Topo

Música


Livro mostra como a novela fez trilha sonora do Brasil entre anos 60 e 80

Pablo Miyazawa

Do UOL, em São Paulo

10/12/2014 06h00

O que as músicas “Lua e Flor”, “O Amor e o Poder” e “Faz Parte do Meu Show” têm em comum, além da temática romântica, do caráter pegajoso e de terem sido lançadas na segunda metade dos anos 1980? Todas foram canções-tema de personagens centrais de novelas de imenso sucesso –respectivamente, “O Salvador da Pátria”, “Mandala” e “Vale Tudo”. E cada uma, à sua maneira, ajudou a catapultar as vendas das trilhas sonoras desses folhetins.

Essa é uma das conclusões levantadas em “Teletema - A História da Música Popular Através da Teledramaturgia Brasileira” (Editora Dash), de autoria dos jornalistas Guilherne Bryan e Vincent Villari, que realizaram um ambicioso raio-x das trilhas sonoras de novelas, exibidas principalmente na Globo, da metade dos anos 1960 até 1989. Em mais de 500 páginas produzidas ao longo de 14 anos, a obra analisa o impacto que esses discos tiveram na então emergente indústria fonográfica e o contexto em que sonorizaram alguns dos produtos mais importantes da ficção brasileira.

Bryan

  • O sucesso de uma telenovela faz com que a trilha também seja bem-sucedida, uma vez que as canções é que devem servir à teledramaturgia, e não o contrário

    Guilherne Bryan

Capa do livro "Teletema" - Divulgação
Capa do livro "Teletema"
Imagem: Divulgação
Algumas crenças a respeito dessa rica relação audiovisual são confrontadas e confirmadas em “Teletema”. Uma delas é a de que as grandes vendas de uma trilha sempre correspondem à boa audiência de uma novela. “O sucesso de uma telenovela faz com que a trilha também seja bem-sucedida, uma vez que as canções é que devem servir à teledramaturgia, e não o contrário”, explica Bryan, que é especializado em música brasileira. Ele cita como exemplo mais emblemático “Roque Santeiro” (1985), cuja trilha nacional é a mais vendida até o início dos anos 1990. “Arrisco a afirmar que dificilmente aquelas canções teriam o mesmo sucesso radiofônico se a novela não tivesse sido tão bem-sucedida”, diz.

Para Bryan, o fator determinante para o êxito de uma trilha sonora é “o sucesso da teledramaturgia com a qual ela trabalha e o fato de as canções se encaixarem bem ou não com os personagens e com a trama”. Mas nem sempre a associação de uma música emblemática a uma história de sucesso resulta em grandes vendas do disco propriamente dito. Apesar da relação direta entre “Vale Tudo” e o tema “Brasil”, na voz de Gal Costa, o álbum nacional da novela de Gilberto Braga vendeu 180 mil cópias, pouco se comparado aos 500 mil exemplares de “Mandala”, que trazia Rosana cantando “O Amor e o Poder”, e de “O Salvador da Pátria”, com “Lua e Flor” de Oswaldo Montenegro.

A capa ajuda nas vendas

Além da análise minuciosa dos artistas e estilos escolhidos para as trilhas, de estudos sobre as capas e de listas com números de vendagens, “Teletema” relembra casos curiosos, como o da trama "De Quina pra Lua", exibida em 1985 no horário das seis. Apesar de a novela ser pouco lembrada hoje em dia, sua trilha internacional vendeu impressionantes 430 mil cópias, muito graças ao repertório, um verdadeiro “hit parade” da época, e, provavelmente, à foto que estampava o vinil: uma mulher engatinhando de biquíni fio-dental sobre a areia da praia.

Capa do LP com a trilha de "De Quina pra Lua" - Reprodução
Capa do LP com a trilha de "De Quina pra Lua"
Imagem: Reprodução

Em se tratando de novelas da Globo, trilhas internacionais historicamente vendem mais do que as nacionais. “Elas foram fortemente ancoradas nos sucessos radiofônicos do pop e do rock, visando o público jovem e urbano, que se tornou, a partir da década de 1970, o principal consumidor de música no Brasil”, explica Villari, que, além de pesquisador de novelas, já escreveu diversos roteiros para a Globo. “Já no caso das nacionais, a prioridade sempre foi incluir músicas que tivessem a ver com os personagens e com o clima da história, tivessem elas vocação comercial ou não.”

No caso do personagem que ia aparecer na capa de cada disco, a escolha também era pensada para se relacionar diretamente ao conteúdo musical e ao público-alvo de cada trilha. Um repertório mais adulto dava espaço a um ator mais maduro. Se a seleção privilegiava o pop e o rock, eram escolhidos astros jovens. “Antes, era muito raro ver um ator que interpretasse um vilão na capa de uma trilha”, lembra Villari, citando como exemplos recentes os de “Fina Estampa”, que trazia na capa a vilã Tereza Cristina (Christiane Torloni), e “Amor à Vida”, com Félix (Mateus Solano). “Nestes casos, é a grande repercussão conquistada por estes personagens o chamariz para o consumidor.”

A seguir, cenas do próximo capítulo

A fase 1985-1989 marcou uma “era de ouro” das vendagens de trilhas novelísticas –seis das dez novelas com mais discos vendidos foram exibidas nesse período de cinco anos. “Há que se frisar a evolução de vendagem como consequência da própria evolução da indústria fonográfica no Brasil”, explica Guilherme Bryan. Os autores de “Teletema” creem que tal sucesso pode ser explicado por fatores ligados ao aumento do consumo do brasileiro, mas também ao contexto social em que as novelas foram escritas. “A teledramaturgia enfim se via livre das limitações impostas pela censura federal para abordar assuntos polêmicos como corrupção, incesto, homossexualidade, tráfico de drogas e infidelidade conjugal”, aponta Vincent Villari.

Já a década seguinte marcou algumas quebras de paradigma: a consolidação do produtor Mariozinho Rocha como diretor musical da TV Globo (cargo que exerce até hoje); o fim –momentâneo- do monopólio da emissora no horário nobre, que com a febre em torno de “Pantanal” viu a Rede Manchete se tornar um rival à altura; e o lançamento da trilha de novela mais bem-sucedida de todos os tempos, muito por motivos musicais –“O Rei do Gado”, com mais de 2 milhões de cópias vendidas de um disco calcado no sucesso do gênero sertanejo, que se alastrou pelo país e conquistou além dos grandes centros urbanos. Mas essas são as cenas do próximo capítulo de “Teletema”, cujo volume 2 já está em produção e deve ser lançado, de acordo com Bryan e Villari, “em dois ou três anos”.

"Teletema – A História da Música Popular Através da Teledramaturgia Brasileira – Volume 1 – 1964 a 1989"
Editora Dash
512 páginas
R$ 69,00


 

Música