Topo

Música


Morre, aos 92 anos, Howard H. Scott, um dos inventores do disco de vinil LP

Manuela Scarpa/Foto Rio News
Vinil que integra a exposição "The Elvis Experience", em cartaz até o dia 5 de novembro no Shopping Eldorado, em São Paulo (4/9/12) Imagem: Manuela Scarpa/Foto Rio News

Do UOL, no Rio*

2012-10-06T23:32:13

06/10/2012 23h32

Howard H. Scott, um dos inventores do disco de vinil long-play, morreu em 22 de setembro, na Pensilvânia (EUA), vítima de um câncer, de acordo com o "New York Times".

Howard trabalhou na equipe da Columbia Records que introduziu o disco de vinil long-play (LP), em 1948, antes de produzir álbuns com a New York Philharmonic, Glenn Gould, Isaac Stern e outros nomes da música clássica.

Em 1946, quando Scott tinha 26 anos, conseguiu um emprego na Columbia Masterworks, a divisão clássica da gravadora e foi incumbido de desenvolver o substituto para o disco de 78 rpm (rotações por minuto), que tocava apenas cerca de quatro minutos de música em cada lado.

O projeto, iniciado em 1940, já estava quase completo. Mas os engenheiros precisavam de alguém com formação musical - especialmente a habilidade de ler partituras orquestrais - para ajudar a transferir gravações antigas para os novos discos, que tocavam na velocidade de 33 1/3 rpm e podem armazenar cerca de 22 minutos de gravações de cada lado, além de serem feitos de vinil mais durável. Coube a Howard Scott a tarefa.

O LP foi adotado rapidamente como novo padrão para gravações em toda a indústria fonográfica.

Como produtor da Columbia, Scott trabalhou com a maioria das grandes orquestras dos Estados Unidos, incluindo as de Boston, Cleveland, Filadélfia, St. Louis e Cincinnati, além da Filarmônica de Nova York. Ele tinha uma associação estreita com o pianista Glenn Gould, começando com sua gravação histórica de Bach, "Goldberg Variações", em 1955.

Depois de deixar a Columbia, em 1961, trabalhou na MGM Records, RCA Red Seal, o editor G. Schirmer e a Filarmônica de Rochester, onde foi gerente executivo na década de 1970. Ele ganhou um prêmio Grammy em 1966 como produtor do álbum clássico do ano: "Symphony Charles Ives do No. 1", realizado pela Orquestra Sinfônica de Chicago, regida pelo maestro Morton Gould.

A partir de 1986, até sua aposentadoria em 1993, Scott assumiu na Sony a tarefa de transferir álbuns antigos para um novo formato: o CD.

 

*com informações do The New York Times