Música

Campeã do "The Voice", Samantha Ayara teve de superar trauma no programa

Divulgação
Samantha Ayara e Michel Teló, time vencedor do "The Voice Brasil" Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

22/12/2017 01h25

Vencedora da sexta edição do “The Voice Brasil”, a mineira Samantha Ayara virou exemplo de superação e perseverança no programa. Há um ano, a jovem de 20 anos, natural de Belo Horizonte, foi recusada na fase de audições às cegas, a primeira do “reality”, quando nenhum dos quatro técnicos concedeu aprovação virando a cadeira.

Insistente, ela se inscreveu novamente e logo deu mostras de que a maré havia virado. Rastreando com “Pretty Hurts”, de Beyoncé, a jovem impressionou os jurados e se classificou de forma unânime, elogiada pelo alcance e dramaticidade vocal. Acabou escolhendo o time de Ivete Sangalo.

Na etapa seguinte, a de tira-teima, Samantha mostrou segurança cantando “What About Us", da cantora Pink, e eliminou o rival Samuell Sabino. Invicta ao longo de toda a competição, ela ainda derrotou as elogiadas Danielle Dias e Sinara Costa nas fases de batalhas e batalhas dos técnicos defendendo, respectivamente, "Me Adora" (Pitty) e "Sorry Not Sorry" (Demi Lovato). Surgia ali uma das várias favoritas ao título.

Com presença de palco, vocal virtuoso e pendência para o pop jovem, a mineira foi crescendo ao longo da competição, em que também cantou "Ovelha Negra" (Rita Lee) e "I'll Never Love This Way Again" (Dionne Warwick), que lhe valeu lugar na final em duelo com a dupla sertaneja Alysson e Adysson, queridinha do técnico Michel Teló.

Sem experiência

Moradora da região do Barreiro, periferia da capital mineira, Samantha é novata. Nunca teve aulas de música nem chegou a se apresentar profissionalmente. Em entrevista ao site F5, afirmou que chegou ao programa desacreditada e sem grandes pretensões de título.

"Se eu conseguisse entrar no ‘The Voice’, já teria mostrado evolução. Mas, à medida que fui passando de fases, fui mudando meus conceitos, e minha confiança aumentou”, disse Samantha, que afirmou que agora pretende estudar canto e inglês. Com a conquista, ela garantiu R$ 500 mil e um contrato com a Universal Music, que prevê agenciamento da carreira.

"Tive a confirmação de que não existe outro caminho a seguir que não seja na música. Gosto de letras dramáticas e de cantoras como Whitney Houston, Céline Dion e Maysa Matarazzo. Porém, ouço esses tipos de música e as transformo em algo próprio, como fiz no programa", afirmou ela, incentivada por Teló a insistir no pop.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
EFE
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo