Música

WuTremClan: O coletivo de rappers que leva rimas aos metrôs de SP

Leonardo Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

18/07/2017 04h00

O corre do metrô é interrompido diariamente em São Paulo. De repente, munido de uma caixinha de som --ou de um parça mandando um beatbox--, um MC improvisa rimas dentro do vagão, brincando com os passageiros e com a pindaíba do país. Os olhos desconfiados dão lugar a sorrisos largos e aplausos --e a notas de dinheiro, muitas delas. Em 3 horas de trabalho, ele chega a receber mais de R$ 150.

A ação é coletiva, promovida por um grupo de 13 jovens na casa de 20 e poucos anos: o WuTremClan (referência aos americanos do Wu-Tang Clan). É fácil trombar com eles em composições das linhas 1-azul, 2-verde e 3-vermelha do metrô de São Paulo e nas linhas da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). Ali todos são periféricos, sem emprego formal nem espaço para se apresentar no circuito alternativo do rap. Para além das rinhas, o metrô é fonte de sustento e de sobrevivência da cultura freestyle.

"A gente paga nossas contas com o metrô. Aqui tem gente com filho com deficiência, gente que teve a oportunidade de pagar uma faculdade com esse dinheiro, ex-presidiário. Cada um tem uma caminhada artística, alguns têm disco. Levamos entretenimento. O trem é nossa oportunidade de não ter patrão e receber mais que um salário mínimo. É parte do nosso sonho de viver do rap", conta Flor, produtora e única mulher do grupo.

Marcelo Justo/UOL
Imagem: Marcelo Justo/UOL

A resposta a essa arte instantânea costuma ser positiva, e melhor que a recebida por outros artistas de trem, especialmente numerosos em tempos de recessão. Já teve quem ouviu histórias, quem ganhou presente, quem viu passageiro levantar e mandar rima junto. É como se a arte do metrô tivesse chegado a outro patamar de interação. E é nos fins de semana e inícios de mês que geralmente o cachê é mais generoso.

"Sempre tem gente que desconfia, olha torto, reclama, mas a receptividade é boa no geral", conta o rapper Pauê. "É muito orgânico. Se o cara te vê entrando com um violão, ele já saca o que vai acontecer e fica retraído. Isso não acontece com a gente. De 20 vagões que a gente faz por dia, em 19 recebemos aplausos", diz o colega Kagibre.

Com pegada política, mas "sem ser de esquerda nem de direita", o freestyle do WuTremClan só é interrompido quando as portas do vagão se abrem na plataforma. Eles param de rimar para não chamar a atenção dos seguranças do sistema. A atividade é ilegal. Quase todos os dias, eles são expulsos das estações.

"Se te pegam, não tem jeito: eles são obrigados a te tirar. A gente se despede, finaliza, o número e sai. Alguns seguranças já chamaram a gente de vagabundo, mas é uma margem pequena. A gente mantém uma relação de respeito. Este ano a gente tem a meta de gravar com a banda dos guardas do metrô", afirma Kagibre.

Marcelo Justo/UOL
Rappers do WuTremClan fazem performance na linha 9-Esmeralda Imagem: Marcelo Justo/UOL

Início nos trens 

O projeto do WuTremClan nasceu em 2014 com o MC carioca DuTrem, ex-ambulante no metrô que teve a ideia de usar o rap para vender mais doces no Rio. Após se mudar para São Paulo, ele mostrou o que fazia aos amigos Ciero e Conspira. Na primeira viagem, na linha 9-esmeralda da CPTM, Conspira já havia faturado R$ 70.

"Depois disso, já ganhei rosa, já ganhei buquê de flor. Uma vez ganhei um panetone e um ingresso de cinema. Os meninos já ganharam tênis", revela ele. "A melhor coisa que eu já ganhei foi um cara que levantou cheio de lágrimas e me pediu um abraço bem apertado", diz DuTrem.

O trabalho no metrô paulistano começou no fim do ano passado e foi crescendo aos poucos. Hoje, o coletivo prima pela organização: tem sua caixinha mensal de arrecadação, horários de trabalho e um conjunto de mandamentos, as regras seguidas para a melhor convivência eles, usuários e agentes do transporte.

A ideia é, em breve, lançar um canal de freestyle no YouTube e gravar juntos, quem sabe para um disco. Apesar de o projeto já estar fazendo sucesso, nem sempre o trampo rola tão fácil. Segundo DuTrem, há certo constrangimento ao encontrar pedintes nos vagões. "Eu fico naquela: 'Tô aqui rimando, mas essas pessoas precisam muito mais do que eu', tá ligado? Não que isso fira minha consciência, mas é uma situação."

"Mas eu nunca consideraria errado cantar e passar o chapéu. Não estou roubando. Tem pessoas milionárias fazendo arte. Que princípio de ideologia é essa que diz que você, que é pobre, não pode ganhar uma moeda, enquanto outro cara pode chegar lá e vender um show por uma fortuna, que está tudo bem?".

Marcelo Justo/UOL
WuTremClan, das rinhas de rap para os vagões do metrô de São Paulo Imagem: Marcelo Justo/UOL

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Blog do Matias
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Matias
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
UOL Entretenimento
Adriana de Barros
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
UOL Entretenimento
do UOL
AFP
AFP
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
Estadão Conteúdo
Música
do UOL
do UOL
do UOL
Topo