem seu início em Recife no dia 18 de fevereiro, seguindo para Brasília (20), Belo Horizonte (23), Rio de Janeiro (25) e São Paulo (26). Depois, a banda se junta ao New Kids On The Block para uma longa sequência de shows pelos Estados Unidos. E, em meio a tudo isso, o quarteto ainda deve arrumar tempo para gravar seu próximo álbum, com previsão de lançamento para o fim do ano.



Antes de todo o planejamento se concretizar, porém, é necessário que o integrante A.J. McLean esteja preparado. O músico se internou em uma clínica de reabilitação no começo do ano, aparentemente para se livrar do vício em drogas. Mas, segundo Brian Littrell, um dos dançarinos e vocalistas do grupo, A.J. "está muito bem". "Tenho orgulho dele", contou, em entrevista ao UOL Música por telefone.

Brian, que diz estar sempre em comunicação com A.J., ainda soa como um garoto. Quando a banda lançou seu primeiro disco, o cantor tinha apenas 20 anos. Hoje com 35, aparenta ter o mesmo entusiasmo de quando começou. "Ainda temos muita gasolina no nosso tanque", diz sobre o momento atual da banda.

A diferença é que agora os cantores têm mais experiência para lidar com tudo o que cerca o universo do grupo. Uma das mudanças foi a saída da gravadora Jive, onde o Backstreet Boys estava desde 1995. O vocalista acredita que daqui pra frente a banda pode fazer o que bem entender, sem depender mais da aprovação de terceiros. "Somos adultos agora. Estamos fazendo isso há muito tempo e podemos tomar nossas próprias decisões".

Em entrevista, Brian Littrell falou ao UOL Música sobre as novidades da turnê que vem ao Brasil, a reabilitação de A.J. e a turnê com o New Kids On The Block no meio do ano.

UOL Música - O Backstreet Boys veio ao Brasil em 2009 e agora está de volta com um novo álbum. O que há de diferente nessa nova turnê?
Brian Littrell -
Dessa vez estamos chegando com a turnê do disco "This Is Us", que é uma ótima amostra de como o Backstreet Boys está hoje. Mas também estamos pensando no futuro. Nos dois últimos discos, "Unbreakable" e "Never Gone", acho que o Backstreet Boys estava se redescobrindo e vendo onde queria chegar musicalmente. Com "This Is Us", estamos de volta no som pop tradicional que faz com que o grupo fosse reconhecido. Há muita dança no show, dançamos provavelmente 75% da apresentação. Estamos de volta ao básico, algo para lembrar como eram os Backstreet Boys.

UOL Música - Vocês farão apresentações solo, como da última vez que vieram?
Brian Littrell -
Não faremos shows solo dessa vez, porque há tantas músicas que temos que tocar... acho que tocamos quase 30 canções por noite, o que é bastante. Há muitos momentos especiais no show, em que os fãs terão a chance de ver Nick, Howie, A.J. e eu. Ao mesmo tempo, acho que a apresentação é melhor quando ficamos juntos.

UOL Música - A.J. entrou em uma clínica de reabilitação recentemente dizendo que 2011 será um ano importante para o Backstreet Boys e que ele precisa estar bem. Ele já está pronto para sair em turnê?
Brian Littrell -
Ele está muito bem, tenho orgulho dele. Falei com ele há poucos dias, temos conversado bastante enquanto ele está lá. Já está em reabilitação há quatro semanas, esta é a última. Ele me disse para levar meu equipamento de tênis e golfe para a América do Sul, pois vamos jogar muito por aí. Ele tem trabalhado muito para se certificar que fique bem. Em primeiro lugar ele tem que estar bem para si próprio, em um melhor estado físico, emocional e mental. Ele está trabalhando nisso. O ano de 2011 será bem atarefado. Temos a turnê aí e depois os shows com o New Kids On The Block... será um ano cheio. Ele está dando um passo de cada vez para ficar pronto para tudo isso.

UOL Música - Sobre a turnê com o New Kids On The Block, existe a possibilidade de gravar um disco juntos?
Brian Littrell -
Já gravamos uma música. É o single que vai lançar essa turnê. Donnie (Wahlberg, cantor do New Kids) e eu temos conversado sobre compartilhar músicas, há algumas demos por aí, então é uma possibilidade. Não sei se haverá um disco cheio, mas espero que a gente possa fazer mais umas três ou quatro faixas, seria ótimo para os fãs.

UOL Música - A promotora de shows Live Nation disse que pretende recriar o fenômeno das boy bands com essa turnê. Acha que esse fenômeno ainda funciona nos dias de hoje?
Brian Littrell - Parece que sim. Não me lembro de nenhuma grande banda nova hoje em dia. Por conta da internet, as coisas acontecem rapidamente e é muito difícil lançar-se com um novo grupo. Se você observar o Backstreet Boys e o New Kids On The Block, verá que temos fãs muito leais por muitos anos já. Acho que é possível que a Live Nation consiga recriar o fenômeno das boy bands, porque você está falando das duas maiores boy bands da história da música. O New Kids foi maior que o 'N Sync e nós vendemos mais discos que o New Kids, então você está pensando em algo como 200 milhões de álbuns vendidos entre as duas bandas. E isso é muita coisa! Mas não sei se tais números se repetiriam, pela forma como o mundo funciona hoje em dia.

UOL Música - No ano passado vocês deixaram a gravadora Jive, que estava com vocês desde 1995. O que mudou pra vocês desde então? Estão preparando um novo trabalho?
Brian Littrell -
Estamos trabalhando em um disco novo. Ainda temos muita gasolina no nosso tanque. Estamos fazendo isso há 18 anos. São oito álbuns juntos, e o nono chegará talvez no fim deste ano ou quem sabe no início de 2012. Estamos no estúdio compondo, produzindo, juntando ideias enquanto conversamos. Sempre haverá música em nosso futuro e estamos empolgados com isso. Há diferenças agora que deixamos a Jive. Podemos fazer, dizer e sermos o que quisermos enquanto artistas. Não estamos mais em um regime ditatorial. Somos adultos agora. Estamos fazendo isso há muito tempo e podemos tomar nossas próprias decisões. Estou ansioso pelos anos que virão, para que possamos continuar a crescer com nossos fãs e fazer boa música. Definitivamente, há mais música no futuro e mais crescimento para o Backstreet Boys e, obviamente, mais turnês.


BACKSTREET BOYS EM RECIFE

Quando:
18/02, a partir das 21h
Onde: Chevrolet Hall (Av. Agamenon Magalhães, s/n)
Quanto: R$ 140 (pista), R$ 280 (frontstage), R$ 150 (camarote, piso 3), R$ 180 (camarote, piso 2) e R$ 200 (camarote, piso 1); há meia-entrada para os setores pista e frontstage
Ingressos: pelo site www.ingressorapido.com.br e nos pontos de venda credenciados

BACKSTREET BOYS EM BRASÍLIA

Quando:
20/02, a partir das 20h
Onde: Ginásio Nilson Nelson (Asa Norte - Localidade Central, junto ao Eixo Monumental)
Quanto: R$ 160 (pista, lote 1) e R$ 300 (pista premium, lote 2); há meia-entrada para os dois setores
Ingressos: pelo site www.ticketsforfun.com.br e nos pontos de venda credenciados

BACKSTREET BOYS EM BELO HORIZONTE

Quando:
23/02, a partir das 21h
Onde: Chevrolet Hall (Av. Nossa Senhora do Carmo, 230, São Pedro)
Quanto: R$ 200 (pista e arquibancada); há meia-entrada disponível
Ingressos: pelo site www.ticketsforfun.com.br e nos pontos de venda credenciados

BACKSTREET BOYS NO RIO DE JANEIRO

Quando:
25/02, a partir das 22h
Onde: Citibank Hall (Avenida Ayrton Senna, 3000, Barra da Tijuca)
Quanto: R$ 160 (pista); há meia-entrada disponível
Ingressos: pelo site www.ticketsforfun.com.br e nos pontos de venda credenciados

BACKSTREET BOYS EM SÃO PAULO

Quando:
26/02, a partir das 22h
Onde: Credicard Hall (Avenida das Nacões Unidas, 17955, Vila Almeida)
Quanto: R$ 200 (pista); há meia-entrada disponível
Ingressos: pelo site www.ticketsforfun.com.br e nos pontos de venda credenciados

Hospedagem: UOL Host