PUBLICIDADE
Topo

Faith no More volta ao Rock in Rio com show morno e "mosh" mal sucedido

Tiago Dias

Do UOL, no Rio

25/09/2015 23h08

Empolgado durante a apresentação do Faith No More na noite desta sexta-feira (25), no Palco Mundo do Rock in Rio 2015, o vocalista Mike Patton deu um mergulho em direção à plateia logo na terceira música, "Caffeine". O problema é que ele não calculou a distância, nem levou em consideração o fio do microfone, e caiu sobre a grade que separa o público do palco, precisando ser amparado pelos seguranças.

Mike - Marco Antônio Teixeira/UOL - Marco Antônio Teixeira/UOL
Mike Patton é escoltado de volta ao palco pelos seguranças
Imagem: Marco Antônio Teixeira/UOL

"Se a gente não abrisse e saísse da frente, ele ia cair em cima dos fotógrafos", contou Marco Antônio Teixeira, fotógrafo do UOL que registrava o início da apresentação. "Os seguranças logo o levantaram. Ele saiu amparado por eles, cambaleando e com o olhar perdido."

O salto em direção ao público (também conhecido como "mosh" ou "stage diving") mal calculado ajudou para o show morno que seguiu. Patton disfarçou, mas mancou em alguns momentos, o que deve ter colaborado para uma performance mais comedida. O som, até então impecável no Palco Mundo, estava mal equalizado, e fez cair a temperatura na plateia.

O público dessa sexta-feira atípica, quando a Cidade do Rock não completou nem metade da sua capacidade até o começo do show, recebeu a banda com certa apatia. Em dado momento, Patton perguntou se queriam ouvir mais uma música. O retorno veio apenas do gargarejo. Ele fez careta: "tem certeza?"

"Achei esse show meio frio. Não sei se é pelo público que veio ver Slipknot, mas o Mike também estava calmo demais, talvez pelo mosh. Já assisti a show do Faith no More e faltou energia aqui", comentou Gisele Honscha, 34. Já Gean Gauche, 41, admirador de ambas bandas, aprovou a apresentação, mas considerou: "Está mais calmo, acho que o pessoal está esperando mais o Slipknot".

A volta da revelação

Após saírem como revelação do Rock in Rio em 1991, o Faith no More fez seu retorno ao festival radicalmente diferente. Ao vê-los todos de branco e com guias, em um palco que mais parecia um terreiro decorado com flores, podia-se imaginar que a banda já não teria todo o vigor da juventude.

Antes da queda, "Motherfucker", do primeiro disco inédito em 18 anos, "Sol Invictus", lançado este ano, dissipou a dúvida ao mostrar a boa forma dos integrantes.

Apesar do vocalista repetir os xingamentos brasileiros ("caraleo" e "puta que pario"), entre outros agradecimentos em um portunhol enrolado, o público só foi esquentar quando a banda tocou hits como "Epic", "Midlife Crisis" e sua versão para "Easy", dos Commodores. Já "Superhero", do novo disco, e "Evidence", cantada em um português enrolado, passaram batidas.