Música

Em clima de histeria e balada, Bieber faz show só para "bater cartão"

Mariana Pekin/UOL
Justin Bieber se apresentou neste sábado no Allianz Parque, em São Paulo. Elese fará uma nova apresentação no domingo Imagem: Mariana Pekin/UOL

Tiago Dias

Do UOL, em São Paulo

01/04/2017 22h55

A expectativa era grande para a terceira visita de Justin Bieber ao país -- a primeira após chegar na casa dos 20 anos --, mas embora ostente novas tatuagens e um público mais amplo, além da conhecida caravana de fãs aguerridas, Bieber provou que ainda não amadureceu. Mesmo com uma produção impecável e de grandes proporções, o astro fez o primeiro de dois shows em São Paulo, neste 1º de abril, em clima de ensaio, completamente alheio à calorosa recepção. Em uma noite apática, o momento mais surpreendente foi a "trollada" maldosa de Bieber para o dia da mentira, ao fingir que abandonava a apresentação pela metade. A pegadinha, no entanto, guardava uma triste verdade: Mesmo estando no palco, Bieber havia deixado o show de lado.

Mariana Pekin/UOL
Show de Bieber teve muito lasers e pouca emoção Imagem: Mariana Pekin/UOL

Muito laser, pouca emoção

Não faltam fogos de artifícios, lasers e estruturas anexas por onde o astro entra e sai a todo instante, mas a emoção no palco é o efeito mais raro. A simpatia de Bieber é coreografada, assim como os passos de dança. Existe a hora certa para mostrar o tanquinho, o momento de tocar bateria e de retribuir as palmas para o público -- o que ele fez sem nunca demonstrar muita empolgação. Chegou a cantar algumas músicas com as mãos no bolso da calça. E ao ouvir o coro de "Justin, eu te amo", apenas estalou os dedos. Com o roteiro previsível, sua aparição com a camiseta do Palmeiras foi o momento mais inesperado da apresentação. E o sorriso só apareceu de fato no bis, com "Sorry", e ao receber crianças brasileiras no palco, em "Children". Quem piscou, perdeu.

Mariana Pekin/UOL
Fãs choram e se emocionam no estádio Allianz Parque, em São Paulo Imagem: Mariana Pekin/UOL

Na pista, gritos e "trollada"

De toda a cartilha de boas maneiras de um belieber para não irritar o astro -- não jogarás nenhum objeto no palco; não gritarás durante o discurso dele no show --, só a primeira foi cumprida. Nas raras vezes em que se direcionou para a plateia, o silêncio era logo quebrado por uma onda de gritos, vinda das arquibancadas e das grades, onde meninas se amontoavam e erguiam pequenas folhas com declarações de amor, bem longe do campo de visão do astro. Devoção que qualquer artista reverenciaria, mas Bieber aproveitou o 1º. de abril para “trollar”. Na metade do show, Bieber saiu do palco e as luzes se apagaram. Rudy Mancuso, amigo do cantor que havia feito a abertura, entrou no palco e avisou em português: “Infelizmente, Justin não vai poder continuar”. Foram poucos segundos, mas o pânico foi generalizado.

No VIP, clima de balada

O clima era outro na Pista Premium. Lugar dos sonhos para qualquer belieber, o espaço serviu a poucos fãs mais abastados, youtubers e ouvintes entre os 20 e 30 anos, que aproveitaram o espaço de sobra para dançar e tomar a distância certa do braço pra encaixar Bieber na selfie. Bem longe da reação extrema das fãs, o público mais afeito às pistas, onde o cantor passou a tocar com o último disco "Purpose", transformou o espaço em uma balada VIP com direito a taças de plástico.

Mariana Pekin/UOL
Justin Bieber mostrou a barriga tanquinho e não fugiu do roteiro Imagem: Mariana Pekin/UOL

Os propósitos de Bieber

Para provar que é um novo Bieber, após uma sequência de polêmicas e a pecha de garoto mimado, o cantor deu atenção total ao último disco, "Purpose" [propósito, em português] em que canta com nuances e experimenta um som mais contemporâneo e adulto. Mas pouco se ouviu no estádio, e a culpa não é apenas dos gritos que ganhavam eco do estádio. Embora guarde bons momentos, como quando ele toca sozinho ao violão a balada dos anos 1980 "Fast Car", de Tracy Chapman,

Bieber canta em alguns momentos com auxílio de playback e não se esforça na emissão. A julgar pela apresentação, o “propósito” do cantor nessa fase mais madura é apenas “bater cartão”. Na próxima vinda, não precisa de muita coisa. Curtir mais o próprio trabalho já será um grande avanço.
 

Setlist

  1. Mark My Words
  2. Where Are Ü Now
  3. Get Used to It
  4. I'll Show You
  5. The Feeling
  6. Boyfriend
  7. Cold Water
  8. Love Yourself
  9. Fast Car
  10. Company
  11. No Sense
  12. Hold Tight
  13. No Pressure
  14. As Long As You Love Me
  15. Children
  16. Let Me Love You
  17. Life Is Worth Living
  18. What Do You Mean?
  19. Baby
  20. Purpose
    BIS
  21. Sorry

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Matias
Reuters
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
Reuters
do UOL
do UOL
Blog do Matias
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
Adriana de Barros
UOL Entretenimento
UOL Música - Imagens
do UOL
Adriana de Barros
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
BBC Brasil - Cultura
do UOL
ANSA
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
Topo