Topo

Música


Dennis DJ muda a cara dos bailes funk do Rio e é comparado a David Guetta

Felipe Branco Cruz

Do UOL, em São Paulo

2015-07-11T05:00:00

11/07/2015 05h00

Nos bailes funk do Rio de Janeiro, Dennis DJ está sendo chamado de o "David Guetta do funk". O apelido não veio por acaso. O músico de 34 anos, nascido em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, está transformando os bailes cariocas em verdadeiros festivais de música eletrônica, com direito a telão de led, lasers, efeitos pirotécnicos e gelo seco. 

Embora o DJ não seja tão conhecido do público fora do Rio de Janeiro, ele já está no mercado há 18 anos e é autor de hits como "Tapinha Não Dói" (Bonde do Tigrão), "Esporro na Escola" (Jonathan Costa, da Nova Geração) e "Tô Tranquilão" (MC Sapão), além de assinar a produção de "Eguinha Pocotó" e "Vai Lacraia" (ambas do MC Serginho) e "Cerol na Mão" (Bonde do Tigrão).  
 
"Assim como o David Guetta, eu também produzo e faço muita música. Só não botava meu nome. O Guetta popularizou o papel do DJ", disse ao UOL. "Guetta, Tiësto, Calvin Harris arrastam multidões. O funk também", afirmou. Prova disso foi a gravação do DVD "Baile do Dennis" que lotou o Vivo Rio no dia 23 de maio. O registro deverá chegar às lojas em setembro. E não é só na capital fluminense que o DJ tem feito shows, São Paulo também receberá o "Baile do Dennis" no dia 31 de julho no Metropolitan (Rua Bragança Paulista, 1244). 
 
A mudança de produtor para músico ocorreu há três anos quando Dennis decidiu que não queria apenas produzir as músicas e sim "botar a cara" e participar das composições. "Comecei a trabalhar aos 16 anos, em 1996, como DJ da Furacão 2000", lembrou. Quando saiu de lá, Dennis produziu alguns artistas até virar o "David Guetta do funk". "Há uns três anos eu comecei a aparecer nos clipes dos artistas e foi um pouco complicado. As pessoas perguntavam: 'Quem é esse cara, aí?'. E eu respondia: 'Sou o cara que produziu e escreveu a música'", lembra. 
 
Para mudar a cara dos bailes funk, DJ Dennis se inspirou em festivais como o Ultra e o Tomowrrowland. "Hoje é mais um espetáculo. Antes a imagem do baile eram as popozudas no palco e o paredão de caixas de som", comentou. O sucesso é tanto que Dennis já ganhou até fã clube. Assim como a Anitta tem as "Anitters" e o Luan Santana tem as "Luanetes", Dennis tem as suas fãs fanáticas, as "Denáticas". "Eu faço de tudo para agradar meus fãs. A música é boa. Mas quem vai no baile ganha também bonés que são muito disputados", contou. 
 
Gabriel Wickbold/Divulgação
Dennis DJ, o "David Guetta do funk" Imagem: Gabriel Wickbold/Divulgação
Funknejo
 
Como produtor, Dennis percebeu também o potencial de outros estilos musicais e tem feito parcerias com sertanejos e sambistas. Um deles é o Lucas Lucco, com o qual já gravou uma música (ainda inédita) que deverá ser lançada em breve. Outro foi o Monobloco, que participou da gravação do DVD ao vivo com a música "Carol". 
 
Mas a parceria mais prolífica foi com a dupla João Lucas & Marcelo. "Eu fiz um remix de 'Eu quero tchu, eu quero tcha' e recebi uma ligação do empresário deles. Pensei que iriam me processar, mas me convidaram para tocar com eles", lembrou. O resultado foi a participação de Dennis no DVD da dupla onde ele apareceu tocando "Prisioneira" (do Bonde do Tigrão) e "Louca, Louquinha" (do MC K9). Ambas ganharam no DVD uma roupagem sertaneja. 
 
A parceria com João Lucas e Marcelo foi além e contou até com a participação de Ronaldinho Gaúcho. "O Ronaldinho ouviu em um churrasco a demo da música 'Vamos Beber' e amou. Ele ficou o dia inteiro cantando o refrão. O João Lucas me ligou e disse que o Ronaldinho tinha gostado da música. Então nós convidamos ele para cantar no clipe. O resultado é que virou um funknejo e já teve mais de 14 milhões de visualizações no YouTube", explicou. 
 
Para Dennis, o pop no Brasil é representado pelo funk e pelo sertanejo. "A música brasileira é o que as pessoas estão ouvindo. Tudo que fizermos para o funk atingir outros públicos é valido", concluiu.