PUBLICIDADE
Topo

Justiça manda dupla de "Camaro Amarelo" pagar conta "pendurada" de DVD

A dupla sertaneja Munhoz e Mariano gravou novo DVD - Divulgação
A dupla sertaneja Munhoz e Mariano gravou novo DVD Imagem: Divulgação

Felipe Branco Cruz

Do UOL, em São Paulo

18/03/2015 21h25Atualizada em 19/03/2015 17h21

A empresa MM Produções e Eventos, da dupla sertaneja Munhoz e Mariano, foi condenada a pagar R$ 86.544,20 a Roberto Fabiano Leite, dono de uma empresa de locação de equipamentos para shows. A decisão foi publicada no Diário da Justiça do Estado de São Paulo nesta terça-feira (17).

A condenação corresponde ao valor não pago do aluguel de equipamentos usados na gravação do terceiro DVD da dupla, "Nunca Desista", ocorrida no dia 25 de fevereiro de 2014, no estádio Prudentão, em Presidente Prudente. A decisão foi dada em em primeira instância na Comarca de Presidente Prudente. Cabe recurso.

Capa de "Nunca Desista - Ao Vivo no Estádio Prudentão", de Munhoz & Mariano - Divulgação - Divulgação
Capa do disco gravado no Prudentão
Imagem: Divulgação

De acordo com a advogada Karina Peres Silverio, que representa Roberto, seu cliente foi contratado para fornecer os equipamentos e a montagem de diversas estruturas do evento, porém choveu no dia 22, data inicialmente marcada para o show, e a gravação do DVD teve que ser adiada. "O contrato foi prorrogado e o Fabiano concordou em cobrar apenas 50% do valor para as locações do segundo dia", explicou a advogada ao UOL.

As condições climáticas continuaram ruins e o show, que deveria ter ocorrido no dia 23, só foi acontecer no dia 25. "Neste período, os equipamentos do meu cliente ficaram parados no estádio à disposição da dupla".

A MM Produções, no entanto, pagou apenas pelo primeiro dia, quando choveu, restando pagar R$ 90 mil referentes ao segundo dia, quando o show foi efetivamente realizado. "O Fabiano tentou por inúmeras vezes entrar em contato com os empresários da dupla e responsáveis pela empresa MM Produção e Eventos Musicais, contudo não obteve êxito, não restando outra alternativa a não ser cobrar os valores por medida judicial", completou a advogada.

De acordo com a decisão judicial, a dupla foi citada, porém não apresentou contestação, "presumindo-se verdadeiros os fatos por ele (Fabiano) alegados", conclui a decisão.

Após a publicação desta reportagem, em nota oficial, o advogado da dupla Munhoz e Mariano, Marcus Faria da Costa, comentou que está recorrendo da decisão. "A empresa MM Produções artísticas, que nunca teve qualquer problema dessa ordem, sentindo-se totalmente desonrada pela postura deste prestador de serviços, está tomando todas as medidas judiciais necessárias a fim de coibir os atos praticados", diz a nota divulgada pelo advogado.

Sobre a decisão judicial, o advogado disse que o valor cobrado foge do que é praticado no mercado. "Sendo isto, a prova maior para justificar a inexistência da alegada contratação, que de fato nunca ocorreu. Motivo pelo qual, diante das provas já levantadas e testemunhas que voluntariamente se apresentaram indignadas por tais afirmações, comprovaremos os fatos acima narrados", finalizou.