PUBLICIDADE
Topo

"Foi um segundo de fraqueza", diz mulher de Champignon

Champignon posa para foto ao lado da mulher - Reprodução/Facebook
Champignon posa para foto ao lado da mulher Imagem: Reprodução/Facebook

Do UOL, de São Paulo

15/09/2013 21h17

Em entrevista ao Fantástico, Claudia Bossle Campo, mulher do baixista Champignon, encontrado morto na semana passada, afirmou que o suicídio do músico foi um “acidente”,  “um segundo de fraqueza”. A polícia ainda investiga o caso.

Claudia, que é cantora, contou mais detalhes sobre a noite em que ela e Champignon foram jantar, e, na volta, ele se trancou em um quarto e atirou contra a própria cabeça. O músico havia tomado saquê com ela e um casal de amigos.

“Pedi: ‘amor, não bebe mais, vamos embora’. Foi quando ele ficou nervoso comigo. Ele estava cantando no carro, estava tranquilo. Chegou do elevador e foi direto por quarto.”

Segundo a cantora, grávida de cinco meses da segunda filha de Champignon, “ele estava tão cheio de planos, sonhos”. Ela completa: “É difícil de entender.”

O Caso

Na noite do último domingo (8), Champignon e Claudia saíram para jantar com um casal de amigos, Oscar e Juliana, em um restaurante japonês próximo à casa do músico, na Vila Sônia. No restaurante, Champignon e Juliana beberam saquê e, à certa altura, Cláudia pediu para que o marido parasse de beber.

"Foi uma pequena discussão de casal. Quero deixar claro que não foi o que causou a morte dele", afirmou a delegada Milena Suegama, do 89º Distrito Policial, que cuidou do caso.

Ao ser deixado na porta de casa pelo casal de amigos, Champignon se despediu deles, agradeceu por tudo e pediu desculpas caso tivesse feito algo errado. "Ele estava determinado a fazer o que fez. Entre o elevador e o momento da morte passaram apenas três minutos. Foi muito rápido", disse a delegada.

Após se trancar em um quarto, o músico deu dois disparos de arma de fogo. O primeiro tiro teria sido um teste e foi feito em direção ao chão, e o segundo do lado direito da cabeça.

Em depoimento, Cláudia contou à delegada que discutiu com Champignon, mas declarou que o marido não era um homem agressivo e não usava drogas ou medicamentos controlados.

Ela foi levada para um hospital em estado de choque por volta das 2h30 e liberada às 6h40. Champignon tinha ainda uma filha de 7 anos de seu primeiro casamento. A pistola, um espingarda, celulares e computadores foram apreendidos. A delegada informou que não encontrou qualquer vestígio de drogas no apartamento.