UOL Entretenimento Música
 
  • Imagem:

29/07/2011 - 09h41

Com show na quadra da Mangueira, Alcione celebra 40 anos de carreira e grava DVD

FABÍOLA ORTIZ
Colaboração para o UOL, do Rio
  • Alcione encerra gravação acompanhada pela bateria da escola de samba (28/7/2011)

    Alcione encerra gravação acompanhada pela bateria da escola de samba (28/7/2011)

Em clima de festa e comemoração de 40 anos de carreira, Alcione gravou, na madrugada desta sexta-feira (29), o DVD “Duas Faces” na quadra da escola de samba da Mangueira, no Rio de Janeiro. A cantora retornou ao seu berço, o Palácio do Samba, em grande estilo com o show de gravação do seu mais novo DVD com convidados e cantou em duetos especiais com Leci Brandão, Jorge Aragão, Diogo Nogueira e MV Bill. “A emoção é uma coisa que acontece, deixa rolar”, disse Alcione ao UOL pouco antes de subir ao palco.

Ao todo, Alcione apresentou 24 músicas. A gravação começou por volta de 23h30 e só terminou próximo das 2h, quando a cantora teve que regravar três canções. A plateia reuniu fãs da "Marrom" de muitas partes do Brasil em caravanas que vieram de Pernambuco, Rio Grande do Sul e Minas Gerais para ver o show. Além de assíduos frequentadores da quadra da Mangueira, diretorias de outras escolas de samba e os baluartes da Mangueira estavam na primeira fila para homenagear a cantora.

Alcione celebra 40 anos de carreira na Mangueira
Veja Álbum de fotos

A abertura da gravação ficou a cargo da jovem pianista e compositora Maíra Freitas, a filha mais jovem de Martinho da Vila, que interpretou "Basta de Clamares Inocência", do mestre Cartola. Ao piano, Maíra Freitas foi acompanhada pela orquestra de violinos do Centro Cultural Cartola formada por adolescentes da região. Ao entrar no palco, Alcione foi aplaudidíssima e entoou "Tem dendê/Figa de Guiné" (de Reginaldo Bessa e Nei Lopes), uma regravação da canção lançada em 1972.

Para compor o visual, Alcione, vestida com uma túnica rosa, jogou charme para o público com um leque preto, fazendo caras e bocas. No repertório, músicas inéditas como "Beco sem saída" (Telma Tavares e Roque Ferreira), “Não me entrego a mais ninguém” (Jeferson Jr e Umberto Tavares), uma letra romântica e melancólica, e  "Encontro Marcado” de Altay Veloso e Paulo César Feital, que já havia cantado em diversos shows mas não tinha ainda eternizado em sua voz. “Gosto demais dessa música e queria ter gravado no ano passado”, contou. Nas canções já conhecidas, como “Na mesma proporção” (Jorge Aragão e Nilton Barros), a cantora foi acompanhada pelo público.

Convidados muito especiais

O primeiro dueto da noite foi com a amiga mangueirense de mais de 35 anos, Leci Brandão, que levantou o público com palmas numa ode à Mangueira nos versos: “...verde e rosa são as cores da Rainha das Flores”. “Alô minha nação mangueirense! 40 anos de sucesso, parabéns! Que Deus te proteja pela sua generosidade. Salve Alcione!”, clamou Leci Brandão.

  • Helio Motta/UOL

    Leci Brandão abraça Alcione no palco (29/7/2011)

Em suas intervenções, Alcione fez agradecimentos e disse que o DVD era resultado de um trabalho com “muito sacrifício” e que queria muito fazer na quadra da Mangueira. “Se a gente não cantar com os amigos, como a gente vai fazer? Muito obrigada por virem prestigiar o nosso trabalho. Vamos lá gente, vamos cantar”, continuou.

Em seguida, Alcione cantou a inédita “Mulher Bombeiro” de Nei Lopes, uma homenagem aos bombeiros. Para dar continuidade aos duetos, ela chamou o convidado MV Bill para "Meu Ébano”, de Nenéo e Paulinho Rezende. Com MV Bill, o hit ganhou ares de novidades num rap animado composto especialmente para o projeto. “Vou chamar um amigo, sempre achei um negão de tirar o chapéu”, brincou Alcione no palco. Com um jeito de rap fazendo jus a sua história, MV Bill combinou seu estilo com o samba.

Outro convidado foi Jorge Aragão que declarou ser “uma honra trabalhar” com Alcione, “sou seu fã”. No meio da gravação, entre uma canção e outra, Alcione parou para receber um buquê de rosas e ouvir declarações dos fãs. “Como dizia Cartola: ‘me deem as flores em vida’.” No intervalo, enquanto retocava a maquiagem, ela recebia seus fãs e posava para fotos. Já na segunda metade do show, gravou "Cajueiro velho" (João Carlos) e num estilo reggae "Jamaica a São Luís" (Gerude e Ciba Carvalho) com versos que a levavam de volta a sua terra, o Maranhão. “São Luís, aqui é Jamaica, a capital brasileira do reggae”.

O seu último convidado foi Diogo Nogueira. “Vou chamar uma pessoa que eu conheço desde menino quando ia gravar na casa do pai dele”. Diogo Nogueira foi muito aplaudido e cantou junto com Alcione "Poder da Criação" (João Nogueira e Paulo César Pinheiro). De pé, o publico acompanhou “Lá, lalaiá, laia...”.

Para finalizar, sob o comando do mestre Ailton Andre Nunes, a bateria "Surdo Um" da escola de samba da Mangueira entrou no palco. A plateia foi ao delírio com as batidas do samba. Os ritmistas estavam todos vestidos com o uniforme do Carnaval deste ano e cantaram o samba enredo em homenagem ao Nelson Cavaquinho, tema do desfile de 2011. No encerramento, Alcione trocou de roupa e, com uma coroa brilhosa, cantou “Brasil de Oliveira da Silva do Samba” de Altay Veloso e Paulo César Feital. Ao final, ofereceu rosas ao público.

"Duas Faces", primeiro trabalho de Alcione pelo selo Marrom Music, é um projeto gravado em duas etapas: "Jam Session" e "Ao vivo, na Mangueira". A primeira parte foi gravada recentemente na casa da artista e, num tom mais intimista, contou com as presenças de Maria Bethânia, Emílio Santiago, Lenine, Djavan, Martinho da Vila e Áurea Martins. Além dos duetos, a 'Jam' traz solos da Marrom em músicas de sua predileção, gravadas ou não por ela anteriormente. Algumas faixas, como "Passional", de Fátima Guedes, e "Quem já esteve só", de Ivor Lancelotti e Paulo César Pinheiro, por exemplo, jamais haviam sido registradas em sua voz.

Já para a segunda fase (Ao vivo, na Mangueira), Alcione escolheu um repertório de músicas que marcaram a trajetória da artista e outras que nunca foram consideradas radiofônicas. Minutos antes do show, a cantora recebeu o UOL no camarim para uma breve entrevista, leia a seguir:

  • Helio Motta/UOL

    Alcione concede entrevista antes de gravar o DVD "Duas Faces" na Mangueira (28/7/2011)

UOL : Qual o balanço que a Sra faz destes 40 anos de carreira?
Alcione: É uma vida, uma vida de músicas, uma coisa que me dá prazer recordar.

UOL: Por que a escolha de realizar o projeto “Duas Faces”?
Alcione: Teve uma jam session na minha casa e eu cantei Vinicius de Morais e músicas em italiano, francês, castelhano e napolitano. Era minha vontade. Nos meus 40 anos, eu falei para a minha irmã: quero me espalhar, quero fazer as coisas que eu sei fazer e o que eu gosto. Então vai ser o projeto 'duas faces', uma parte mais intimista e outra eu e meu povo na quadra da Mangueira.

UOL: Por que gravar na quadra da Mangueira?
Alcione:  Eu tenho história dentro da Mangueira, 35 anos de Mangueira, é a minha paixão. Eu vim do Maranhão diretamente para o Rio de Janeiro e vi a Mangueira. Não tinha como não comemorar 40 anos sem vir para cá e sem estar com Leci Brandão, Jorge Aragão, Diogo Nogueira, MV Bill, Maíra Freitas e a bateria da Mangueira.

UOL: Como foi a sua escolha do repertório? Qual é o clima de Duas Faces?
Alcione: Vou cantar algumas músicas que nem tocaram no rádio, algumas que foram sucesso, tem músicas inéditas. O clima é esse aí, deixar as pessoas esperando a música nova mas também cantar junto comigo todas aquelas que o público conhece. Fazer uma festa de aniversário de 40 anos. MV Bill vai dar esse toque de rap numa homenagem para mim em “Meu Ébano”. “Jamaica a São Luís” que é reggae, tem também o toque da bateria da Mangueira ao final com o “Brasil de Oliveira da Silva do Samba” de Altay Veloso. E as músicas inéditas como “Mulher Bombeiro”, de Nei Lopes, em homenagem aos Bombeiros: ‘Aqui na minha, eu sou apenas a madrinha da corporação... Minha Mangueira verde e rosa não apaga fogo não’.

UOL: E sobre os convidados?
Alcione: Leci, era óbvio, nós trabalhamos na noite juntas. Ela foi a primeira mulher a fazer parte da ala de compositores da Mangueira, minha amiga. Gosto demais dela. MV Bill é uma outra coisa, eu sou fã da postura do MV Bill, por isso eu digo que ele é um 'nego' de tirar o chapéu. O Diogo Nogueira porque eu o conheci pequenininho na casa do pai dele, eu o chamava de anjo barroco, desde pequeno disse que ele ia cantar comigo. Jorge Aragão, também somos amigos desde o tempo das músicas do início da minha carreira. A orquestra de violinos, eu praticamente faço parte do conselho da Fundação Centro Cultural Cartola. A Maíra Freitas, filha do Martinho, vai cantar com a orquestra. Juntando tudo dá 40 anos de Alcione.

UOL: Como a Sra se define hoje?
Alcione: Uma pessoa feliz, muito feliz com essa festa e mais feliz ainda que o meu time Flamengo ganhou ontem (4ª feira) de 5 a 4. Agora só aos 50. Deus é que me dá força.

Hospedagem: UOL Host