Topo

Música


Cantor Miltinho, conhecido como Rei do Ritmo, morre aos 86 anos

Do UOL, em São Paulo

08/09/2014 09h29

O cantor Milton Santos de Almeida, conhecido como Miltinho, morreu na noite de domingo (7), no Rio de Janeiro, aos 86 anos. Um dos maiores intérpretes de samba do Brasil, Miltinho deu voz a sucessos como “Mulher de Trinta", “Leva Meu Samba”, "Meu Nome é Ninguém" e “Palhaçada”, na década de 1960.

Ouça Miltinho

  • Divulgação

    Na Rádio UOL

    Conheça e relembe sucessos de um dos maiores intérpretes do samba

Ele estava internado desde julho no Hospital do Amparo, no Rio Comprido, zona norte do Rio, parar tratar o pulmão, quando não resistiu a uma parada cardíaca.

Segundo sua filha, Sandra Vergara, o velório acontece na Capela 3 do Memorial do Carmo, na zona portuária. O corpo será cremado às 17h no mesmo local.

Rei do Ritmo
Conhecido como “Rei do Ritmo”, Miltinho foi um dos últimos cantores da época dos conjuntos vocais do samba. Sobre sua relação com o gênero, comentou certa vez: "É como você ir comprar um sapato e já saber qual o número que vai servir". Ele ganhou o apelido por contrariar os ritmos ditados pelas orquestras na época, cantando  dois tempos atrasados e à frente da harmonia.



Na década de 1940, integrou diversos grupos, como Namorados da Lua e Milionários do Ritmo. Como instrumentista – ele nunca deixou de tocar pandeiro --, Miltinho marcou presença em um dos mais bem-sucedidos conjuntos vocais na década de 1940, Anjos do Inferno, que chegou a sair em turnê com Carmem Miranda e lançou marchinhas de sucesso, como “Nós, os Carecas”, “Nêga do Cabelo Duro”  e “Cordão dos Puxa-Sacos”.

Mas foi como cantor solo e compositor que Miltinho se consagrou. Na década de 1960, chegou a participar de um filme de Mazzaropi, “"O Vendedor de Linguiças". Na mesma época, gravou um disco em parceria com Elza Soares, “Elza, Miltinho e Samba”. O dueto deu tão certo, que os dois voltaram a gravar em 1968 e 1969.

No aniversário de 70 anos, em 1998, lançou o CD "Miltinho Convida", com convidados de luxo – na verdade, fãs --, como João Nogueira, João Bosco, Luiz Melodia, Chico Buarque, entre outros. Durante sua carreira, lançou a carreira de Luiz Ayrão e João Nogueira.

Em 2008, foi tema do curta “No Tempo de Miltinho”, que venceu como Melhor Curta brasileiro no festival de documentários É Tudo Verdade, em 2009.

No ano passado, o selo Discobertas lançou uma coletânea em comemoração aos 60 anos de carreira do cantor, com o lançamento de 12 LPs de Miltinho, de 1960 a 1965, em CD.

Miltinho deixa três filhos e cinco netos.

Música