PUBLICIDADE
Topo

Nuno Mindelis: B.B. King veio do espaço numa nave anterior à de Hendrix

Nuno Mindelis*

Especial para o UOL

15/05/2015 13h35

O Rei está morto? Nah! O Rei nunca morre.

Morreu a identidade terrena de B.B. King. Mas ele não é terreno.

Como (pouquíssimos) outros, veio do espaço. Numa nave um pouco anterior à de Jimi Hendrix.

As notas curtas que compõem um dos (poucos) fraseados mais originais e invulgares da história da guitarra estão pulverizadas nas milhares de inflexões dos também milhares de guitarristas do planeta Terra, mesmo que eles não saibam. Alterou-lhes o DNA, como uma substância poderosa faz.

Aos nove, dez anos, recebi um compacto cujos lados A e B eram, respectivamente, "You're Mean" e "So Excited". Enviado de longe por um primo, guitarrista de uma banda que chegou a acompanhar Muddy Waters em turnês no Hemisfério Norte. Junto, uma nota que dizia “Preste bastante atenção a este músico promissor”. Eu caí literalmente de costas. E nunca mais consegui me levantar como antes.

Segundo o próprio B.B., sua assinatura única da guitarra (um tesouro que ele mesmo não tinha noção plena de ter inventado) decorreu da tentativa frustrada de imitar T. Bone Walker. Mil vivas à frustração!

Nos EUA, país que adotou como seu quando chegou do espaço sideral, era quase um slogan a frase "B.B. vai morrer tocando". Não se cogitava que parasse. O ar que respirava e tudo o que lhe era vital era o palco, que escalava desde menino, muito menino. Mas teve que parar. Internado, teve shows cancelados. Isso não condiz com B.B., era quase certo que asfixiaria.

Mas, como disse no começo, B.B. não morreu. Ele auto replicou-se e confirma teorias da eternidade de algumas organelas que, encontradas na Terra, cientistas acreditam ter vindo do espaço. The thrill is NOT gone! Nunca.

Até já B.B.!

* Músico luso-brasileiro nascido em Angola, Nuno Mindelis é um dos mais conceituados guitarristas de blues do Brasil. Ele se apaixonou pela guitarra aos cinco anos e aos nove já estava tocando instrumentos construídos por ele próprio. Em 1998, foi eleito o melhor guitarrista de blues segundo o concurso mundial de aniversário de 30 anos da revista americana "Guitar Player"