PUBLICIDADE
Topo

Madonna encerra em Porto Alegre turnê no Brasil com resfriado, vaias e ingressos esgotados

9.dez.2012 - A diva pop também passou por Rio de Janeiro e São Paulo com sua turnê "MDNA Tour" - Jefferson Bernardes/UOL
9.dez.2012 - A diva pop também passou por Rio de Janeiro e São Paulo com sua turnê "MDNA Tour" Imagem: Jefferson Bernardes/UOL

Cristine Kist

Do UOL, em Porto Alegre

10/12/2012 01h47

Madonna se despediu do Brasil na noite deste domingo (9), após um atraso que deixou o público gaúcho impaciente. Foram mais de duas horas de espera, algumas vaias e até um coro de “Madonna, vai tomar no...”. O show estava marcado para as 21h, mas as 43 mil pessoas que lotaram o Estádio Olímpico tiveram que esperar até as 23h10 para que Madonna finalmente subisse ao palco e desse início à sua primeira apresentação em Porto Alegre. Mas a verdade é que, uma hora e 45 minutos depois, ninguém nem lembrava mais do início turbulento.

O cenário, cheio de motivos religiosos, impressiona: é saindo de um confessionário gigante que a cantora começaa sua performance com “Girl Gone Wild”. Crucifixos, badaladas de sino e dançarinos travestidos de monges também fazem parte desse primeiro momento do show. Na sequência, durante “Revolver” e “Gang Bang”, Madonna incorpora uma espécie de super-mulher e distribui tiros teatrais entre seus bailarinos, que dessa vez se passam por uma gangue. A plateia vai ao delírio quando ela simula uma disputa por uma arma com um dos rapazes. É só uma amostra da grandiosidade do espetáculo: os 22 dançarinos usam cerca de 700 peças de figurino, e a própria cantora troca de roupa várias vezes.

Depois vem o primeiro hit das antigas, “Papa Don’t Preach” (que é executada só pela metade). O público continua animado quando ela puxa “Hung Up”, do álbum “Confessions on a Dance Floor” (2005), mas dá uma murchada durante “I don’t give A...”, do “MDNA”, o álbum mais recente que dá nome à turnê. Do telão, a cantora Nicki Minaj faz uma participação e atesta: "Só há uma rainha, e ela é Madonna". E a expressão da cantora deixa claro que ela concorda com o elogio.

Em seguida vem um dos pontos altos do show: “Express Yourself”. A música, lançada em 1989, virou um dos momentos mais esperados das apresentações da turnê desde que Madonna começou a incluir na letra um trecho de “Born This Way”, de Lady Gaga. A intenção é mostrar a semelhança entre as duas composições, e a plateia, claro, adora o “duelo” de divas. É nesse momento que ela faz a primeira troca de roupa: agora está vestida de líder de torcida e chega a fazer a contagem típica das cheerleaders em português: "Um, dos, três, quatro!". O show continua com “Give Me All Your Luvin" e “Turn Up the Radio”, em que ela se dirige ao público pela primeira vez: "Vamos lá, Porto Alegre, quero ver todos os meus amigos cantando com a voz mais alta do mundo todo".

A plateia esfria um pouco durante “Open Your Heart” ("vocês podem fazer melhor que isso", ela chega a dizer), mas volta com tudo já durante "Sagara Jo". É quando ela confessa que está resfriada e não se sentia bem disposta antes de subir ao palco: "Esse é o primeiro show que nós fazemos na América do Sul que não chove, obrigada Deus. Infelizmente eu peguei um resfriado e antes de o show começar eu não estava realmente querendo me apresentar. Mas ver as caras lindas de vocês sorrindo me dá força para fazer isso". Depois do desabafo, quando avistou fãs que reconheceu dos outros shows, ela brincou: "Vocês ainda estão aqui? Espero que tenham lavado essas roupas". Em seguida ela emendou "Masterpiece" e ouviu o infalível coro de "Madonna, eu te amo!".

Depois, durante "Vogue", o palco se transformou numa passarela, e o estádio virou um grande estúdio fotográfico, onde cada um posava para a sua câmera imaginária. Depois, no que pode ser descrito como o momento mais "erótico" do show, vieram "The Erotic Candy Shop" (em que ela chegou a encostar a língua na língua de um dos bailarinos) e "Human Nature". "Like a Virgin", que era esperada, ficou de fora.

Na sequência, "I'm Addicted" e "I'm a Sinner" apenas serviram de introdução para o grand finale. "Like a Prayer" é provavelmente o momento mais aguardado do show, e não decepciona. Acompanhada por dois coros, um no palco e outro na plateia, ela cantou balançando uma bandeira do Brasil. No final, vestiu também uma camisa da Seleção com seu nome gravado nas costas. E foi "Celebration" a escolhida para encerrar a apresentação e mais essa passagem da diva pelo Brasil. Ficaram de fora sucessos como Holiday, Music e Material Girl, mas a verdade é que ninguém pareceu muito incomodado. A opção por priorizar as músicas do álbum mais recente sem descartar os clássicos é prova de que a cantora não renega o passado, mas sabe se reinventar e não ficou presa ao formato que a tornou famosa nos anos 1980. Os fãs, de todas as idades, agradecem.

O show em Porto Alegre foi o último dessa passagem da cantora pelo Brasil (ela já tinha se apresentado no Rio e em São Paulo). Da capital gaúcha, Madonna segue para Buenos Aires, onde se apresenta na quinta (13) e no sábado (15). Depois ela vai para Santiago do Chile, onde tem show marcado no dia 19, e encerra a turnê com mais um show na Argentina, dessa vez em Córrdoba, no dia 22.

Set List
“Girl Gone Wild”
“Revolver”
“Gang Bang”
“Papa Don't Preach”
“Hung Up”
“I Don't Give A”
“Express Yourself”
“Give Me All Your Luvin'”
“Turn Up the Radio”
“Open Your Heart”
"Sagara Jo"
“Masterpiece”
“Vogue”
“The Erotic Candy Shop”
“Human Nature”
“I'm Addicted”
“I'm a Sinner”
“Like a Prayer”
“Celebration”