PUBLICIDADE
Topo

Música


"Rei do brega", Reginaldo Rossi morre aos 70 anos no Recife

Do UOL, em São Paulo

20/12/2013 11h37

O cantor Reginaldo Rossi morreu às 9h25 desta sexta-feira (20), aos 70 anos, por falência de múltiplos órgãos em consequência de um câncer no pulmão. Considerado o "rei do brega", o artista estava internado desde o dia 27 de novembro no Hospital Memorial São José, no Recife, quando sentiu fortes dores no peito. O corpo já deixou o hospital e será velado no Plenário da Assembleia Legislativa a partir das 19h (horário local). O enterro está marcado para as 20h de sábado (21) no cemitério Morada da Paz, segundo informado pelo hospital.

A versão anterior desta reportagem informava que o cantor estava com 69 anos, mas a idade correta, de 70 anos, foi confirmada pelo empresário de Rossi, Antônio Mojica, e pelos registros de candidatura no Tribunal Superior Eleitoral nas eleições de 2010, quando o cantor concorreu a deputado estadual de Pernambuco, mas não foi eleito. 

O cantor do hit "Garçom" foi internado após ter recebido diagnóstico de derrame pleural, que é o acúmulo excessivo de líquido no espaço entre a pleura visceral (membrana que recobre o pulmão do lado de fora) e a pleura parietal (superfície interna da parede torácica). Na semana passada, foi descoberto que ele tinha câncer no pulmão. Ao UOL, o médico Iran Costa, que tratava o cantor, disse que apesar da melhora dos últimos dias, Reginaldo apresentou um agravamento nas funções renais e no pulmão nas últimas horas de vida. 

Reginaldo chegou a ser transferido para um quarto, mas retornou à UTI no dia 9 de dezembro, quando voltou a sentir dores. No mesmo dia foi submetido a uma nova cirurgia para a retirada de líquido no pulmão, com a instalação de um dreno.

Logo em seguida, ele iniciou o tratamento de quimioterapia e sessões de hemodiálise diária. Chegou a ter uma leve melhora no quadro clínico, mas na quinta-feira (19) voltou a respirar com ajuda de aparelhos. 

O empresário do cantor, Antonio Mojica, contou ao UOL que antes de ser internado Reginaldo acreditava que estava com gripe. "Há um mês [antes do diagnóstico de câncer], ele falava que estava com gripe. Toda hora falava disso. Ele devia estar com problema no pulmão desde aquela época". Antonio afirma que o cantor fumava muitos cigarros por dia. "Ele fumava toda hora. Chegava a acender um cigarro no outro".

Reginaldo estava com show marcado para o Réveillon do Recife, no bairro do Pina. Ele deixa a mulher Celeide Rossi, com quem era casado havia mais de 30 anos, e com quem teve o filho Roberto.

Repercussão

Em entrevista por telefone ao UOL, o cantor brega Falcão disse que o bom humor e "breguice" tão característicos do seu trabalho tiveram influências de Reginaldo Rossi. "Eu me inspirei nessa parte melódica e bem-humorada, quase sacana, que ele tinha", disse o cantor cearense, por telefone.

Ainda segundo Falcão, Rossi derrubou preconceitos em relação à música brega por causa da qualidade de seu trabalho. "Tudo o que ele fazia era bem-feito. Ficou muito popular. Era daqueles que o povo pedia. Era um amigão, quase um irmão", disse o cantor. 


Trajetória

Reginaldo Rodrigues dos Santos Rossi nasceu no Recife no dia 14 de fevereiro de 1943 e ingressou na faculdade de engenharia, mas não chegou a se formar e trabalhou como professor de matemática.

Começou a carreira artística em 1964 imitando Roberto Carlos em bares e clubes da capital pernambucana. Na época, ele era acompanhado pelo conjunto The Silver Jets.

Em 1966, lançou o primeiro LP, "O Pão", seguido por "Festa dos Pães", no ano seguinte. Em 1970 se afastou do rock com "À Procura de Você", que o introduziu no gênero brega-romântico, do qual se tornaria um dos maiores expoentes, ao lado de nomes como Odair José, Amado Batista, Wando e Agnaldo Timóteo.

Em meados dos anos 1980, já com 18 discos gravados, Rossi era um sucesso de vendas no Norte e Nordeste, mas permanecia desconhecido no eixo Rio-São Paulo. Em 1987 lançou um de seus maiores sucessos, "Garçom", que o tornaria conhecido no Sul e Sudeste no fim dos anos 1990.

Ao longo de sua carreira, o cantor gravou com artistas como WanderléaRoberta Miranda e Planet Hemp, e aceitou de bom grado o título de "Rei do Brega". Com cerca de 50 álbuns lançados, ele recebeu 14 discos de ouro, dois de platina, um de platina duplo e um de diamante.

Em 2011, Rossi venceu o Prêmio da Música Brasileira na categoria de melhor cantor popular, pelo álbum ao vivo "Cabaret do Rossi", que também rendeu um DVD, em que fazia releituras de sucessos como "Taras & Manias", "Dama de Vermelho", "Boate Azul", "Amor I Love You", "Só Você" e "I Will Survive".

Em 2009, ele participou do quadro "Dança dos Famosos", no programa "Domingão do Faustão". 

Música