Música

Como é o trabalho do "único compositor de novelas bíblicas do mundo"

Rodolfo Vicentini

Do UOL, em São Paulo

07/02/2017 04h00

Se você já assistiu "Os Dez Mandamentos" e "Terra Prometida", da Record, certamente reparou na trilha épica das novelas. A percussão pesada, os violinos grandiosos e as flautas dialogando com o tema bíblico são responsabilidade de Daniel Figueiredo, o homem de confiança da direção musical da emissora. "Pelo que eu pesquisei, sou o único compositor de novelas bíblicas do mundo", diz o músico.

O trabalho exaustivo também ganha ares épicos em sua descrição. "É muita viagem. A gente acaba pegando o ritmo quando está no meio do furacão", conta ele ao UOL. "A quantidade de músicas é descomunal. Um artista comum faz um álbum por ano e compõe umas cinco faixas, por exemplo. A gente faz 300, sabe? Eu já fiz, de um dia para o outro, seis temas épicos. Minha mulher já me pegou dormindo na cadeira duas vezes", relembra, aos risos.

Daniel já trabalhou com grandes nomes do mercado, como Beth Carvalho e Aline Barros, concorreu ao Grammy Latino e foi autor e intérprete dos vídeos oficiais da seleção brasileira e das cidades-sede da Copa do Mundo de 2014. Mas foi nas trilhas que ele se encontrou. "Quando a pessoa é artista, ela tem que trabalhar a sua carreira. E eu não estava trabalhando a minha".

A pesquisa musical é uma das armas do compositor. "Quando ouvia alguma coisa de música celta ou iraniana, eu ficava louco e queria gravar. Isso me ajudou a ter intimidade com estilos do mundo inteiro. É uma pesquisa constante que todo produtor tem que ter. O diretor pode pedir algo como: 'Preciso de uma música celta com um pouquinho de estilo africano e um toque de eletrônico'. E você tem que fazer", brinca.

Os irmãos William e Sami Bordokan ajudam Daniel no processo. A dupla é especialista em instrumentos étnicos, principalmente da região do Oriente Médio. "Eu tenho alguns [instrumentos], que eu toco em um momento de calamidade, porque não sou expert. É inacreditável, eles tocam centenas de instrumentos, e todos muito difíceis. Eles trabalham em quase todas as novelas comigo".

Em março estreia na Record a novela "O Rico e Lázaro", que se passa quase um milênio após a cronologia de "Os Dez Mandamentos". "Nesse caso, consigo dar uma modernizada, uso diferentes timbres e introduzo o piano também. Muda muito de novela para novela".

O contato de Daniel na Record é sempre o diretor artístico da novela, que dá palpites e direciona o compositor quando necessário. "A opinião é sempre certeira e os diretores têm conhecimento musical muito interessante. Sou uma ferramenta do diretor, um contratado da empresa. E também peço muito a opinião do público, acompanho as redes sociais. Essa interatividade é muito importante".

Claudio Damatta/Divulgação
Daniel Figueiredo posa ao lado dos instrumentos Imagem: Claudio Damatta/Divulgação

Era um garoto que não amava Beatles, mas Rolling Stones

Daniel conta que começou a se interessar por música por causa dos Rolling Stones. "Porque eu achava os Beatles muito caretas", resgata na memória. "Depois fui para Scorpions, hard rock e parti para o jazz fusion. E aí veio o rock progressivo com Pink Floyd e Yes".

Acompanhando a vida do músico, o rock volta a dar as caras com o projeto "Guitar Heroes", uma reunião com diversos guitarristas interpretando temas compostos por Daniel. "A maioria são trilhas já utilizadas em outras novelas que eu fiz, como 'Os Mutantes' e 'A Lei e o Crime'".

Entre os instrumentistas escolhidos estão Paul Gilbert (Mr. Big), Marcos Kleine (Ultraje a Rigor), Greg Howe e Jennifer Batten (ex-Michael Jackson). "Se eu tiver tempo, o álbum sai no primeiro semestre deste ano".

Arte vs. entretenimento

Em um toque mais filosófico, Daniel aborda a diferença entre a arte e o entretenimento. "Você tem que respeitar primeiro o entretenimento para depois pensar a arte", decreta.

"Raramente as duas vão andar juntas. Toda a produção, a velocidade e o formato devem vir primeiro para depois se encaixar na arte. A arte não tem formato ou limite, então em poucos lugares vai se encaixar".

"A arte você faz na sua casa, para você, mas a partir do momento em que vai para o entretenimento tem que respeitar certas regras", define Daniel.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Blog do Matias
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
UOL Entretenimento
Adriana de Barros
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
UOL Entretenimento
do UOL
AFP
AFP
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
Estadão Conteúdo
Música
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
AFP
Topo