Topo

Música


Nico Nicolaiewsky, criador de "Tangos & Tragédias", morre aos 56 anos

Nico Nicolaiewsky em seu show solo, "Música de Camelô" - Raul Krebs/Divulgação
Nico Nicolaiewsky em seu show solo, "Música de Camelô" Imagem: Raul Krebs/Divulgação

Do UOL, em São Paulo

07/02/2014 10h18

Criador do espetáculo musical "Tangos & Tragédias", o ator e músico Nico Nicolaiewsky morreu às 5h30 desta sexta-feira (7), aos 56 anos, em Porto Alegre, em decorrência de complicações relacionadas à leucemia mielóide aguda.  Ele estava internado desde janeiro no hospital Moinhos de Vento para tratar a doença.

O músico será velado no Teatro São Pedro, em Porto Alegre. O horário ainda não foi definido, mas será aberto ao público. O lugar do velório é simbólico: desde 1987, o musical é apresentado todo verão no local. A temporada prevista para este ano, que ficaria em cartaz até fevereiro e celebraria 30 anos da peça, havia sido cancelada após a internação de Nico. 

Nas últimas semanas, a atriz Márcia do Canto, mulher de Nico, relatou o tratamento intenso que o músico vinha se prestando para combater a doença. Na tarde de quinta-feira (6), ela pediu aos amigos no Facebook doação de sangue e plaquetas para o marido.

"Porto Alegre e o Rio Grande estão tristes com a morte do grande músico e ator Nico Nicolaiewsky. Momento de um doloroso luto", lamentou no Twitter o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro.

Ao lado do também músico e parceiro Hique Gomez, o gaúcho, natural de Porto Alegre, criou o "Tangos & Tragédias" em 1984. A comédia se tornou um fenômeno de público, principalmente no sul do país.
 





  • Divulgação

    Nico Nicolaiewsky e Hique Gomez como o Maestro Plestkaya e o violinista Kraunus Sang, em "Tangos e Tragédias"

Carreira
Nico Nicolaiewsky foi um prolífico músico, tendo estudado piano --desde os 13 anos-- na UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Logo depois, participou do lendário musical "Saracura", na década de 1970, onde cantava e tocava teclado, e na ópera cômica "As Sete Caras da Verdade", em 2002. Aluno do maestro Hans-Joachim Köellreuter, Nico também gravou dois discos solos, "Nico Nocolaiewsky" (1996) e "Onde Está o Amor?" (2007), produzido por John Ulhoa, guitarrista do Pato Fu.

Em 2013, montou um show próprio chamado "Música de Camelô", onde cantava, ao piano, músicas bregas e hits das FMs, como "Ai Se Eu Te Pego", de Michel Teló, e "Tô Nem Aí", de Luka. 

Mas foi com o "Tangos & Tragédias" que conquistou reconhecimento nacional. No musical, ele interpretava o triste maestro Pletskaya, sempre acompanhado de acordeon e piano. Ele e o violinista Kraunus Sang (interpretado por Hique) eram personagens de um país fictício chamado Sbórnia, do qual os dois teriam fugido. A história ganhou versão em espanhol e foi apresentada em Buenos Aires (Argentina) e San Sebastian (Espanha). 

O espetáculo foi lançado em DVD em 2007. Em 2011, foi escolhido como Melhor Show Popular pela Associação Paulista de Críticos de Arte. Recentemente, serviu como base para a animação brasileira “Até Que a Sbórnia Nos Separe”, ainda sem data de estreia. Nico emprestava a voz para versão animada de seu personagem no filme.

Veja trecho de "Tangos & Tragédias"