Música

Tribunal admite pedido de paternidade contra cantor Julio Iglesias

Reprodução/Montagem
O cantor Julio Iglesias e Javier Sánchez Santos, que alega ser seu filho Imagem: Reprodução/Montagem

Valência (Espanha)

21/12/2017 18h51

Um tribunal de Primeira Instância de Valência (leste da Espanha) admitiu o trâmite de um pedido de paternidade interposto contra Julio Iglesias pelo jovem Javier Sánchez Santos, de 27 anos, que assegura ser filho do cantor.

Segundo informou nesta quinta-feira (21) o Superior Tribunal de Justiça de Valência, o juiz acordou enviar a demanda ao promotor e aos co-réus para que respondam em 20 dias.

Santos apresentou a demanda em 4 de setembro nos tribunais de Valência e afirmou então que tinha em seu poder uma prova "irrefutável" de DNA, conseguida pela "melhor equipe de detetives do país", que demonstrava que é filho de Iglesias.

"Tiveram que se passar 27 anos para conseguir uma prova de DNA que o meu pai biológico sempre rejeitou. Essa prova indica, com 99,9% de chances, que sou seu filho e que a minha mãe sempre disse a verdade. É hora que a justiça reparar o dano", afirmou.

O escritório de advocacia Osuna Abogados, que representa o jovem, emitiu hoje um comunicado no qual assegura que a admissão para trâmite é "uma boa notícia".

Segundo a nota, "a situação atual difere da ocorrida no momento de interposição da anterior demanda", que foi desestimada em 1999.

"Há muitos anos não existia uma prova nova que pudesse voltar a ser avaliada", dado que Julio Iglesias "continuava se opondo a realizar a citado exame biológico", segundo o comunicado.

No entanto, atualmente "existem novos elementos que permitem uma nova avaliação de todos os dados apresentados anteriormente e que não puderam ser alvo de teste na hora de ditar a sentença".

Além disso, "a nova avaliação das provas não pode ser realizada sobre provas que já estavam em poder do mesmo (tribunal), mas sim poderia ser realizadas sobre novas provas como é o caso atual ao dispor de um exame de DNA coincidentes".

O exame de DNA em que se sustenta a demanda foi realizada comparando 15 objetos diferentes recolhidos por um detetive em Miami (EUA) durante nove dias de trabalho.

O advogado Fernando Osuna explicou há meses em uma entrevista à Agência Efe que a análise foi realizada sobre "objetos que não têm valor, que foram desprezados, uma bituca, um lenço, uma lata de bebida, um guardanapo...".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
EFE
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo