PUBLICIDADE
Topo

No Porão do Rock, Lobão apresenta música sobre Fora do Eixo e Pablo Capilé

Do UOL em São Paulo

01/09/2013 12h44

O cantor e compositor Lobão apresentou neste sábado (31), no Porão do Rock, em Brasília, uma música com referências ao trabalho do Fora do Eixo e de seu líder Pablo Capilé. O músico é um críticos ao trabalho do coletivo e, nas últimas semanas, tem provocado Capilé para participar de um bate-papo com ele pelas redes sociais.

"Mané querendo mudar o mundo / engenheiro social / tungando a grana de artista / inventando edital / direito autoral ele também não quer / mas eu não vou deixar", diz um trecho da música, chamada "Eu Não Vou Deixar" (veja a letra completa abaixo).  
 
Entre as principais queixas de artistas sobre o Fora do Eixo estão relatos de falta de pagamento de cachês e repasses de verbas obtidas via editais. Em entrevista ao UOL em agosto, Pablo Capilé afirmou que nunca foi contra o pagamento de artistas e que, se alguém deixou de receber, foi um "erro que precisa ser corrigido". "Por um momento alguém pode ter deixado de receber. Isso não pode ser encarado como uma política nossa. Não temos essa política do calote, disse. 
 
Depois de muitas críticas e denúncias nas redes sociais e veículos da imprensa, o Fora do Eixo publicou em seu site tabelas com prestações de contas de suas atividades.
 
No sábado, antes do show, Lobão avisou que tocaria uma música feita para pessoas como Pablo Capilé.
 
Além de Lobão, o Porão do Rock teve outras 37 atrações entre as noites de sexta e sábado em Brasília. 
 
Suicidal Tendencies, Os Paralamas do Sucesso, Soulfly, Capital Inicial, Matanza e Dead Fish foram algumas das atrações do festival ocorrido no Estacionamento do Estádio Nacional Mané Garrincha.
 
Veja a letra de "Eu Não Vou Deixar":
 
Por todos esses anos
Por tudo que eu passei
Por tudo o que eu faço
E ainda o que eu farei,
Não vem com esse papo de hiponga
Que eu não vou deixar
 
A palavra é minha arma
Minha bala é minha canção
Nem vem mexer com aquilo
Que você não tem noção
Não adianta insistir, meu irmão,
Que eu não vou deixar
 
Cadê a sua lábia?
Seu tempo se esgotou
Quem foge da conversa
Já perdeu de W.O.
Te aviso companheiro, não se esconda
Que eu não vou deixar
 
E agora? Aonde está
A banca que você botava?
E agora? De quem é mesmo
O pesadelo que você armava?
E agora? Eu estou aqui e é você
Que foi embora…
E agora ,você deu o fora,
Mas que papelão!
 
Mané querendo mudar o mundo
Engenheiro social
Tungando a grana de artista
Inventando edital
Direito autoral ele também não quer,
Mas eu não vou deixar
Patrulha e desespero,
Evangelho coletivo
Doutrina de carola estatizado e vendido
Rebelde chapa-branca quer que eu cale
Mas eu não vou deixar
 
De bem intencionados
Eu não aguento mais
Tem otário se achando valente
Mas quando me vê, mija pra trás
 
Acabou sua pilantragem, sabe por quê?
Porque eu não vou deixar