Música

Em livro, Marcelo Nova lembra dia em que "salvou" corpo de Raul Seixas

Luiz Maximiano/Divulgação
O cantor Marcelo Nova, líder do Camisa de Vênus Imagem: Luiz Maximiano/Divulgação

Leonardo Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

23/10/2017 04h00

Imagine fazer a festa de lançamento de um disco em um bordel. Marcelo Nova fez. Arranjar confusão com segurança e sair correndo de Kombi do SBT? Rolou. Brigar com fãs que tentavam levar embora o caixão de Raul Seixas: checado. Ser expulso da gravadora da Globo aos palavrões e, anos depois, voltar à empresa e fazer sucesso? Aconteceu.

“Eu sempre fui um paradoxo”, brinca o vocalista da banda Camisa de Vênus, que finalmente tomou coragem para lançar sua biografia, ou quase isso. “O Galope do Tempo” (Saraiva/Benvirá), parceria com o jornalista André Barcinski, traz um bate-papo entre o autor e o músico, que relembra episódios pessoais e do grupo baiano, considerado um das mais importantes dos anos 1980. O livro começa a chegar as livrarias do país nesta semana.

“Eu conheci o Barcinski, com aquele jeitinho dele de Robinson Crusoé que só quer morar na ilha, há uns dez anos. Quando a gente se encontrava, ele sempre aventava a possibilidade de fazermos um livro. Coisa de quatro anos atrás, começamos a conversar. Aí surgiu a ideia de que era mais interessante fazer uma conversa longa. Realmente, eu não tenho tenacidade para me debruçar sobre uma mesa e ficar meses escrevendo sobre minha vida”, afirma ao UOL Marcelo Nova, a quem Barcinski chama, afavelmente, de “tsunami verbal”.

Mais um compilado de memórias do que propriamente uma biografia, o livro é franco, bem-humorado e informativo. Vai mais no trabalho musical do que em questões pessoais, embora rock e vida sejam praticamente a mesma coisa em se tratando de Marcelo Nova. Os trechos mais saborosos são, de longe, os que o cantor disseca "causos" pitorescos, como os citados na abertura deste texto.

“As biografias de rock estão sempre pontilhadas de clichês. Da coisa de comer tietes embaixo do palco, de usar heroína no banheiro. Eu não arranco cabeça de morcego com dente, não corto pescoço de galinho no palco nem quebro televisão ou destruo quartos de hotel. Sou um cara normal”, entende ele, normal só até a página 2.

Veja abaixo algumas das melhores histórias relembradas no livro.

Reprodução
Imagem: Reprodução

Conhecendo o parça Raul Seixas

"A primeira vez que vi Raul eu tinha uns 10 anos de idade. Raul tinha uns 17. Todo ano meu pai fazia uma festinha de Natal para as crianças do centro de reabilitação (...) Nesse dia, meu pai pôs a música ‘Boogie do Bebê’ [do Tony Campello], e o Raul fez uma dublagem empurrando um carrinho de bebê. Era uma performance muito engraçada: Raul dublava a música e, de repente, de dentro do carrinho saía um sujeito, um amigo dele chamado Waldir Serrão, que depois foi presidente do Elvis Rock Club de Salvador. O Raul fazia a dublagem, dançava o “Boogie do bebê” e, em determinado momento da música, fazia uma pausa, o Serrão levantava do carrinho e fazia o “Brrrrrrrrrr...” do refrão. Aí o Raul dava um tapa na cara dele, ele voltava para o carrinho, e o “Boogie do Bebê” continuava. A molecada adorava."

Reprodução
Imagem: Reprodução

Peitando a Globo

“O disco [“Camisa de Vênus”, de 1983] já estava lançado, não tinha mais como mexer. A ideia era que gravaríamos outro álbum, mudando o nome da banda e incluindo músicas mais comerciais, que poderiam entrar em trilhas de novela, além de fazer ‘Globo de Ouro’, ‘Chacrinha’, ‘Fantástico’, todos os programas da emissora. O esquema era grande. Tivemos essa reunião, e perguntaram que nome nós gostaríamos de dar para a banda. Eu disse: ‘Se não pode ser Camisa de Vênus, só vejo um nome possível: CAPA DE PICA!’. E terminou assim a nossa meteórica passagem pela Som Livre. Eles ficaram tão indignados com a minha falta de maturidade que tiraram nosso disco de catálogo imediatamente. ‘Quem são esses baianinhos de merda?'"

Reprodução
Imagem: Reprodução

“Correndo Risco” no bordel

“Logo depois que o disco [“Correndo o Risco”, de 1986] foi gravado, o André Midani [executivo da Warner] perguntou onde eu queria fazer o lançamento. Ele disse que tinha acabado de lançar um disco do Ultraje a Rigor no Maksoud Plaza, fazendo o trocadilho ‘Ultraje a Rigor’ com ‘traje a rigor’. E eu disse: ‘Bom, se o Ultraje lançou disco no Maksoud, o Camisa de Vênus tem que lançar num puteiro!’ Ele gostou da ideia. A gravadora então alugou um famoso puteiro de São Paulo, que fica atrás da praça Roosevelt. Eu disse ao André: ‘Sei que nesse evento vão aparecer patricinhas, colunáveis, beatniks, punks, jornalistas, estudantes, modernosos, enfim, a fauna vai ser a mais diversa possível. Mas de uma coisa eu não abro mão: quero o puteiro funcionando, com todas as meninas lá dentro. Os convidados é que vão se agregar ao ambiente’. E assim foi feito. Havia um palquinho onde as meninas faziam pole dance, e nós conseguimos juntar a banda ali e fazer um show.”

Eduardo Knapp/Folhapress
Imagem: Eduardo Knapp/Folhapress

Confusão no SBT

“Fizemos o [programa do] Gugu também. Aliás, acho que foram os três playbacks que o Camisa fez na TV: Raul Gil, Flávio Cavalcanti e Gugu. Mas esse no Gugu terminou com porrada com seguranças, com a gente tendo que sair pelos fundos do SBT, porque Robério [Santana, integrante do Camisa de Vênus] havia entrado no banheiro feminino para ficar com uma menina que estava dando bola, e o segurança quis expulsá-lo de lá. O Gustavo mandou o chefe da segurança tomar no cu, e o tempo fechou: apareceu um cara, que parecia uma versão mulata do Stallone, e partiu com mais alguns pra cima de nós todos. Tivemos de fugir numa Kombi, pela porta dos fundos do SBT.”

Reprodução
Imagem: Reprodução

O roubo do caixão de Raul Seixas

‘A igreja estava lotada, parecia um show ‘sold out’. Aí começamos a ouvir um barulhão do lado de fora, e de repente uns 90 ou 100 malucos invadiram a igreja cantando ‘Viva... viva... viva a sociedade alternativa!’ Eles correram pra onde estava o Raul e saíram de lá levando o caixão! Sim, levantaram o caixão e saíram. Era uma multidão enlouquecida. Os caras sacudiam o caixão, dava pra ouvir o barulho do corpo de Raul batendo lá dentro. Eu gritei: ‘Que merda é essa? Aonde é que vocês pensam que estão indo? Porra, esse cara que está aí dentro é o Raul, vocês estão querendo fazer brincadeira com ele?’ Aí um dos caras que estava na frente, comandando a massa, disse: ‘Espera aê! Marceleza tem razão, porra, nós viemos aqui pra honrar o cara, não é pra fazer festa, não!’ Foi esse cara que salvou o dia, que botou a bola no chão e acalmou a massa, porque estavam todos fora de controle. Queriam levar o corpo de Raul pra passear, pra enfiar baseado na boca!”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
TV e Famosos
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
AFP
Adriana de Barros
Adriana de Barros
do UOL
Blog do Matias
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
Blog do Matias
Reuters
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
do UOL
AFP
Adriana de Barros
do UOL
AFP
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Topo