Festivais

Em festival dinamarquês, grupo palestino salta barreira cultural e pede paz

Felipe Branco Cruz

Do UOL, em Roskilde (Dinamarca)*

30/06/2017 13h29

Com letras em árabe e inglês, o grupo 47Soul, da Palestina, está quebrando barreiras culturais na Europa e derrubando preconceitos ao cantar letras pacifistas sobre as guerras no Oriente Médio, tudo ao ritmo do dabke, da música eletrônica e do dubstep.

Nesta sexta-feira (30), o grupo foi uma das atrações do Festival de Roskilde, na Dinamarca, e mostrou a nova música produzida pela juventude da Palestina. O ritmo mistura elementos eletrônicos, como sintetizadores, com guitarras e instrumentos de percussão árabes, como o daff e a darbuka.

Os principais shows do Festival de Roskilde estão sendo transmitidos pelo UOL, em parceria com a Red Bull TV, que está gerando as imagens.

O resultado da música do 47 Soul é o que eles chamam de shamstep, ou seja, o dubstep da Palestina. O público dinamarquês pareceu aprovar, mesmo sob forte chuva e frio e com uma inclemente e espessa camada de lama sob os pés.

Uma apresentação como essa é especialmente importante na Europa atual, dado as preocupações com o terrorismo. A Dinamarca, por exemplo, não ficou incólume a esses ataques, quando em 2015 a capital Copenhague sofreu dois atentados dias depois do Estado Islâmico atacar Paris.

O 47Soul, no entanto, canta letras que pedem pela paz e pela integração entre os povos. Logo na primeira música apresentada, eles repetiram incessantemente o refrão “Eu Não Ligo De Onde Você é”. 

Em outras faixas, eles pediam pelo fim do apartheid no Oriente Médio, gritaram por paz e também liberdade. “Todos temos que ficar em paz. Nem todo homem é o prometido. Nem toda a terra é sagrada”, cantaram.

Mas, ao contrário do que possa parecer, o show não chegou a ter conotação política ou soar como palanque pela causa palestina. Seus integrantes pareciam querer apenas divertir o público ao mesmo tempo em que apresentavam em suas letras os temas que lhe são caros.

Atualmente, o 47Soul não vive na Palestina, e sim em Londres. Seus quatro integrantes possuem diferentes passaportes, mas todos com raízes na Cisjordânia. El Far3i e El Jehaz são da Jordânia, Z The People nasceu em uma família palestina em Washington, nos Estados Unidos, e Sbait é de Israel.

Ao final, a impressão que ficou foi a de que a música realmente tem o poder de unir diferentes povos e culturas, assim como em um de seus hinos, entoados durante a apresentação: “Paz para os Sufis, Paz para os Budistas. Paz para que está próximo de mim”.

*O repórter viajou a convite da Red Bull Brasil

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
Música
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
UOL Música - Imagens
UOL Música - Imagens
UOL Música - Imagens
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
UOL Música - Imagens
do UOL
UOL Música - Imagens
UOL Música - Imagens
do UOL
Topo