UOL Entretenimento Música
 

07/01/2010 - 11h15

Elvis faria 75 anos nesta sexta-feira e mantém imagem e lucros na crista da onda

BELINDA GOLDSMITH
Da Reuters Life!, em Sydney
  • AP Photo/File

    Elvis Presley em foto promocional de 1957

Ele foi embora há 33 anos, mas vários eventos e livros lançados nesta semana mostram que, 75 anos depois do seu nascimento, Elvis não morreu - nem seus rendimentos.

Elvis Presley, que na verdade morreu em 1977, aos 42 anos, é uma das mais lucrativas celebridades já mortas, tendo arrecadado US$ 55 milhões em 2009, segundo o site Forbes.com. O negócio é administrado pela Elvis Presley Enterprises, revitalizada em 2005 pelo magnata do entretenimento Robert Sillerman.

O aniversário do Rei do Rock, em 8 de janeiro, será celebrado com um bolo na sua residência, chamada Graceland, com uma nova exposição de trajes, maratonas cinematográficas, um aplicativo do Facebook, um cruzeiro marítimo dentro de alguns meses e uma boneca Barbie alusiva à canção "Jailhouse Rock".

No mundo todo, vários eventos marcarão o aniversário, o que incluiu a cidade australiana de Parkes, onde anualmente ocorre uma reunião de imitadores de Elvis, que adotam as roupas e os penteados do ídolo apesar do calor de 40 graus Celsius.

Três novos livros sobre o cantor - cuja vida já foi esmiuçada em cerca de 50 outras obras - também vão jogar lenha na fogueira do marketing, à luz da qual Elvis permanece jovem e magro, ao contrário do que ocorreu em seus últimos anos de vida.

A escritora Allanna Nash examinou o papel das mulheres na vida de Elvis no seu quarto livro sobre ele, "Baby, Let's Play House" ("Garota, vamos brincar de casinha"), concluindo que havia um vínculo doentio com sua mãe, Gladys, e que o fato de ele ter tido um gêmeo natimorto condicionou negativamente seus relacionamentos.

"Acho que o que ele queria das mulheres era ser tratado como filho, mas ele só saía com mulheres mais jovens, então isso nunca acontecia", disse Nash à Reuters após entrevistar várias namoradas, amigos, colegas e parentes para o livro.

"Mas o que realmente me surpreendeu foi que descobri que ele continuou emocionalmente com uma idade de 15 a 17 anos. Acho que por isso ele continuou gostando de meninas de 14 anos e encontrou muita felicidade em ser mentor delas. Ele próprio estava preso como adolescente."

Hospedagem: UOL Host