Topo

Música

Aerosmith faz show de "despedida" de São Paulo, mas fãs não engolem

Mariana Pekin/UOL
Aerosmith faz o show principal da terceira noite de São Paulo Trip, no Allianz Parque Imagem: Mariana Pekin/UOL

Leonardo Rodrigues e Renata Nogueira

Em São Paulo

24/09/2017 23h51

Quando anunciou sua turnê de despedida no ano passado, a Aero-Vederci Baby!, o Aerosmith despertou um duplo sentimento nos fãs: desespero e desconfiança. Afinal, seria golpe de marketing ou o real fim da banda? A dúvida pairou na noite deste domingo (24), no festival São Paulo Trip, mas, pelo que se viu, é provável que não aconteça, ao menos não de forma tão definitiva.

Como de costume, o Aerosmith fez um show de entrega: suor, lágrimas e hits, uma porção deles. O repertório foi menor e com mais sucessos do que em turnês anteriores no país. Mais da metade das músicas vieram da fase mais comercial do grupo, entre as décadas de 1980 e 1990, sem muito espaço para surpresas e pérolas do passado.

Além de hits com "Cryin", "Crazy" e "Love in an Elevator" e as obrigatórias "Sweet Emotion", "Walk this Way" e "Dream On", destaque para as duas cover do Fleetwood Mac, "Stop Messin' Around" e "Oh Well", ambas cantadas pelo guitarrista Joe Perry, que se uniram a "Come Together" e "Mother Popcorn", que integram o repertório da banda desde os anos 1970.

Show de vitalidade e nada de papo de despedida. "E aí, meu", saudou Steven Tyler em bom paulistês, provocando furor. Aos 69 anos, o vocalista tem o diabo no corpo. Não para por instante. Tem vitalidade para pelo menos mais dez anos de rock --ou mais--, assim como o colega guitarrista Joe Perry. O que pesa então contra a continuidade do Aerosmith?

Além da idade, Steven e Perry têm hoje outros projetos e prioridades. Também não são o que se pode chamar de melhores amigos da vida. Em "Livin' on the Edge", pego de surpresa no meio da música, ele se recusou a dividir o microfone com Tyler em parte da letra. Parece mais impaciente do que de de costume. Pode ter sido o dia.

Salvo algumas escorregadas, normais para quem apresenta uma performance tão intensa, o show foi um arraso, e a conversa de despedida parece não ter colado nem mesmo para Steven Tyler, que já indicou em entrevistas este ano que o Aerosmith é "inacabável".

E o que dizer dos fãs? "Não acreditamos nessa coisa de despedida. O próprio Steven Tyler já anunciou a preparação de um novo álbum há pouco tempo, e eles ainda vão lançar novos itens de colecionador em breve. Esse fim não existe", disse a fã Juliana Silva.

A grande maioria está com ela. "Esse suposto fim é uma coisa que a gente, fã, conversa muito. Os caras anunciaram a despedida, têm projetos paralelos, mas não acreditamos que irá acontecer. Os Rolling Stones estão em turnê de despedida desde 1975 e estão aí até hoje", sentenciou Rafael Rosito, que veio de Porto Alegre e já viu 20 shows do Aerosmith.

Palavra final para quem mais entende da banda, o fã-clube Aerosmith Brasil. "Não preparamos nada de especial como adeus. Não estamos contando que será o último show no Brasil. Eles são muito ativos e as turnês são a principal fonte de renda deles. A idade pesa, mas eles curtem tanto estar em cima do palco que vai ser difícil parar", escreveu um dos administradores da página do Aerosmith Brasil.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!