UOL Música

Publicidade

07/04/2004 - 14h11
Membros do ABBA não voltariam a cantar juntos nem por US$2 bi



Por Paul Majendie

LONDRES (Reuters) - Nada poderia convencer os integrantes do ABBA a se juntarem novamente, nem mesmo a promessa de 2 bilhões de dólares. Depois de 30 anos, o supergrupo sueco pode ter dificuldade até mesmo para se lembrar das letras de seus clássicos pop.

Hoje em dia, basta a visão dos figurinos extravagantes que o grupo usava no palco para fazer seu compositor, Bjorn Ulvaeus, 58 anos, recuar constrangido.

Exatamente 30 anos depois que o ABBA ganhou o festival da canção Eurovision com "Waterloo", Ulvaeus se mostra orgulhoso de sua música, mas afirma que o grupo nunca mais vai voltar a fazê-la.

Quatro anos atrás, o ABBA recebeu uma oferta de 1 bilhão de dólares para se reunir. A resposta foi "não". E se essa cifra fosse dobrada, como ficaria?

"Nem mesmo assim", disse Ulvaeus à Reuters. "Isso nunca mais vai acontecer. Acho que esperamos demais. Nós nos separamos em 1981. As pessoas não nos vêem como grupo desde então. Se voltássemos juntos, seria uma decepção para elas."

Os dois casais responsáveis pelo nome do ABBA, formado pelas iniciais de seus próprios nomes -- Agnetha, Bjorn, Benny e Anni-Frid -- se divorciaram há muito tempo, mas hoje em dia sua relação é tranquila e amigável.

"Continuamos em contato, sim", disse Ulvaeus. "Estive com Agnetha na semana passada. Temos uma neta de 3 anos. Hoje nós nos vemos muito mais do que nos víamos há dez anos."

Quanto às roupas extravagantes que eles usavam no palco, Ulvaeus disse: "Não as visto há anos. Elas estão num museu."

A terça-feira foi mais uma data histórica para o ABBA: o dia em que o musical "Mamma Mia", baseado em seus maiores sucessos, comemorou cinco anos em cartaz em Londres, sempre com lotação esgotada.

A peça "Mamma Mia" pode acabar sendo ainda mais lucrativa do que os 350 milhões de álbuns do ABBA vendidos em todo o mundo.

Com 11 produções em cartaz e seis outras em desenvolvimento, ela já rendeu mais de 750 milhões de dólares em todo o mundo e foi vista por mais de 10 milhões de pessoas.

O musical entremeia a música do ABBA com a história de uma mãe solteira que vive numa ilha grega com sua filha, que vai se casar.

Lendo o diário da mãe, a filha descobre que seu pai pode ter sido qualquer um dos três antigos namorados da mãe. Ela convida os três ao casamento.

Ulvaeus se diz espantado com o sucesso do musical. "Fico orgulhoso e espantado. Pensei que seria um espetáculo pequeno, que talvez ficasse em cartaz por um ano num teatro pequeno de Londres."

As músicas do ABBA fazem parte do repertório dos karaokês de todo o mundo, mas Ulvaeus diz que, hoje em dia, precisaria de ajuda para cantar as canções que ele próprio compôs. "Não me lembro das letras", confessa.

"Eu as estou traduzindo ao sueco, pela primeira vez, porque vamos fazer uma produção na Suécia no início do próximo ano. E descobri que não sei as letras de cor, nenhuma delas."

ÍNDICE DE NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL


ÚLTIMAS NOTÍCIAS
16/06/2009

13h46- Aerosmith toca íntegra de disco clássico de 1975 em turnê

12h30- Primeiro festival de documentário musical começa dia 25 em São Paulo

12h15- Integrante da banda The Ventures, Bob Bogle morre aos 75 anos

12h07- http://img.uol.com.br/ico_assistir.gif Jeff Beck toca "Where Were You" ao vivo

12h05- http://img.uol.com.br/ico_assistir.gif Guitarrista inglês Jeff Beck toca "Big Block"

12h02- http://img.uol.com.br/ico_assistir.gif Clipe ao vivo de "Scatterbrain" com Jeff Beck

12h00- http://img.uol.com.br/ico_assistir.gif Jeff Beck toca "Goodby Pork Pie Hat" ao vivo

11h58- http://img.uol.com.br/ico_assistir.gif Jeff Beck toca "Led Boots" ao vivo em Londres

11h43- Spyro Gyra e homenagem a Carmen Miranda passam por palcos paulistanos

11h39- Violinista Hilary Hahn apresenta repertório erudito na Sala São Paulo

Mais Notícias