Topo

Música

Pitty regrava sucesso de Rita Lee para nova temporada de "Malhação"

Produção/Malhação/Gshow
A cantora Pitty durante gravação da música "Agora Só Falta Você" para a série da Globo "Malhação" Imagem: Produção/Malhação/Gshow

Do UOL, em São Paulo

04/07/2014 11h31

Nos comerciais da Globo já se ouve a voz de Pitty cantando "Agora Só Falta Você", sucesso de Rita Lee em 1975. A cantora baiana deu nova roupagem à música para a abertura da nova temporada de "Malhação", série da Globo que reestreia no dia 14 de julho (clique aqui para ouvir). "Fico pensando que, de repente, isso pode fazer a moçada chegar no Tutti Frutti, Os Mutantes, Novos Baianos, Secos & Molhados", contou Pitty ao UOL sobre o convite da emissora.

Reprodução
Capa do disco "Fruto Proibido" (1975), de Rita Lee & Tutti Frutti Imagem: Reprodução

"Agora Só Falta Você" foi lançada no álbum "Fruto Proibido" de Rita Lee com a banda Tutti Frutti, eleito pela revista "Rolling Stone" o 16º melhor disco brasileiro de todos os tempos. "Foi um desafio por ser tão conhecida e por eu, particularmente, considerar a versão original tão definitiva. Quebramos a cabeça para encontrar uma versão interessante, que mantivesse a vibe do original, mas com frescor", disse a cantora, que lançou recentemente o disco "Sete Vidas".

A versão feita por Pitty e sua banda --Duda (bateria), Martin (guitarra), Guilherme (baixo) e Paulo Kishimoto (teclados)-- ganhou guitarras pesadas, diferente da canção original. "Acho que a boa mesmo é tentar perceber o que é essencial naquela música para que ela não se perca. Mas, de qualquer forma, penso que não vale a pena fazer uma versão se for para fazer igual. Acho bom sempre tentar imprimir a própria personalidade, dar a sua interpretação".

Principal representante feminina do rock brasileiro atual, Pitty é fã assumida de Rita Lee e de sua música. "Meus discos prediletos são os com o Tutti Frutti, em especial o 'Fruto Proibido'. Em termos de letra, de arranjo, de timbres, a banda, o jeito dela cantar nessa época. Mas também tenho um apego grande com o '1979', o 'Rita Lee' de 1980 e o 'Rita Lee & Roberto de Carvalho' de 1982 por ter ouvido muito na infância e estarem no meu inconsciente emocional".