Topo

Música

Magnata do hip-hop é acusado de estupro por quatro mulheres

Reprodução
O produtor musical Russell Simmons Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

13/12/2017 23h00

O fundador da Def Jam  Records, Russell Simmons, enfrenta novas acusações de abuso sexual e estupro. No final de janeiro, o produtor já tinha se afastado dos negócios após a filha do diretor Sidney Lumet afirmar que foi assediada por ele em 1991 e de uma modelo contar história semelhante. Simmons negou os casos.

Uma ex-empregada da gravadora, uma jornalista da área musical e uma cantora relataram ao "The New York Times" que Simmons as estuprou em encontros que aconteceram entre 1988 e 2014. Além do trio, mais mulheres detalharam situações inapropriadas com o mandachuva. 

Uma das novas vítimas, Tina Baker, disse que o magnata a convidou para sua casa no começo dos anos 90. Ele começou a oferecer bebida para a jovem e tentou a beijar. Baker disse que então ele estava em cima dela, "me puxando para baixo e dizendo 'não me enfrente'". Ela completou: "Eu não fiz nada, apenas fechei meus olhos e esperei pelo fim".

Sherri  Hines, da girl band dos anos 80 Mercedes Ladies, relatou caso parecido para o "Los Angeles Times", lembrando que quando tinha 17 anos foi estuprada pelo produtor em seu escritório. 

Em novembro, Simmons divulgou um comunicado se defendendo da acusação de Jenny Lumet: "Fui informado com grande angústia da lembrança de Jenny  Lumet sobre nossa noite juntos em 1991. Conheço Jenny e sua família e a vi várias vezes ao longo dos anos desde a noite que ela descreveu".

"Enquanto a lembrança dessa noite é muito diferente da minha, agora é claro para mim que seus sentimentos de medo e intimidação são reais. Embora eu nunca tenha sido violento, fui insensível em alguns dos meus relacionamentos ao longo de muitas décadas e peço sinceras e humildes desculpas", acrescentou.

No comunicado, Simmons ainda diz que "a voz dos que não são ouvidos, daqueles que foram machucados ou envergonhados, merecem ser ouvidas" e anuncia que não quer ser uma distração, "por isso estou me retirando dos negócios que fundei".

"As empresas agora serão gerenciadas por uma nova e diversa geração de executivos extraordinários que estão levando adiante a cultura e a consciência. Da minha parte, vou me afastar e me comprometer a continuar meu próprio aprendizado".