Música

"Brasil cria isolamento em relação à América Latina", diz Carlinhos Brown

Divulgação/Globo
O cantor e multi-instrumentista Carlinhos Brown Imagem: Divulgação/Globo

Macarena Soto

De Madri (Espanha)

03/07/2017 22h16

Após se apresentar no último fim de semana na World Pride Madri, Carlinhos Brown disse nesta segunda (3) que vê a Ibero-américa como "uma oportunidade para o Brasil" no âmbito cultural, e defendeu que é "importante que as línguas espanhola e portuguesa encontrem um caminho comum".

Em uma entrevista à Agência Efe por ocasião da sua participação na apresentação do livro "Somos Ibero-américa: 25 anos de Cúpulas Ibero-americanas", que acontecerá amanhã, Carlinhos reforçou o papel da música como componente que muda vidas, lembrando o que aconteceu no bairro onde nasceu, o Candeal, com um projeto social criado por ele.

Apesar de afirmar que não é uma "pessoa crítica" com o próprio país, mas sim um "apaixonado", ele reconheceu que o Brasil "cria um isolamento em relação ao resto da América Latina" por não "se esforçar" para aprender o idioma espanhol.

"É um país que agora está escutando 'Despacito' porque o reggaeton é um sucesso no mundo todo, mas não sabe quem são, por exemplo, os cubanos Chano Pozo e Celia Cruz. Conhece pouco dos 'hermanos' da Argentina; do candombe do Uruguai, das marimbas da Colômbia ou da cultura andina", comentou.

Para ele, a Ibero-américa é uma oportunidade para o Brasil se "reeducar", perceber a proximidade com os vizinhos e "evoluir em conjunto".

"Temos que ser mais abertos e ser menos egocêntricos", disse ele, destacando que a sociedade brasileira tem que valorizar mais o passado de sua população com culturas como a africana ou a árabe.

Sempre em busca da mistura entre diferentes ritmos e sons, a apresentação de Carlinhos fechou ontem a World Pride Madrid, evento que durante cinco dias agitou a agenda cultural da capital espanhola.

"Foi maravilhoso ver milhares de pessoas, de todos os tipos, se divertindo lado a lado, como tem que ser", disse.

Ciente da polaridade e da violência que tem sido vista em muitas partes do mundo, ele lembrou que o Brasil também foi fundado e formado por imigrantes que "buscavam melhorar sua qualidade de vida" e gostaria que agora "as fronteiras não se fechassem" para os que estão na mesma situação.

"Agora, não é o momento de fechar o Brasil por medo dos terroristas. Quem sabe não aprendemos com essas pessoas outra forma de amor e isso que chamamos de terrorismo acaba? Não temos que nos fechar", opinou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
Adriana de Barros
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Matias
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
UOL Música - Imagens
Música
UOL Música
do UOL
UOL Música - Imagens
UOL Entretenimento
UOL Música - Imagens
UOL Música - Imagens
UOL Música - Imagens
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Topo