Música

Música brasileira está cada vez mais pobre e banal; de quem é a culpa?

Brazil News/UOL/Reprodução
Luan Santana, Gusttavo Lima e as irmãs Simone e Simaria Imagem: Brazil News/UOL/Reprodução

Leonardo Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

29/06/2017 04h00

A música brasileira nunca esteve tão simplória, confinada em letras que abusam de palavras repetidas e de poucos e recorrentes acordes nas composições. Os responsáveis por esse movimento não são exatamente os atuais sertanejos, mas o rock nos 1960, o rap nos 1980 e, principalmente, a massificação cultural do país desde o auge de Faustão e Gugu Liberato em seus programas de auditório.

A conclusão acima está em um estudo do pernambucano Leonardo Sales, um dos mais completos já publicados sobre o tema no Brasil e o primeiro a ir a fundo em questões harmônicas. Para chegar a um veredito o que para muitos é mais que óbvio, ele selecionou 532 artistas nacionais, analisando o espectro de letras e acordes. O resumo da pesquisa pode ser acessado aqui.

A radiografia musical é baseada nos acervos dos sites Letras.com.br (102 mil letras) e Cifras.com.br (44 mil cifras). Privilegiou artistas com mais de dez cifras e gêneros com mais de 20 artistas. Apenas faixas com pelo menos 50% do vocabulário em português e palavras constantes no nosso dicionário entraram na análise de dados.

“Procurei deixar transparente: quando falo de complexidade da música brasileira, estou limitando esse conceito à análise dos indicadores que considero”, diz Sales, que é auditor no ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União.

Essa metodologia, como qualquer outra, têm lá suas limitações. As cifras extraídas, por exemplo, não são necessariamente as oficiais do artista. Muitos jamais chegaram a registrar a notação. “Claro que música é muito mais complexo que isso. Eu quis apenas pontuar certos aspectos das músicas e analisá-los, no limite do que é quantificável pela análise de dados no computador.”

Reprodução
Gráfico mostra queda na quantidade de acordes utilizados na música brasileira Imagem: Reprodução

Música difícil é coisa do passado...

Segundo a pesquisa (note o gráfico acima), a música brasileira foi brutalmente "simplificada" com o advento do rock e da Jovem Guarda nos anos 1960. Passada a moda de Roberto, Erasmo e Wanderléa, os sons voltaram se intrincar, mas é nítido que ao longo das últimas décadas eles vêm ficando mais fáceis. Segundo Sales, isso tem a ver com a popularização do rap a partir da década de 1980, que maximizou o número de palavras e diminuiu o de acordes, e com o intenso processo de massificação que hoje tem reflexo no quase monopólio do sertanejo nas paradas. “Houve uma mudança do perfil do artista. Antes, ele era mais elitizado. Tinha que saber compor e tocar. Com a mercantilização da música, hoje ele pode se lançar sem saber muito de música, sabendo só cantar e se apresentar. ”

Roberto Filho/Brazil News
Imagem: Roberto Filho/Brazil News

Chico Buarque é o grande gênio da música brasileira

Em termos de riqueza artística, não tem para ninguém. Chico Buarque lidera com folga o coeficiente brasileiro de complexidade musical. Não por acaso, o cantor e compositor carioca é o artista nacional que mais gravou acordes distintos na carreira. Na sequência dos complexos, aparecem, na ordem, Djavan, Ivan Lins, João Bosco, Ed Motta, Caetano Veloso, Lenine, Vinicius de Morais e Simone. Veja a lista completa aqui. O técnico Ed Motta encabeça no ranking de tamanho de acorde (aqueles enriquecidos com mais notas), enquanto Lenine é o primeiro em matéria de raridade deles, o que torna o pernambucano, ao menos cientificamente, um dos artistas mais originais do país. Na outra ponta da lista, a dos músicos menos complexos, estão nomes como Michele Mello, a banda Malla 100 Alça e o --lembra dele?-- grupo Rouge.

Reinaldo Canato/UOL
Imagem: Reinaldo Canato/UOL

Funk e os “primos pobres”

Você sempre odiou os funkeiros, argumentando que o gênero é o mais pobre e simplista da música? Bem, ao menos sob a ótica da quantidade de acordes, há aí um bom argumento. O estilo nascido nos morros do Rio é o que menos faz uso de notações distintas. A repetição também é a tônica do rap, do brega, da música regional e do reggae, que aparecem na sequência --sim, o reggae é mais simples, que ritmos como o forró, o axé e o sertanejo, que já são relativamente descomplicados. Outra: o samba/pagode é bem mais complexo harmonicamente que o rock. Já no número de palavras e na raridade delas, o rei é o rap: só ele consegue bater a MPB, o estilo mais rico da nossa música, seguido da bossa nova. Entre os artistas, o grupo paulistano Facção Central é o primeiro lugar isolado em quantidade de palavras diferentes usadas.

Divulgação/Montagem
Imagem: Divulgação/Montagem

Legião Urbana e Asa de Águia têm algo em comum?

Sim: a similaridade dos “acordários”. Polêmico? Nem tanto. De acordo com o estudo, esses dois populares grupos, conhecidas por suas sonoridades enxutas, utilizam uma dinâmica similar no uso de acordes. É aí que o rock básico influenciado pelo pós-punk e as micaretas do axé se encontram. Já em matéria de temática de letras, o resultado é bem diferente. A banda de Renato Russo está agrupada entre os artistas capazes de escrever sobre questões sociais e não só relacionamentos, enquanto os asseclas de Durval Lélys habitam o variado mundo das paixões bem-sucedidas, que agrega principalmente o axé, mas também o samba, o pop rock e... Tom Jobim. Em tempo: 64% dos artistas brasileiros tem uma forte preponderância em versar sobre temas ligados ao relacionamento.

Divulgação/Montagem
Imagem: Divulgação/Montagem

O pesquisador surtou?

Anitta é mais complexa que os Mutantes, Nando Reis e Legião Urbana. Os pagodeiros do Exaltasamba também estão acima de Tim Maia, Rita Lee e até do virtuoso Baden Powell. Luan Santana bate colegas das antigas como Leandro e Leonardo e as bandas Ira, RPM e Mamonas Assassinas. O cantor Belo vem logo à frente de Paulinho da Viola, João Nogueira e Noel Rosa. Ironia ou erro grosseiro de cálculo? O pesquisador explica: “O coeficiente leva em consideração a quantidade de músicas no site. Então, o Exaltasamba, por exemplo, pode ter muito mais músicas que o Baden Powell, e isso o ajuda a ficar na frente. Também estamos limitados pelo acervo dos sites. O cara que gosta dos Mutantes às vezes não está colocando todas as músicas deles lá como está o fã da Anitta.”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
TV e Famosos
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
Erratas
do UOL
Blog do Matias
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
AFP
do UOL
Topo