Topo

Música

Pitty lança primeiro clipe do projeto Agridoce; assista ao vídeo de "Dançando"

Da Redação

24/10/2011 19h09

Enquanto não chega às lojas o primeiro álbum do Agridoce, projeto formado por Pitty e pelo guitarrista de sua banda, Martin Mendonça, a dupla lança o clipe do primeiro single inédito. A música "Dançando", que saiu oficialmente na semana passada, ganhou um vídeo dirigido pelo fotógrafo Otávio Sousa com cenas caseiras de Pitty e Martin durante a gravação do disco de estreia.

O álbum foi gravado durante 22 dias de agosto numa casa na Serra da Cantareira, próximo a Mairiporã, região metropolitana de São Paulo. Em entrevista exclusiva ao UOL, Pitty resumiu a temporada --inspirada no documentário "Funky Monks", do Red Hot Chili Peppers-- como um universo paralelo. "Essa coisa de 'o tempo é relativo' nunca foi tão verdade. A gente se perdeu no tempo/espaço", contou.
 
  • Reprodução

    Capa do primeiro disco do Agridoce

O primeiro disco do Agridoce está previsto para sair no final do ano pelo selo Vigilantes. "Temos muita música inédita e algumas que já divulgamos no nosso site, mas ainda não sabemos quais delas vão entrar no disco porque acabamos com mais material do que pensamos que teríamos. Temos 21 músicas prontas", disse Pitty na ocasião.
 
Com enfoque às composições acústicas, baseadas em grande parte por voz, piano e violão, as canções do Agridoce também serão adornadas por detalhes em bandolim, ukulele, glockenspell, escaletas e outros elementos. A brincadeira na Agridocelândia --apelido que deram à casa onde ficaram na Serra da Cantareira-- foi descobrir novos sons e barulhos diferentes. "Temos muitos tipos de chocalho, pés, palmas, porta, corrente, gaveta de cabeça para baixo", enumera a cantora.
 
Ainda não há planos para levar o novo trabalho aos palcos, mas Pitty e Martin já sentem saudades da temporada de confinamento. "Foi uma experiência. O Agridoce é um parque de diversões pra gente", diz ela, amparada pelo guitarrista: "É surpreendente que essas músicas tenham tocado outras pessoas, porque para nós era uma coisa muito despretensiosa".