Festivais

Em festival dinamarquês, grupo palestino salta barreira cultural e pede paz

Felipe Branco Cruz

Do UOL, em Roskilde (Dinamarca)*

30/06/2017 13h29

Com letras em árabe e inglês, o grupo 47Soul, da Palestina, está quebrando barreiras culturais na Europa e derrubando preconceitos ao cantar letras pacifistas sobre as guerras no Oriente Médio, tudo ao ritmo do dabke, da música eletrônica e do dubstep.

Nesta sexta-feira (30), o grupo foi uma das atrações do Festival de Roskilde, na Dinamarca, e mostrou a nova música produzida pela juventude da Palestina. O ritmo mistura elementos eletrônicos, como sintetizadores, com guitarras e instrumentos de percussão árabes, como o daff e a darbuka.

Os principais shows do Festival de Roskilde estão sendo transmitidos pelo UOL, em parceria com a Red Bull TV, que está gerando as imagens.

O resultado da música do 47 Soul é o que eles chamam de shamstep, ou seja, o dubstep da Palestina. O público dinamarquês pareceu aprovar, mesmo sob forte chuva e frio e com uma inclemente e espessa camada de lama sob os pés.

Uma apresentação como essa é especialmente importante na Europa atual, dado as preocupações com o terrorismo. A Dinamarca, por exemplo, não ficou incólume a esses ataques, quando em 2015 a capital Copenhague sofreu dois atentados dias depois do Estado Islâmico atacar Paris.

O 47Soul, no entanto, canta letras que pedem pela paz e pela integração entre os povos. Logo na primeira música apresentada, eles repetiram incessantemente o refrão “Eu Não Ligo De Onde Você é”. 

Em outras faixas, eles pediam pelo fim do apartheid no Oriente Médio, gritaram por paz e também liberdade. “Todos temos que ficar em paz. Nem todo homem é o prometido. Nem toda a terra é sagrada”, cantaram.

Mas, ao contrário do que possa parecer, o show não chegou a ter conotação política ou soar como palanque pela causa palestina. Seus integrantes pareciam querer apenas divertir o público ao mesmo tempo em que apresentavam em suas letras os temas que lhe são caros.

Atualmente, o 47Soul não vive na Palestina, e sim em Londres. Seus quatro integrantes possuem diferentes passaportes, mas todos com raízes na Cisjordânia. El Far3i e El Jehaz são da Jordânia, Z The People nasceu em uma família palestina em Washington, nos Estados Unidos, e Sbait é de Israel.

Ao final, a impressão que ficou foi a de que a música realmente tem o poder de unir diferentes povos e culturas, assim como em um de seus hinos, entoados durante a apresentação: “Paz para os Sufis, Paz para os Budistas. Paz para que está próximo de mim”.

*O repórter viajou a convite da Red Bull Brasil

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Música
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
UOL Música - Imagens
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo