Música

A-ha instaura karaokê coletivo em show na Barra Funda, em SP

Jotabê Medeiros

Colaboração para o UOL, em São Paulo

15/10/2015 01h32

Após uma maratona de 20 dias correndo o Brasil, com shows no Rock in Rio, Fortaleza, Recife, Brasília, Pará (e nesta quinta em Curitiba, no Curitiba Master Hall), o grupo norueguês A-ha baixou na noite dessa quarta-feira (14) no Espaço das Américas, na Barra Funda, em São Paulo, mais uma vez com casa lotada. Impressiona sua consistente popularidade: no final de semana, hospedados no mesmo hotel da seleção brasileira de futebol em Fortaleza, fizeram com que ninguém se lembrasse de Daniel Alves e Hulk por ali.

Em São Paulo, em 1h40 de show, o A-ha instaurou uma espécie de karaokê coletivo. O primeiro grande coral de 8 mil pessoas da noitada foi com "Stay on These Roads" (música-título do terceiro álbum da banda, de 1988). Depois, prosseguiu com a balada "Crying in the Rain", "Hunting High and Low" (que tem 30 anos de idade e fica cada vez melhor) e "You are the one". De vez em quando, o tecladista Magne até virava o microfone para o público, para que fizesse a sua parte.

Mas a plateia esperava mesmo era por "Take on me", que pedia aos berros. A canção veio no finalzinho, após um longo bis de três músicas. A satisfação do público era evidente.

“Boa noite! Nós estamos muito felizes de estar aqui”, disse o tecladista Magne Furuholmen, encarregado do português de viagem, ao iniciar o show com "Cast in Steel", do seu disco mais recente, lançado este ano. Abrindo a noite, "Cast in Steel" chegava a causar espanto: como é que um grupo de pop rock faz uma música tão pueril, tão manjada, tão “antiga” em pleno século 21? "Cast in Steel" soaria ousada em 1985, quando o A-ha começou, mas hoje parecia brincadeira. De fato, é no passado que está o futuro do A-ha: assim que a banda empunhou "Cry Wolf" (do disco Scoundrel Days, de 1986), ficou evidente o quanto eles eram visionários em seu synthpop inaugural.

Com bases orquestrais que evocam, não raro, música clássica, Bach ou Beethoven, e lições do minimalismo pré-robótico do Kraftwerk, o A-ha conseguiu sintetizar uma linguagem desconcertantemente popular e simples, mas sem ser simplória. Magne e mais Paul Waaktar-Savoy (guitarras)  e Morten Harket (voz) são o A-ha (que conta com três músicos extras, um baterista, um baixista e um programador). Com uma touquinha de lã e parecendo coadjuvante, Waaktar-Savoy é na verdade o principal compositor do grupo. No show dessa noite, ele assumiu um coté mais para The Edge, flutuando pelo palco com texturas quase invisíveis, mas de eficiência irrepreensível.

Morten Harket é tão cool que parece um homem de gelo. Não é um entertainer, quase não fala com o público – e mesmo quando desceu do palco e foi até ele, parecia uma entidade. Mas é impressionante como sustenta um falsete por mais de 20 segundos, um portento vocal. Também seu rosto, a máscara trágica de sobrancelhas arqueadas e os gestos lentos contribuem para dar credibilidade ao conceito de “melancolia melódica” da banda – uma melancolia dançável, paradoxalmente eufórica, à maneira do New Order.

A vantagem, em relação aos shows nos estádios e ao Rock in Rio, é que o Espaço das Américas possibilitou uma apresentação mais intimista, mais generosa com os detalhes. Houve uns problemas no telão, que estava com delay entre a imagem e a voz e instrumentação. Na saída do show, o conterrâneo do grupo, o cantor Sondre Lerche (que se apresenta nesse final de semana no Popload Festival, no Audio Club), que estava vendo o concerto, comentou: “Foi um show de som mais encorpado, com uma guitarra mais agressiva. Fantástico”.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
TV e Famosos
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
AFP
Adriana de Barros
Adriana de Barros
do UOL
Blog do Matias
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
Blog do Matias
Reuters
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
do UOL
AFP
Adriana de Barros
do UOL
AFP
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Topo