Música

Gangsta que invadiu cinemas americanos também moldou o rap brasileiro

Tiago Dias

Do UOL, em São Paulo

27/08/2015 13h29

Não teve Tom Cruise em “Missão Impossível” que conseguisse segurar a surpreendente bilheteria de “Straight Outta Compton - A História do N.W.A.” nos cinemas americanos. Cinebiografia do grupo de rap estadunidense N.W.A., o filme custou US$ 29 milhões e era tratado pelos magnatas de Hollywood como algo menor, até desbancar os blockbusters do verão americano e arrecadar US$ 111 milhões em apenas duas semanas.

A falta de visão da indústria tinha um motivo: o filme é sobre o N.W.A., mas também sobre a cena do Gangsta Rap, cujo objetivo é claro e direto: atacar o sistema (e principalmente a polícia) com letras violentas sobre a realidade na periferia e discursos combativos. Soa familiar?

Liderado pelo Eazy E, Dr. Dre, DJ Yella, Ice Cube e MC Ren, o N.W.A. foi o principal porta-voz do Gangsta no final dos anos 1980, ao lado de Ice-T, e mais tarde Tupac e Snoop Dogg. A filosofia se espalhou para além da fronteira e ajudou na gestação do rap brasileiro, influenciando grupos como Racionais MC’s, Facção Central, Câmbio NegroFace da MorteSabotage, 509-E, Pavilhão 9. “O Gangsta é a maior referência que temos no rap nacional. É algo muito forte”, observa Rodrigo Brandão, MC do grupo Mamelo Sound System e ex-apresentador do “Yo! MTV Raps”, um dos primeiros programas dedicados ao rap no Brasil.

Com 25 anos de carreira, o rapper Dexter é citado até hoje como representante do movimento. “Gangsta aqui é o cara que teve ligação com a prisão ou que teve ligação de verdade com a rua de terra mesmo, com as favelas. É o cara que fala de tudo isso e está em tudo isso. É o cara que canta contra esse sistema”, explica. Ex-integrante do 509-E, grupo criado por detentos do Carandiru, o rapper afirma que o gangsta investiga o submundo e usa as rimas como arma. “Não é necessariamente pesado na batida, mas sim nas ideias.”

Dexter

  • Divulgação

    Gangsta aqui é o cara que teve ligação com a prisão ou que teve ligação de verdade com a rua de terra mesmo, com as favelas. É o cara que fala de tudo isso e está em tudo isso. É o cara que canta contra esse sistema

    Dexter
Nos Estados Unidos, o N.W.A sempre teve um repúdio especial pela política e pela polícia. "Fuck Tha Police" [“Foda-se a polícia”, em português], o rap mais famosos do grupo, denunciava, com ousadia e sátira, a força desmedida da instituição contra a juventude negra, em uma época em que a figura da polícia era posta como herói em realities shows de TV como “Cops”. A raiva dos versos -- e o fato de Eazy-E ser um ex-traficante -- culminou em ameaças do FBI para que o grupo fechasse a boca.

Sem apoio nem da MTV, as ideias do N.W.A. se tornaram hinos de forma espontânea e que ressoam ainda hoje, em um momento em que os Estados Unidos se vê em torno da discussão sobre racismo e a repressão policial.

“Enquanto o Public Enemy [outra referência do rap brasileiro] pregava a consciência, o N.W.A. tinha um lance da rua, era uma luta armada, era uma coisa do Partido dos Panteras Negras”, Rodrigo recorda.

A imprensa americana noticiou que a polícia estava alerta para possíveis revoltas com a estreia de “Straight Outta Compton”, programado para estrear no Brasil em 29 de outubro. Acabou encontrando apenas longas filas nos cinemas

Reprodução
O grupo de rap americano N.W.A. Imagem: Reprodução
Sujeito engajado
Pesquisador e doutorando em história social da Universidade Federal de Uberlândia, Roberto Camargos estudou o que chama de “construção do sujeito engajado” no rap brasileiro em seu livro “Rap e Política”, lançado recentemente pela Boitempo editora.

Esse engajamento próprio do Brasil encontrou no Gangsta sua melhor expressão. Em “Capítulo 4 Versículo 3” e “Eu Sou 157” dos Racionais, por exemplo, há um discurso forte sobre a realidade através de histórias de ladrões. Para quem acredita que os clássicos glamorizam a vida no crime, Camargos defende: “São portadoras de uma lição moral que prega a paz e a vida honesta do que qualquer outra coisa”, observa. “Falam do crime e da violência, mas têm um caráter pedagógico que termina por refutar tais práticas.”

A medida que a fama crescia e o dinheiro entrava, a filosofia do N.W.A. degringolou em uma série de abusos e briga de egos. Em entrevista a “Rolling Stone”, Mano Brown conta que no começo dos anos 1990, o Racionais começou a ficar mais violento. “Esperávamos o pior, que poderíamos cruzar com os nazis, os polícias. Tínhamos essa visão de trocar [tiros] com os polícias, de igual para igual. (...) Queríamos destruir a autoridade deles, e morreríamos por isso. Fazíamos reuniões nos banheiros dos bailes para tramar ações”, recordou o rapper.

Gangsta nas letras

  • Por que você não nos diz o que tem pra dizer do submundo / Um jovem negro só se fode só porque é escuro /E não da outra cor, então a policia acha que tem autoridade para matar a minoria / Foda-se eles, eu não vou ser o otário que é pego por esses safados com distintivo e uma arma / que é espancado e jogado na cadeia

    Fuck tha Police, N.W.A.
    x

    A Justiça Criminal é implacável / Tiram sua liberdade, família e moral / Mesmo longe do sistema carcerário / Te chamarão para sempre de ex-presidiário / Não confio na polícia, raça do caralho / Se eles me acham baleado na calçada / chutam minha cara e cospem em mim é / Eu sangraria até a morte / Já era, um abraço / Por isso a minha segurança eu mesmo faço

    Homem na Estrada, Racionais MC's


Gangsta hoje
Hoje, o Gangsta Rap pode parecer distante da filosofia do N.W.A. Com o passar do tempo, o estilo se tornou mais hedonista, sexista e flertou com a ostentação. Criador do festival Hip-Hop indie, Rodrigo Brandão observa que apenas o glamour do gênero não chegou às terras aqui. “Nos anos 1980, tinha essa coisa de gostar de ser mal. Hoje em dia, eles gostam de ser ricos. A diferença é apenas uma: Nunca teve muito dinheiro no rap aqui no Brasil”, observa.

No Brasil, a cena ainda se mantém viva com veteranos como Eduardo, ex-Facção Central, Realidade Cruel e outros grupos como Voz D’Assalto, na baixada Santista.

Finalizando a produção de seu disco, com participações de Ed Motta e Péricles, Dexter observa que o rap de hoje – com a sonoridade e o público cada vez mais diversificado, como os trabalhos de Emicida e Criolo --, continua a tocar o dedo na feriada.

“Os tempos mudaram, não é só alegria, alegria. Diante disso, eu acho que a gente ainda fala do universo Gangsta. O rap é compromisso, e antes do Sabotage cantar, nós sabemos disso”.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Blog do Matias
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
do UOL
Adriana de Barros
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
do UOL
DW
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
AFP
Chico Barney
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
UOL Música - Imagens
Adriana de Barros
do UOL
Adriana de Barros
UOL Entretenimento
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
Topo