Música

De Cazuza a Roberto Carlos: 7 músicas que ficaram melhores com Raça Negra

Léo Lima
Luiz Carlos, vocalista do Raça Negra Imagem: Léo Lima

Paulo Pacheco

Do UOL, em São Paulo

30/06/2017 04h00

Com mais de 30 anos de carreira, Raça Negra conseguiu o que poucos grupos musicais conseguiram: tornaram-se unanimidade. A banda é uma das únicas que faz roqueiros, sertanejos e amantes de música clássica se unirem para cantar "didididididiê", refrão de "Cheia de Manias" que deverá ser gravada em inglês e espanhol.

O poder de "unir todas as tribos", como diria Dinho Ouro Preto, também permitiu ao grupo liderado por Luiz Carlos e sua inconfundível língua presa gravar versões pagodeiras de sucessos de outros ritmos, do rock ao sertanejo. E perceba: qualquer música fica melhor quando é tocada pelo Raça Negra.

Já pensou Legião Urbana, Barão Vermelho, Zezé Di Camargo & Luciano e Roberto Carlos em versão pagode? O Raça Negra fez e superou as músicas originais. Quer uma prova? "Deus me Livre", canção favorita do famoso menino fã de Raça Negra que chorou com Silvio Santos, é uma regravação. Mas quem se lembra da outra?

"Deus me Livre" (Althair & Alexandre)

A história de um homem que sofre por amar demais foi cantada em 1998 pela dupla sertaneja que na época se chamava Ataíde & Alexandre. Mas o sucesso veio no ano seguinte, quando Raça Negra incluiu a canção em seu álbum ao vivo. A letra sofrida virou um pagode dançante e foi muito executada nas rádios. A música também levou à fama o fã mirim Luiz Salles, que em 2000 foi ao SBT e chorou com as piadas de Silvio Santos, mas conheceu Luiz Carlos (chamado por ele de "Raça Negra") e cantou com os ídolos.

"Desculpe, mas Eu Vou Chorar" (Leandro & Leonardo)

Antes de "Deus Me Livre", o Raça Negra já tinha experiência em transformar sofrências sertanejas em pagodes animados. Foi o que eles fizeram no segundo álbum, lançado em 1992, que explodiu com o hit "Cigana". O grupo regravou "Desculpe, mas Eu Vou Chorar", sucesso de 1990 de Leandro & Leonardo, e surpreendeu ao fazer o público sambar com a história de um homem que chora com a solidão e encontra o amor em um "gole de cerveja". Não dá para sofrer com a batida dançante do grupo de Luiz Carlos.

"É o Amor" (Zezé Di Camargo & Luciano)

O álbum que tem "Cigana" e "Desculpe, mas Eu Vou Chorar" guarda outra pérola. "É o Amor", maior sucesso de Zezé Di Camargo & Luciano, foi lançado pelo Raça Negra um ano após ter estourado nas rádios. Sem os gritos agudos de Zezé, Luiz Carlos conseguiu tornar a canção ainda mais romântica. O grupo também regravou outros sucessos sertanejos, como "Gostoso Sentimento", de Leandro & Leonardo, e "Dou a Vida por um Beijo", outra de Zezé & Luciano.

"Será" (Legião Urbana)

Quando Renato Russo compôs "Tire suas mãos de mim, eu não pertenço a você", certamente não pensou que sua música poderia ser um ótimo pagode. Mas o Raça Negra conseguiu melhorar o primeiro hit da Legião Urbana, de 1985. A interpretação de Luiz Carlos e os pandeiros no lugar das guitarras fazem o público sambar em vez de apenas bater cabeça. "Será" foi lançada no terceiro álbum do grupo, em 1992, trabalho que reuniu canções do disco anterior, como "Cigana", e clássicos como "Cheia de Manias" (do refrão "Didididididiê").

"Pro Dia Nascer Feliz" (Barão Vermelho)

O sucesso do quarto álbum do Raça Negra é uma regravação improvável: "Pro Dia Nascer Feliz". A música de Cazuza e Roberto Frejat foi lançada em 1983 e regravada por Ney Matogrosso, mas nenhuma das versões tem a ginga do Raça Negra. O pagode foi uma das canções mais executadas nas rádios em 1994 e rendeu ao grupo um convite para participar de uma campanha nacional contra a Aids, doença que matou Cazuza em 1990.

"Adivinha o Quê?" (Lulu Santos)

Em outra encarnação, "Adivinha o Quê" foi um pagode e a versão do Raça Negra não deixa dúvida sobre isso. Afinal, os pagodeiros são especialistas em "dizer sem dizer", brincar com o duplo sentido e o apelo sexual. A música sensual lançada por Lulu Santos em 1983 ficou ainda provocativa doze anos depois, quando virou pagode. Ouvir "só faço com você" com a língua presa de Luiz Carlos é uma experiência fascinante!

"E Não Vou Mais Deixar Você Tão Só" (Roberto Carlos)

A versatilidade do Raça Negra foi colocada à prova em 2002, quando o grupo lançou um álbum somente com regravações da Jovem Guarda. E deu muito certo. A maior prova está na versão de "E Não Vou Mais Deixar Você Tão Só", uma das maiores "fossas" cantadas por Roberto Carlos. A música ganhou sorriso na voz de Luiz Carlos até em versos depressivos como "meus olhos vermelhos cansados de chorar querem sorrir". O álbum tem pérolas como "O Bom", em parceria com Erasmo Carlos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

EFE
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
Erratas
do UOL
Blog do Matias
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
Adriana de Barros
TV e Famosos
Topo