Topo

Música

Dupla sertaneja feminina faz música politizada e é comparada a Legião

Reprodução
A dupla sertaneja Lorena & Rafaela Imagem: Reprodução

Rodolfo Vicentini

Do UOL, em São Paulo

20/10/2017 04h00

Quem disse que sertanejo não combina com crítica social? As irmãs Lorena e Rafaela estão aí como caso recente para provar que o gênero mais popular do Brasil -- muitas vezes taxado de "alienado" -- pode analisar o cenário atual do país.

A música "Políticos de Terceiro Mundo", que viralizou na internet, apresenta uma composição madura sobre a classe política brasileira e a "vida do justo que não vale nada". O sucesso já é tanto que a canção foi comparada nas redes sociais a clássicos da Legião Urbana e acabou abraçada até por roqueiros.

"A ideia para escrever esta canção partiu deste momento que dura há tempos no cenário político atual e nos atinge como cidadãos. Digo da dificuldade que sofrem na pele as famílias a terem acesso a uma boa educação e uma saúde de qualidade, que são direitos básicos da população honesta que trabalha e que, mesmo com as dificuldades, pagam suas contas em dia", diz Lorena, de 16 anos, em entrevista ao UOL.

E não pense que o sertanejo politizado é coisa recente. As meninas reiteram que outras faixas também dialogam sobre a dificuldade das famílias e o que anda errado no Brasil, como "Meu País", de Zezé Di Camargo e Luciano, e "Mensagem de Amor", de Milionário e José Rico. "Então no sertanejo também se encontram letras politizadas e, claro, tem espaço para todos os temas", acrescenta a garota.

"Políticos de Terceiro Mundo" ganhou repercussão nas redes sociais e algumas comparações são inevitáveis. Um ano mais velha que a irmã, Lorena fala sobre o apoio de diferentes estilos musicais e tentativas pedidos para regravar a música -- a dupla não liberou devido as imposições de condições de exclusividade.

"Nos sentimos muito honradas por essa aceitação que estamos tendo de outras vertentes. E o rock sempre esteve à frente dessas músicas de protesto. Talvez seja essa a fonte da comparação. Mas quero dizer que em todo nosso trabalho sempre tratamos diversos temas, dentre eles a crítica social. ".

Um olho na escola e outro na música

Apesar de ainda não terem nem chegado à maioridade, as irmãs já têm 12 anos de carreira e atualmente moram em Uberlândia (MG). A dupla passou por alguns programas da grade televisiva brasileira como Raul Gil, Silvio Santos, The Voice Kids, Viola Minha Viola e Ratinho. Gostando de diferentes estilos, as meninas se definem com um trabalho "eclético".

"Sempre afirmamos nas entrevistas que 'gostamos de música boa' e música boa não tem tema ou estilo. Então vamos continuar nosso trabalho como sempre o mantivemos, de tudo um pouco sem perder a essência", acredita Lorena.

Mesmo indo de lá para cá, o "modão" sempre foi muito ligado à família delas e até gravaram um tributo ao Milionário & José Rico e aos poetas da música sertaneja.

Sobre essa vida de artistas, as meninas não se veem fazendo outra coisa que não esteja relacionada com a música. "Além de ser o que gostamos de fazer, é uma profissão difícil, cheia de lutas, perigos e de espinhos mas que também tem suas rosas e o prazer de fazer música por amor a arte supera qualquer obstáculo. Até então não me vejo fazendo outra coisa mas, ainda tenho tempo para me descobrir ", brinca Rafaela.

A irmã completa: "Já temos nossa estrutura de shows então o plano é seguir na música, trabalhando firme como fazemos a todos esses anos. O fato de sermos tão novas, na minha visão, é vantagem pois temos 16 e 17 anos, mas com uma vivência muito além do que pensaria que tivéssemos, é uma escola para a vida".

Políticos de Terceiro Mundo
Lorena e Rafaela

A vida do justo não vale um centavo
Que o ser honesto seja bem-aventurado
Nesse país corrupto, e endividado
De beleza e cultura nem sempre valorizados

Cidadão levanta cedo para ver o seu salário
Ser roubado por pessoas que não fazem seu trabalho
Quem tem maior orgulho em dizer: Sou do senado!
Mas por trás da cara boa só tem verba desviada

O povo está cansado de aguentar todo esse peso
Carregando nas costas quem devia estar preso
Para obter justiça veio o plano Lava-jato
Condenando e punindo, nem um será perdoado

Das escolas e hospitais o dinheiro é roubado
Para encher conta bancária do político folgado
Resultado da ganância é a falta de recursos
A situação se torna insuportável para muitos

Pela grande campanha, se tornam famosos
Mas esquecem das crianças, jovens e idosos
É proposta a escolha entre o sujo e o banal
Só a cara é diferente, o resultado é igual

Esquecem que muitos vivem na pobreza
Se arriscando para ter o pão sagrado em sua mesa
O peso dos deveres o trabalhador aguenta
Mesmo sabendo que golpista nos representa

Damos nossa confiança à pessoas no congresso
Por isso estamos hoje afundados no regresso
Para garantir silêncio, funcionário é subornado
São ladrões de gravata em um sistema fraudado

Hoje você sabe tudo, amanhã não sabe nada
É assim que uma mente, por um cheque é comprado
Promessas de obras, todas sem fundo
Políticos de terceiro mundo