PUBLICIDADE
Topo

Entretenimento

Com Thalita Rebouças, "The Voice Kids 2" promete nível alto de candidatos

23.nov.2016 - Carlinhos Brown , Ivete Sangalo, André Marques, Thalita Rebouças, Victor e Léo formam a equipe do "The Voice Kids" - Globo/Mauricio Fidalgo /Globo
23.nov.2016 - Carlinhos Brown , Ivete Sangalo, André Marques, Thalita Rebouças, Victor e Léo formam a equipe do "The Voice Kids" Imagem: Globo/Mauricio Fidalgo /Globo

Mariana Costa

Colaboração para o UOL, no Rio

24/11/2016 01h27

Sucesso em sua estreia na programação dominical da TV Globo, o "The Voice Brasil Kids" entra em sua segunda edição apostando na fórmula que mistura candidatos com alto nível artístico e o apelo emocional que as crianças exercem sobre os telespectadores. Alguns detalhes sobre o programa foram divulgados nesta quarta-feira (23), no Projac, durante conversa com jornalistas e um pocket show com o time de técnicos.

"Definitivamente, a média geral [dos candidatos] é muito mais alta do que na edição anterior", antecipa o diretor Creso Eduardo Macedo, para quem o sucesso da primeira edição motivou as crianças a se prepararem melhor. O programa tem estreia prevista para 8 de janeiro e as gravações estão na fase de audições às cegas. 

"As crianças estão com nível cada vez mais alto. Elas expressam que têm estudado e isso é fundamental para se ter uma noção do que acontece instrumentalmente, no nível vocal, as nuances e técnicas para que a prática se torne intuitiva e todos possam ouvir melhor e se expressar melhor artisticamente", avaliou Victor, da dupla Victor e Léo, que integra o time de técnicos ao lado de Ivete Sangalo e Carlinhos Brown, os mesmos da primeira edição.

23.nov.2016 - A dupla Victor & Léo integra o time de técnicos do "The Voice Kids" - Mauricio Fidalgo /Globo - Mauricio Fidalgo /Globo
23.nov.2016 - A dupla Victor & Léo integra o time de técnicos do "The Voice Kids"
Imagem: Mauricio Fidalgo /Globo

"Elas estão muito mais voltadas para aprender a música, em buscar um professor de canto em vez de apenas ouvir o ídolo", opinou Brown, que também está na 5ª edição do The Voice, ainda em exibição às quintas-feiras.

A novidade ficará por conta de André Marques, que assume o comando do programa substituindo Tiago Leifert, que acompanhou a entrevista sentado na plateia e com quem trocou afagos. "É uma mudança de direção para mim. Foi realmente um presente, sou apaixonado por criança e por música", comemorou Marques, um dos apresentadores do programa "É de Casa".

Outra novidade é a presença da escritora Thalita Rebouças, que vai fazer entrevistas e circular nos bastidores, e já planeja aproveitar a experiência em seu próximo livro. "Já está tudo aqui na minha cabeça", antecipou Thalita.

Poucas mudanças

O programa mantém o mesmo formato anterior, com candidatos de 9 a 15 anos. Serão 16 episódios divididos em três fases: audições às cegas, batalhas e shows ao vivo. O vencedor ganha R$ 250 mil e um álbum gravado pela Universal Music. Assim como na primeira edição, o repertório apresentado pelos artistas será predominantemente nacional, com a maioria das músicas cantadas em português.

A expectativa é que a segunda edição do "The Voice Kids" tenha o mesmo desempenho da primeira, que conseguiu elevar significativamente a audiência da TV Globo nas tardes de domingo. A versão infantil do programa adota um tom cauteloso frente às críticas sobre a capacidade dos realities musicais em revelar novos talentos e a expectativa dos candidatos em ver a carreira deslanchar após o programa.

23.nov.2016 - André Marques substitui Tiago Leifert no comando do "The Voice Kids" - Mauricio Fidalgo /Globo - Mauricio Fidalgo /Globo
23.nov.2016 - André Marques substitui Tiago Leifert no comando do "The Voice Kids"
Imagem: Mauricio Fidalgo /Globo

"A meta não é projetar o artista para o sucesso, o objetivo é fortalecer a cultura musical. Eles são orientados para não terem essa expectativa, para que não haja frustração", pontuou Léo.

A opinião defendida pelos técnicos e a direção do programa é que a experiência de deixar a competição, do ponto de vista das crianças, é mais didática do que frustrante, quando comparada com a dos adultos.

"Não podemos mentir quando a criança está extremamente nervosa e perde o tom, porque ali está um ensinamento. Inclusive, [a saída] é um dos grandes momentos de aprendizado para nós, para a criança e para quem está assistindo. Não é uma eliminação", avaliou Brown.

"Muitos se divertem por estar ali, outros chegam com grande expectativa. O objetivo é fortalecer essas crianças independentemente do que vai se passar aqui, de seguir adiante no programa ou não", opinou Ivete, que assistiu à primeira edição do programa ao lado do filho Marcelo: "Assistimos juntos em casa e ele fala: 'Poxa, mãe, você não virou?' Na verdade, a minha vontade é virar pra todos".

Entretenimento