PUBLICIDADE
Topo

Com Zeca Baleiro no palco, Fagner recria álbum do início de sua carreira no palco do Municipal

Ronaldo Evangelista

Do UOL, em São Paulo

18/05/2013 23h36

Meia hora depois do horário marcado para o início do show de Fagner uma enorme fila ainda serpenteava o Theatro Municipal para ver o cantor cearense interpretando "Manera Fru Fru Manera", de 1973, talvez um dos álbuns mais emblemáticos de sua carreira.  Quarenta minutos depois, quase todas as 1.500 pessoas já ocupavam seus assentos e batiam palmas chamando o artista ao palco. Camiseta branca, pisando leve, Fagner entrou com sua presença tranquila ao palco e não desapontou. Acompanhado de seis músicos, cantou todas as músicas de seu primeiro disco, inventando nova ordem para as faixas.

Apesar do som às vezes baixo, as canções "Mucuripe", "No Último Pau-de-Arara" e "Canteiros" foram as mais aplaudidas e cantadas pela plateia. Quarenta anos depois do lançamento do disco original, o cantor se dsse "pego de surpresa" com a ideia de reapresentar o álbum no palco - algo semelhante farão artistas como Walter Franco, Wanderléa e Ângela Ro-Ro, até o final do domingo.

Por volta da metade do show, Fagner chamou ao palco "o cara que está produzindo esse show", o músico Zeca Baleiro. "É muito bonito ver o amor que esse disco inspira e a permanência dessas canções", disse Zeca, que fez dueto com Fagner nas canções "Serenou na Madrugada" e "Tambores".

A essa altura, uma pequena confusão interrompeu o show por alguns minutos quando as luzes se acenderam e um homem na plateia foi cercado por bombeiros e seguranças do Municipal. Aos gritos de "fora, fora, fora" do público, o incidente foi rapidamente resolvido e ainda rendeu uma piada de Baleiro: "Estão falando comigo? Querem que eu saia?", disse, provocando risos da plateia. O homem não foi retirado e o show seguiu.

Depois de tocar todas as faixas de "Manera Fru Fru Manera", Fagner ainda fez um bis com Baleiro cantando "Cavalo Ferro" e, como não podia deixar de ser, entregou talvez o maior hit de sua carreira, o clássico brega "Borbulhas de Amor".