Música

Para concorrer com Spotify, YouTube planeja serviço pago de música em março

Lucy Nicholson/Reuters
Imagem: Lucy Nicholson/Reuters

Lucas Shaw

Da Bloomberg

08/12/2017 13h57

O YouTube planeja apresentar um serviço pago de música em março, de acordo com pessoas a par do assunto. Esta é a terceira tentativa realizada pela empresa controladora Alphabet para tentar acompanhar o ritmo dos rivais Spotify e Apple.

O novo serviço poderia ajudar a acalmar os executivos da indústria musical, que têm pressionado para obter mais receitas do YouTube. A Warner Music Group, uma das três maiores gravadoras do mundo, já fechou acordo, disseram as fontes, que pediram anonimato porque as negociações são privadas. O YouTube também está negociando com as outras duas, Sony Music Entertainment e Universal Music Group, e com a Merlin, um consórcio de selos independentes.

Os serviços pagos Spotify e Apple Music geraram uma recuperação na indústria musical, que está crescendo novamente após quase duas décadas de declínio. No entanto, grandes gravadoras afirmam que o crescimento seria ainda mais significativo se não fosse pelo YouTube, criticado por não as compensar o suficiente, considerando o quanto as pessoas usam o site para ouvir música. A música é um dos gêneros mais populares de vídeo no YouTube, que atrai mais de um bilhão de usuários por mês.

O YouTube não teve o mesmo sucesso que a Apple ou o Spotify em conquistar usuários para seus serviços de música pagos, mas não foi por falta de tentativas. O Google lançou o serviço de streaming de áudio Google Play Music em 2011. O YouTube Music Key chegou em 2014, dando aos assinantes vídeos de música sem propagandas. Esse serviço se transformou no YouTube Red em 2016, permitindo assistir a qualquer vídeo sem propaganda.

O novo serviço, chamado internamente de Remix, incluiria streaming sob demanda semelhante ao do Spotify e incorporaria elementos do YouTube, como videoclipes, disseram as fontes. O YouTube entrou em contato com artistas para que eles ajudem a promover o novo serviço, disse uma das pessoas.

O YouTube deve vencer diversos obstáculos para cumprir a meta de março. O YouTube vem tentando negociar novos acordos com a Universal e a Sony há mais de um ano e também tem programado negociar com a Vevo no início do ano que vem. A Vevo, de propriedade da Universal e da Sony, distribui videoclipes dos artistas de ambas as empresas.

A indústria musical esperava que o Red fosse dedicado à música, mas o YouTube posicionou-o como um lar para projetos de vídeos originais, como a comédia de ficção científica "Lazer Team" e uma nova versão de "Karatê Kid".

O YouTube contratou Lyor Cohen, ex-executivo da Warner Music, no ano passado para ajudar a administrar suas operações de música e ser um elo de ligação com as gravadoras. O Google transferiu grande parte da equipe do Google Play Music para o YouTube no início deste ano e Cohen anunciou planos para criar um novo serviço pago.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
BOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
EFE
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Topo