Música

Após cinco décadas de "clandestinidade", Beatlemania enfim chega a Cuba

Yamil Lage/AFP
Fã cubano mostra a carteira de motorista de John Lennon em sua casa em Havana Imagem: Yamil Lage/AFP

De Havana (Cuba)

22/03/2017 17h00

Todo domingo, ao anoitecer, ocorre um acerto de contas com um passado de proibição. E isso é feito por pessoas dançando, usando roupas de roqueiro e cantando a plenos pulmões o repertório dos Beatles, que eram censurados em Cuba.


É um paradoxo. A paixão pelos Beatles, que encanta cubanos com idades entre 60 e 75 anos, não só é pública, mas é vivida diariamente em um clube noturno do mesmo Estado que antes os forçou a uma Beatlemania quase clandestina.

Cabeludos grisalhos, mulheres maduras de minissaia e botas pretas e barrigudos exibindo camisetas alusivas ao quarteto de Liverpool chegam ao Submarino Amarelo, um bar com música gravada e ao vivo, no bairro El Vedado, em Havana.

À primeira vista, pode parecer uma festa retrô. Há cartazes, letras de músicas reproduzidas em larga escala, e capas de discos dos Beatles. No palco, está Eddy Escobar, um roqueiro de 46 anos que é considerado o melhor intérprete cubano da obra do lendário grupo.

Para os mais de cem clientes assíduos, é muito mais do que reviver as lembranças.

Yamil Lage/AFP
Centro cultural "Submarino Amarillo", em Havana Imagem: Yamil Lage/AFP


"Não é a nostalgia, mas o direito de viver o que não puderam viver por todas essas contradições (políticas) que existiram", diz o jornalista Guillermo "Guille" Vilar à agência France Press

Aos 65 anos, Vilar é o diretor artístico do Submarino Amarelo. Também foi um dos organizadores de um concerto em 1990, pelo décimo aniversário da morte de John Lennon, em um parque no centro de Havana, quando ainda havia censura.

Como o famoso bar, hoje funcionam ao menos outros cinco na ilha, todos estatais. Inclusive um deles, o de Holguín (leste), foi iniciativa de Miguel Díaz-Canel, de 56 anos, dirigente do Partido Comunista e possível sucessor de Raúl Castro.

Casal beatle

"Quando a febre dos Beatles ganhava o mundo, Gisela Moreno, de 64 anos, e Héctor Ruiz, de 65, já eram namorados e compartilhavam o gosto pelo rock.

Mas estavam na nascente Cuba revolucionária e socialista, e o governo de Fidel Castro impôs uma dolorosa censura aos meios, proibindo as músicas em inglês, o idioma do inimigo americano.

A cultura anglo-saxã ficou sob suspeita. Um cubano podia ser acusado de "diversionismo ideológico" (ou seja, de desviar a atenção da população dos interesses da revolução) e enfrentar a censura social.

Gisela e seu marido lembram que se parou de escutar músicas em inglês. No colégio onde estudavam, era exigido o uso de calças largas, em vez das mais justas que estavam na moda, e era proibido usar o cabelo solto e minissaias.

Mas os adolescentes da época não se renderam. Sintonizavam emissoras americanas em rádios de onda curta, e reproduziam as canções dos Beatles.

Quando um viajante lhes emprestava um disco, o levavam a um estúdio de gravação estatal para que o reproduzissem em placas metálicas.

Em festas privadas, "você colocava em uma vitrola e o que se ouvia era um barulho, e por trás se ouvia a música. Era um desastre, mas pelo menos ali estavam os Beatles", conta Ruiz.

Yamil Lage/AFP
Casal fã dos Beatles mostra pôsteres em sua casa em Havana Imagem: Yamil Lage/AFP


Hoje este casal de economistas que se tornaram hospedeiros de turistas tem seu refúgio beatlemaníaco em casa: fotos, cartazes, camisetas e até uma réplica da carteira de motorista de Lennon.

Quando podem, vão ao Submarino Amarelo para desfrutar de um hobby que antes lhes foi negado.

Fidel e Lennon A 50 metros do Submarino Amarelo, há uma estátua de John Lennon, inaugurada em 2000 por Fidel Castro.

Ver Castro ao lado da estátua "nunca tinha passado pela nossa cabeça. Parecia ficção científica", diz Moreno ao recordar o ato.

Foi um ministro cabeludo, Abel Prieto, de 66 anos, que promoveu essa reconciliação histórica da Revolução com os Beatles.

Castro, morto em novembro passado, se dirigiu a Lennon e disse que não tinha culpa da censura, pois na época estava concentrado nas tarefas do governo.

Desde então, o Lennon de bronze, do escultor José Villa, se transformou espontaneamente em um lugar de peregrinação de cubanos e turistas estrangeiros.

Em três ocasiões, os óculos de metal da estátua foram roubados, e por isso as novas estão sob custódia de um guarda, que as cede apenas para fotos.

Mesmo tendo aparecido tarde, a música dos Beatles conquista os jovens. Escobar e outros músicos cubanos se encarregam de propagá-la, assim como os meios de comunicação.

"Os Beatles chegaram para ficar, e eu os divulgarei para todos os que puder", afirmou Escobar.

Yamil Lage/AFP
Estátua de John Lennon inaugurada em 2000 em Cuba Imagem: Yamil Lage/AFP

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
Reuters
Adriana de Barros
Reuters
Música
do UOL
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
AFP
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
Adriana de Barros
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Música
UOL Música - Imagens
do UOL
Blog do Matias
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Matias
EFE
AFP
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
Topo