Topo

Entretenimento


Tem R$ 150? Dá para contratar atleta olímpico para tocar no seu casamento

Cammy Moreno/Bola de Neve Campinas/Reprodução
Alexander Russo se apresenta em igreja Imagem: Cammy Moreno/Bola de Neve Campinas/Reprodução

Leonardo Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

2016-08-18T06:00:00

18/08/2016 06h00

Com meros R$ 150, você consegue contratar um atleta olímpico de alta performance para tocar na festa do seu casamento. Mas será apenas para uma única música. A apresentação completa do paulista Alexander Russo sai por um pouco mais do que isso.

Violinista e velocista, o jovem de 22 anos vai à pista do estádio Engenhão nesta sexta (19) com a equipe brasileira no revezamento 4 x 400 m nos jogos do Rio. Ele é reserva do time que também tem Hederson Estefani, Pedro Luiz de Oliveira, Hugo de Sousa, Peterson dos Santos e Lucas Carvalho.

O sonho olímpico parece não intimidar Russo, que é formado no respeitado Conservatório de Tatuí, no interior de São Paulo, e começou aos três anos de idade no violino, incentivado principalmente pela mãe, uma pianista amadora que tocava para ele quando ainda estava na barriga.

A primeira apresentação veio aos cinco anos. A habilidade espantosa do garoto logo fez dele "spalla" (primeiro-violino) na tradicional Orquestra Sinfônica Jovem da cidade, tocando peças de Mozart e Beethoven. Mas no meio do caminho havia um Bolt.

“Desde pequeno eu amava correr. Sempre era o mais veloz na escola e nos jogos escolares”, conta ao UOL o jovem, que hoje integra o clube de atletismo BM&FBovespa e é sargento da Força Aérea Brasileira.

"Aí, aos 17 anos, fiquei maluco ao ver uma reportagem do Usain Bolt em uma revista dizendo que ele havia batido o recorde mundial nos 100 metros rasos. Tanto que pedi para a moça do lugar se eu podia rasgar a página da reportagem (risos).”

Reprodução/Facebook
Alexander Russo (esquerda) participa de prova de revezamento Imagem: Reprodução/Facebook

A mãe de Alex, que sonhava ver o filho músico, levou um baque. “Foi muito difícil para ela. Quando comecei a treinar, eu ainda estudava violino, trabalhava em administração em uma empresa com meu pai e ia para escola. E do nada falei: ‘mãe, quero encerrar meus estudos no violino e virar atleta.”

Inspirado pelo recordista jamaicano, Russo foi atrás de um professor de atletismo em Boituva (SP), onde vivia, e começou se arriscando primeiro nos 100 e 200 metros rasos. Convidado para a equipe do professor Evandro Lázari em Campinas, se especializou nos 400 metros, prova que melhor se adaptava a seu biótipo.

Os resultados não tardaram: foi campeão no sul-americano juvenil, no sul-americano sub-23 e sexto lugar no Troféu Brasil, garantindo a última vaga de suplente nos 4 x 400 m dos Jogos Olímpicos.

Reprodução/Facebook
Alex é reserva no revezamento 4 x 400 m Imagem: Reprodução/Facebook

Futuro no esporte

Alex, que estuda educação física e é fã de pop rock e da banda Coldplay, se diz pronto para correr na Olimpíada se for preciso e ressalta que seu futuro está mesmo nas pistas. Com tudo que já conquistou, a música se transformou em um hobby praticamente restrito às celebrações semanais na igreja evangélica Bola de Neve, em Campinas.

“Hoje penso só no atletismo. Tenho mais uns dez anos de carreira talvez. Mas, para o futuro, quero continuar trabalhando com o atletismo.”

O desafio da equipe brasileira de atletismo é do tamanho da admiração que todos têm por Usain Bolt. Há 24 anos o país não chega a uma final no revezamento 4 x 400 m.

“O atletismo é complicado. Aparecem equipes fortes do nada. Hoje, nosso objetivo é ir à final. Estando nela, vamos, sim, lutar para fazer a melhor marca e ir em busca da medalha. É um degrau de cada vez”, diz Alex, que fez questão de levarlevou o violino para a Vila Olímpica.

"Até gravei um GIF legal para a Nike. Aí toquei para a galera no dia da entrega do material esportiva. Ficaram emocionados (risos)."

Mais Entretenimento