PUBLICIDADE
Topo

Antes do Guns, Alice Cooper monta 1º circo de horror do São Paulo Trip

Alice Cooper relembra clássicos dos quase 50 anos de carreira no São Paulo Trip - Mariana Pekin/UOL
Alice Cooper relembra clássicos dos quase 50 anos de carreira no São Paulo Trip Imagem: Mariana Pekin/UOL

Leonardo Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

26/09/2017 19h45

Alice Cooper tinha um sonho: levar aos palcos do rock o show de horror que o mundo aprendeu a amar nos 1960, com o sucesso de longas como "A Noite dos Mortos-Vivos" e séries como "Família Adams" e "Os Monstros".

A estética teatral de filme B, que o público do São Paulo Trip pôde testemunhar na noite desta terça (26) inclui sangue, fumaça, decapitação, bonecos cênicos e clássicos, que foram resumidos em pouco mais de uma hora para um Allianz Parque parcialmente vazio, na abertura do show do Guns N' Roses. 

O perfil do fã de Alice Cooper, que influenciou e muito a formação da banda de Axl Rose, é diferente. Muitos não se arriscaram a sair cedo de casa no dia de semana para conferir o cantor americano, espécie de pregador do mau agouro do rock. Perderam. Foi um dos melhores shows do festival.

Andreas Kisser, do Sepultura, faz participação especial no show do Alice Cooper no São Paulo Trip - Mariana Tramontina/UOL - Mariana Tramontina/UOL
Andreas Kisser, do Sepultura, faz participação especial no show do Alice Cooper no São Paulo Trip
Imagem: Mariana Tramontina/UOL

Atire a primeira pedra quem consegue mandar, na sequência, a trinca "No More Mr. Nice Guy", "Under My Wheels" e "Billion Dollar Babies" logo de saída, deixando tantos outros sucessos de fora do repertório, e ainda assim manter a energia no alto até o fim.

Parte do fogo de Alice, que no Rock in Rio se apresentou com Arthur Brown, vem da guitarrista Nita Strauss, virtuosa, agitadora e de estilo comparável ao de grandes guitar heros dos anos 1980. Seu número solo antes de "Poison" roubou a cena.

Outro belo momento, a balada feminista "Only Women Bleed", que Axl Rose já cantou com o Guns ao vivo nos anos 1990. Poucos sabiam a letra. A coisa funcionou melhor perto do fim do show, principalmente com "School's Out", emendada a trecho de "Another Brick in The Wall", do Pink Floyd, quando o estádio já havia começado a encher. Para o delírio do público, o guitarrista Andreas Kisser subiu ao palco para dar sua palhinha costumeira.