Música

Mercado de shows gringos sofreu ainda mais com Copa e eleições em 2014

Pablo Miyazawa

Do UOL, em São Paulo

17/12/2014 16h59

Produtores grandes e de portes médio e pequeno concordam: 2014 foi um ano atípico para o mercado de shows internacionais no Brasil. Os principais obstáculos foram comuns a todos os investidores e fizeram a diferença nos resultados. O vilão da vez é a recessão econômica, que foi agravada pela Copa do Mundo e as eleições presidenciais e atrapalhou os investimentos, encarecendo as turnês e retraiindo o consumo do público. Fora isso, os velhos problemas do segmento, como valores inflacionados de cachês de artistas e, consequentemente, o alto preço dos ingressos, persistiram.

No quesito quantidade, não é apenas impressão: o ano realmente trouxe um menor volume de artistas estrangeiros aos palcos brasileiros. Com a Copa, os meses de junho e julho praticamente não tiveram eventos musicais relevantes. Entre os festivais, a ausência do Rock in Rio (tradicional ímã de artistas de peso) acabou fazendo certa diferença no calendário do segundo semestre. Também foi sentida a falta do festival Planeta Terra, que ocorria sem interrupções desde 2007 e foi cancelado devido aos “dois movimentos agitados do mercado” –no caso, Copa e eleições.

Porém, para produtoras de peso como Time For Fun (T4F), Plan Music e Move Concerts, não dá para dizer que o ano foi ruim. Problemas à parte, elas puderam comemorar as realizações de dezenas de shows de artistas de ponta com ingressos quase sempre esgotados, mesmo diante das circunstâncias únicas que marcaram 2014. Para driblar a crise, a saída foi tentar minimizar os riscos e só investir em produtos “garantidos”.

“Tanto a Copa do Mundo quanto as eleições dominaram o país, o que contribuiu para que fossemos tão seletivos e assertivos nos conteúdos trazidos”, diz Alexandre Faria, diretor artístico da Time For Fun, que viabilizou a vinda de 20 atrações internacionais, como One Direction e Miley Cyrus, além do elenco do festival Lollapalooza.

Definindo a performance da T4F como “boa” em 2014, Faria cita o sucesso das turnês de Metallica, Demi Lovato, Eddie Vedder e Laura Pausini, todos com venda total de entradas. Entretanto, os números divulgados pela produtora até o terceiro trimestre foram menores do que os de 2013, tanto em receita como em quantidade de shows e ingressos vendidos. As reduções teriam sido causadas pela escassez de eventos musicais durante o mundial de futebol e a não realização de shows em estádios.

Procuradas pelo UOL, a Plan Music (responsável pelo festival Circuito Banco do Brasil e os shows de Paul McCartney) e a Move Concerts (que produziu as turnês locais de Elton John, Arctic Monkeys e Queens of the Stone Age) não responderam aos pedidos de entrevista.

Quanto vale o show?
Por investirem pouco e não se arriscarem tanto, as produtoras pequenas também resistiram, na medida do possível, ao ano atípico. Difícil mesmo foi o desafio de empresas de médio porte. Seria até possível fazer uma analogia entre a situação econômica desse setor e a das classes sociais do país: enquanto a elite continuou em alta e as classes “C” e “D” experimentaram crescimento, a “B” ficou estagnada e lutou para sobreviver em meio à crise. Nesse caso, dá para dizer que a “classe média” do mercado de shows internacionais também sofreu.

“Com os custos mais altos, e consequentemente o preço das entradas também, o público comprou menos ingressos. E a carteirinha de estudante falsa rolou solta como nunca”, explica Paola Wescher, sócia da Beltrano Musical, responsável pelo festival Popload, e por shows de artistas de apelo entre o público “indie”, como Spirtualized, Yo La Tengo e Thurston Moore. “Fizemos bastante shows, mas foi um ano difícil financeiramente. O resultado de expectativa do público foi abaixo do que esperávamos.

Já a questão dos cachês inflacionados atrapalha principalmente produtores de menor porte – mesmo aqueles que se limitam a organizar shows de artistas que atraem poucas centenas de pessoas. “Tem nomes que começamos a negociar em 2013 por um certo cachê em dólares, e, da noite para o dia, passaram a custar quatro vezes mais”, diz Bruno Montalvão, da Brain Productions, que co-organizou as turnês de Mac Demarco, Sebadoh e Real Estate no Brasil. “Entendemos que algumas bandas internacionais crescem rápido demais, mas o Brasil ainda não tem um mercado de shows e festivais tão amplo como na Europa e nos Estados Unidos, muito menos a economia estável.”

Paola faz coro: “O preço do cachê é sempre alto. Acontece que bandas que antes eram consideradas pequenas agora são 'hype', e o cachê passa a não ser mais de banda pequena. A inflação fez com que todos os custos na cadeia de produção aumentassem também: transporte, passagens aéreas, locação de equipamentos.

O que definiu 2014 para o mercado de shows internacionais no Brasil?

  • Justamente por saber que Copa e eleições seriam os [principais] eventos, já estávamos preparados e não fomos pegos de surpresa. Valor de cachê e o interesse do público são levados em conta quando pensamos em trazer conteúdos internacionais, mas o fator determinante para o bom resultado foi a estratégia da empresa

    ALEXANDRE FARIA, da T4F
  • "Existe uma mudança de comportamento no consumo de shows por parte do público, e isso faz com que o interesse e o foco mudem. Os novos consumidores não escutam mais um álbum inteiro. Portanto não faz mais tanto sentido assistir a um show inteiro, se o que você ofertar for 'apenas' um show."

    PAOLA WESCHER, da Beltrano Musical
  • "Foi um ano complexo por conta de Copa e eleições, que polarizaram o Brasil. Também complicaram o preço alto de alguns cachês e uma espécie de leilão interno que existe no mercado de shows internacionais. Mesmo assim, aconteceu muita coisa boa e relevante. Se houvesse menos burocracia e algum incentivo público, aconteceria mais."

    BRUNO MONTALVÃO, da Brain Productions
  • "Decidimos só fazer eventos já pagos por patrocinadores, para não correr riscos. Se fosse um ano sem Copa e eleições, faríamos mais coisas. Preferimos não arriscar durante um ano tão incerto, e isso não rolou só conosco. O medo e tensão generalizada que tomaram conta do país fez com que muita gente não arriscasse em eventos."

    FABIANA BATISTELA, da Inker
  • "Acho que a Copa não atrapalhou. Muito pelo contrário, acabou trazendo diversos artistas para o Brasil, o que realmente acabou sendo um fator positivo. O que pode ter contribuído para um ano [apenas] 'aceitável' é o preço abusivo dos ingressos e um 'overbooking' de festas no mercado."

    GUIL SALLES, do Grupo8ito

A oportunidade nas dificuldades
De um modo geral, 2014 foi um ano em que o Brasil se preparou para o pior, financeiramente falando. No caso do mercado de shows, as empresas preferiram agir com mais cautela do que de costume. “No final de 2013, estávamos todos muito céticos. Achávamos que o ano seria um desastre para a cultura. Mas no final, o resultado foi bom”, avalia Fabiana Batistela, da Inker Agência Cultural, que co-organizou o Sub Pop Festival e concentrou esforços em projetos já financiados por patrocinadores. “Decidimos não arriscar, não depender de bilheteria. E deu certo.”

Também houve a chance de lançar mão de alternativas criativas para transformar os percalços –no caso, a Copa do Mundo– em oportunidades de negócio. “Fizemos a turnê 'French Touch', com DJs franceses, patrocinada pela Embaixada da França e o Bureau Export”, conta Fabiana. “Então, a Copa nos ajudou. Acabou sendo uma oportunidade para nós.”

Eventos patrocinados também puderam se dar ao luxo de não cobrar ingressos da audiência, como foi o caso do Converse Rubber Tracks, evento de cinco dias elencado por artistas como Chromeo e Dinosaur Jr., bancado por uma marca de calçados. “Deu 'sold out' em questão de minutos, e ficamos impressionados com a mobilização on-line”, conta Guil Salles, do Grupo8ito, que organizou o festival. “O que enxergamos é a vontade imensa do público de conferir artistas legais, mas que muitas vezes perdem a oportunidade por causa do preço cobrado pelas empresas que organizam eventos.”

O que será de 2015?
Para o ano que vem, o senso comum é o de que a situação não evoluirá do ponto de vista de quem busca lucro fácil com a produção de shows internacionais. O otimismo é o sentimento favorito entre os produtores, mas os indicadores do mercado não permitem que se vá muito além do pensamento positivo.

“A economia está cada vez pior, e acho difícil termos sinais de melhora antes de setembro, outubro”, opina Paola Wechser. “Estamos diversificando o trabalho. Faremos mais shows, mas muita coisa vai mudar. Vamos nos preparar para um 2015 de crise, mais difícil que 2014. Tomara que eu esteja equivocada.”

Para empresas menores, a questão dos cachês elevados continuará a merecer atenção. “Como nosso mercado ainda é incipiente, temos que saber negociar com os agentes e managers internacionais, buscando posicioná-los sobre nossa realidade e trabalhando para que os shows fiquem mais viáveis e próximos do que realmente podemos oferecer”, diz Bruno Montalvão. Já para Fabiana Batistela, a esperança de melhora também está atrelada a mudanças políticas. “Estamos na expectativa para saber quem será o próximo ministro da Cultura”, diz. 

“Será um ano igualmente desafiador, e não só para o mercado de shows, mas para o país como um todo”, crê Alexandre Faria, da T4F, citando como empecilhos o momento de desaceleração econômica e a alta do dólar. Portanto, mesmo para quem comemorou sucessos em 2014, o futuro ainda exige cautela. “O Brasil entrou definitivamente na rota das grandes turnês, e temos uma das plateias mais apaixonadas do planeta. Não faltam boas opções para trazer ao país, e isso nos deixa otimistas. Mas precisamos avaliar tudo muito bem, de acordo com a nossa estratégia.”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
Música
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
TV e Famosos
do UOL
EFE
AFP
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
Topo