Topo

Música


Após parceria com Lucas Lucco, Hungria refuta título de "rap universitário"

Do UOL, em São Paulo

2017-01-02T07:00:00

02/01/2017 07h00

"O rap só tem uma linhagem". Esta é a resposta de Hungria para quem insiste em classificar sua música como "rap universitário". O rapper de Brasília participou de uma live no UOL horas depois lançar o clipe da música "Quebra Cabeça", primeira parceria dele com Lucas Lucco.

O teor das letras de Hungria, que deixam de lado as mazelas sociais para destacar o lado bom da vida, e a união com representantes de outros gêneros (ele também já cantou com o funkeiro carioca Mr. Catra) botaram a alcunha de "playboy" na imagem do artista de 25 anos.

Hungria tenta explicar o motivo da incompreensão que causa em quem ainda não conhece bem o seu trabalho. "Estávamos mais acostumados com o rap protesto. Não que eu ache isso errado, de maneira nenhuma, tenho vários amigos que cantam nessa linhagem de protesto. O rap é uma voz de expressão, a voz da comunidade."

Ele, porém, defende a necessidade de também destacar as coisas positivas dentro do gênero de denúncia. "Esse meu rap tira o lado bom da comunidade de onde eu vim e de várias outras. Também existe um sonho dentro da comunidade, não é só aquilo que a gente costuma ver em televisão e jornal", explica.

Criado em Cidade Ocidental, município de Goiás localizado a 48 km de Brasília e considerado cidade dormitório, o rapper fala sem rodeios sobre a melhora na sua condição de vida.

"A gente não pode se conformar com a realidade, a gente tem que ir atrás", conta ele, que hoje mora na capital federal e tem carrões estacionados na garagem de casa.

"As pessoas acham que Brasília é a Miami do Brasil, mas está lá uma das maiores desigualdades sociais", fala depois de ter tido a experiência de viver em um dos municípios no entorno da cidade planejada.

"Boa parte do preconceito vem de dentro do próprio rap. As pessoas que deviam estar apoiando vem criticar. Quem critica qualquer forma de expressão não merece levar o nome rap", defende Hungria.

Se dentro do próprio gênero Hungria ainda enfrenta certa rejeição, as redes sociais dão outra resposta ao rapper. Em três anos de carreira ele acumula mais de 380 milhões de visualizações em seu canal do YouTube. Seu clipe mais visto, "Dubai", tem sozinho mais de 50 milhões. Lançada há duas semanas, a parceria com Lucas Lucco já passa dos 8 milhões. E quase 2 milhões de fãs seguem o rapper no Facebook.

Assista na íntegra a entrevista do rapper Hungria ao UOL