Música

Filha de craque, Ana Petkovic lança disco de MPB com música escrita por Pet

Divulgação
Ana Petkovic; filha do ex-craque Pet investe na carreira de cantora Imagem: Divulgação

Leonardo Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

29/12/2017 04h00

Filha do ex-craque sérvio Dejan Petkovic, Ana Petkovic poderia ter escolhido uma óbvia carreira de esportista ou de professora, pesquisadora, empresária. Mas a música, onipresente dentro e fora de casa, falou mais alto. Aos 20 anos, a jovem está lançando seu primeiro trabalho autoral, “Mais & Mais”, em que passeia por uma MPB suingada e de acento bluseiro, com influências que vão de Amy Winehouse a Ana Carolina.

Nascida em Madri e criada na ponte aérea Brasil-Sérvia, Ana foi descoberta pelos produtores Max Viana (filho de Djavan) e Linox após gravar um disco com letras em inglês, ainda inédito. A afinação e o timbre sinuoso, burilado na noite europeia, seduziram os músicos, que propuseram o desafio: por que não cantar em português e tentar a sorte no mercado brasileiro? Ana topou de imediato.

Reprodução
Ana e o pai Pet em jogo do Flamengo Imagem: Reprodução

“Sei que é um desafio grande. Mas hoje esse é o caminho mais confortável para mim. Escuto muito ‘ah, você está aí porque é filha do Pet’. Mas eu quero ter minha própria carreira e criar meu próprio nome. Nunca falo para ninguém quem é meu pai. Muitas vezes nem digo meu sobrenome”, diz ao UOL Ana, que assina uma das faixas do novo disco, “Sueños”, em parceria "extraoficial" com o pai Pet.

Entre a música no Brasil e a faculdade de letras na Sérvia, a cantora terá uma estreia de gala no país. No dia 31 de dezembro, ela será a atração de abertura do Réveillon de Copacabana. “É um grande passo. Nunca imaginei que pudesse receber um convite desse. Depois disso, volto para Sérvia. Mas pretendo voltar ao Brasil e fazer shows em várias cidades.”

UOL - Como você virou cantora?

Ana Petkovic - Comecei a fazer aula de canto aos 9, dez anos, mas de canto lírico. Aí meus pais perguntaram se eu gostaria de aprender a tocar algum instrumento. Falei que queria começar a tocar guitarra elétrica e piano. Fazia piano clássico e tocava rock na guitarra. Um contraste completo. Comecei a compor minhas próprias músicas e com 14, 15 anos, quando conheci meu mentor, meu professor de guitarra na Europa que me incentivou a escrever minhas músicas.

O que há de melhor e pior em ser filha de celebridade?

Claro que isso abre portas. O lado ruim é que você fica muito exposta. E escuto muito ‘ah, você está aí porque é filha do Pet’. As pessoas ficam interessadas em conhecer meu trabalho. Mas eu quero ter minha própria carreira e criar meu próprio nome. Nunca falo para ninguém quem é o meu pai. Muitas vezes nem digo meu sobrenome.

Divulgação
Capa do álbum "Mais & Mais" Imagem: Divulgação

Seu disco é trilíngue e tem músicas de Hebert Vianna, Tribalistas e do... Pet. Como ele foi parar no disco?

Um dia eu estava compondo e chamei o meu para sentar comigo no piano e ouvir o que eu estava fazendo. E a única coisa que me incomodava numa música eram as primeiras duas frases. Daí ele veio e sugeriu abrir com “Me miro en el espejo/mi vino un recuerdo/Yo era um niña llena de alegria". Eu adorei. Meu pai não é músico, mas tem uma sensibilidade gigante. A música passou a fazer mais sentido.

Ele não te incentivou a tentar carreira no esporte?

O Pet é um pai muito tranquilo, caseiro. Sempre me incentivou em tudo e sempre disse que eu precisava ser ativa fisicamente. Então eu pratiquei muito esporte desde pequena na escola. Gostava muito de basquete. Era a única menina que jogava com meninos. Mas o problema é que eu sou muito, muito baixinha. E, depois de um tempo, fica difícil continuar. Mas ainda adoro esporte e faço academia.

Nunca pensou em tentar a sorte em programas como o “The Voice”?

Confesso que já. Conversei com meus produtores, e eles disseram não é algo tão bom para o caminho profissional que eu estou tentando seguir, que é o autoral. Eu prefiro cantar as músicas que eu escrevo. Assisto ao “The Voice” brasileiro, ao americano. Adoro. Um dia eu gostaria de ser jurada. É muita pressão. Ninguém gosta de ser julgado.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
BOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
EFE
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Topo