Música

D2: Jovem entra no samba para "ter Ferrari e casar com loura da novela"

Cadu Cavalcanti/Divulgação
O cantor Marcelo D2 Imagem: Cadu Cavalcanti/Divulgação

Mônica Vasconcelos
Bruno Garcez

Da BBC Brasil, em Londres

31/08/2015 18h00

O cantor carioca Marcelo D2, que desde a década de 1990 vem mesclando samba com rock e hip-hop à procura "da batida perfeita", disse à BBC Brasil que, se depender dele, o samba não vai morrer. Mas confessou estar triste com a situação atual deste gênero musical no Brasil.

Para D2, 47, pai de quatro filhos, o jovem que procura o samba hoje vem seduzido pela ideia de ter "a Ferrari e a loura da novela" e não pelo desejo de fazer um trabalho de qualidade.

De passagem por Londres, onde se apresentou na casa de shows Electric Brixton, no sul da cidade, D2 conversou com a BBC Brasil e respondeu a perguntas de internautas sobre vários tópicos, entre eles, a possível descriminalização do porte de drogas no Brasil, em discussão, nesse momento, no STF (Supremo Tribunal Federal), e a situação política no país.

Pergunta: O STF discute a possível descriminalização do porte de drogas para consumo próprio. O que tem a dizer sobre isso?
Marcelo D2 -
Acho que o Brasil está dando passos bem lentos neste sentido, mas já é um começo. Concordo com o ministro [do STF] Gilmar [Mendes]: usar drogas é uma decisão pessoal. Acho que a tolerância é o melhor caminho. O mundo inteiro já mostrou isso.

Tendo em vista que a compra e venda continuariam proibidas, a descriminalização do porte apenas já seria um avanço?
Avanço mesmo seria a legalização. Nos dois últimos anos, nos Estados Unidos, alguns Estados começaram a legalizar [a maconha] para uso medicinal e até uso recreativo. O caminho seria esse. Mas já é um primeiro passo. Só o fato de a gente estar começando a conversar, algo que já fazíamos no Planet Hemp desde 1995, e acabamos até indo presos. Mas só de podermos conversar já é um avanço.

Uma internauta pergunta: Cumprir mandato, renúncia ou impeachment? Claro que ela se refere à presidente Dilma.
Um impeachment é uma coisa muito séria. A gente já passou por isso. O Brasil tem de parar com esse negócio de direita ou esquerda, porque o caminho do centro sempre foi o mais sábio. Mas não sei se um impeachment faria bem para o Brasil. A gente tem de tirar o PT do governo, porque o PT já está [no poder] há 12 anos e, como o Brasil é um país supercorrupto, isso causa uma máquina de corrupção incrível. Acho que tem de mudar, mas mudar para quem também é difícil, né? A primeira coisa que a gente tem de fazer no Brasil, não importa se é Dilma, PT, PSDB, Aécio ou sei lá o quê, é acabar com a corrupção e a impunidade.

O rap brasileiro ainda reflete os problemas do cotidiano, das periferias? Ainda é um canal para se falar da desigualdade social no Brasil?
Não só no Brasil. Tenho andado pelo mundo, e em todo gueto tem um cara cantando rap e achando que vai mudar o mundo. O rap é a última música de protesto. Qualquer moleque que tenha uma boa ideia e queira falar contra o governo, contra a polícia, contra a violência na área dele.

E o samba? Historicamente, o samba já cumpriu esse papel. Ainda cumpre?
O samba já fez muito, é nossa identidade nacional. Mas não vejo o samba fazer esse papel desde os anos 1990. O Zeca [Pagodinho], o Arlindo [Cruz], o Jorge Aragão, artistas dos anos 1990, ainda fazem isso. Não sei por que o samba perdeu essa essência. Acho que o funk está indo por esse caminho. O funk também tinha um papel social nos anos 1990. Na verdade, a maioria dos músicos hoje procura sucesso e não uma carreira consolidada com uma obra bonita. Quando comecei a fazer música, quando fiz o primeiro disco, "Usuário" (1995), achei o álbum ótimo e pensei: "Daqui para a frente, quero melhorar, fazer música de qualidade". Minha busca nunca foi pelo sucesso, fama ou dinheiro. É difícil generalizar. Deve ter gente fazendo samba e preocupada com isso. Mas o que a gente vê é muita gente preocupada com o corte de cabelo, o que veste, o videoclipe, mais do que com a música. Samba como o João do Vale, a Jovelina [Pérola Negra], a turma do Cacique de Ramos [faziam], não tem mais, não. Tomara que esteja errado, mas é meio triste, né?

Isso teria a ver com a forma como a indústria e a mídia...
[Sem esperar pelo fim da pergunta] Super tem. Foi o que aconteceu com o boom do pagode. Você vê que o que está dando grana é isso, a maioria dos moleques que querem fazer samba quer esse caminho aqui. Você vê um pagodeiro rico casado com a loura da novela, e o João do Valle acabou a carreira pobre. O que o moleque vai querer ser? Vai querer ser o cara que é casado com a mina e que tem uma Ferrari. Será que o samba morreu? Se depender de mim, não. Faço samba também, meu rap tem 40% de samba.

Pretende fazer mais algum disco de samba?
Acabo de fazer um samba novo com o Arlindo, acabo de fazer um samba novo com o Rogê, tenho pensado em fazer um EPzinho de samba para o final do ano. Eu gostei muito da experiência de ter cantado Bezerra da Silva.

A batida perfeita continua sendo samba com rap?
O que importa é a procura, não é a batida perfeita. A batida perfeita é algo utópico. O que mais me fascina é a procura, é ter a oportunidade de cada vez trabalhar com música diferente.

Rap combina com tudo? Dá para misturar rap com sertanejo, por exemplo?
Tem gente que já fez [risos]. O hip-hop é uma cultura de apropriação. Começou com funk americano, mas dá para pegar jazz, samba. O interessante do rap é que é uma música muito regional. Mais importante do que a palavra é que a musicalidade seja daquela região. Por isso, eu procurei o samba.

O que você está ouvindo no momento?
Meus filhos dizem que só ouço morto [risos]. É difícil ouvir alguma coisa nova. De [material] novo, ouço rap. Kendrick Lamar, A$AP Rocky, Dot Demo, do Bronx. No rock, ouço Arctic Monkeys, Black Keys, mas é difícil. Sempre que penso em ouvir um disco novo, penso que tenho bastante disco antigo, clássicos maravilhosos, e prefiro gastar meu tempo ouvindo esses discos.

Falando em música mais antiga: um dos nossos internautas pergunta sobre o Chico Science, um artista que teve muita influência e que mesclou a música tradicional brasileira com sons mais modernos. Esse ainda é um caminho?
A geração anos 1980 do rock brasileiro queria ser os Smiths, queria ser as bandas inglesas. A nossa geração dos anos 1990 --tudo bem que Titãs e Paralamas fizeram isso muito antes-- se aprofundou nisso [na mistura de estilos brasileiros com sons de fora]. Planet Hemp e Rappa faziam rock com samba. Raimundos misturavam hard core dos Ramones com forró. Chico Science, rock com maracatu. Pena que o Chico partiu cedo. Era um cara visionário. Foi muito importante para mim ter alguém que fazia música regional e que era universal. Que alguém vai ouvir em Londres ou na China e vai dizer, "isso aqui é do Rio", ou, no caso do Chico, do Recife.

Produzir música custa caro. Sites de streaming usados para se acessar música sabidamente ou não pagam ou demoram muito a render o suficiente para que o artista cubra seus custos de produção. Qual é a saída para as pessoas fazerem música com qualidade hoje em dia?
O grande lance hoje em dia com a música digital é que o cara que gosta de música mesmo e quer fazer música pela música consegue encontrar o nicho dele e vender um pouquinho, fazer os showzinhos dele. E correr o mundo com o público dele, com quem gosta da música dele. Tem essa coisa de que as pessoas querem cantar para milhões. Não dá para todo mundo cantar para milhões. Com o Facebook e o YouTube, o músico tem mais caminhos para juntar o público dele em certos lugares. Mais importante do que viver de música é estar feliz em estar fazendo música.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Adriana de Barros
EFE
do UOL
AFP
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
BOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
EFE
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
do UOL
Topo