Música

Ciro Gomes: "Belchior cansou de conviver com a grossura dos nossos tempos"

Thays Lavor

Colaboração para o UOL, de Fortaleza (CE)

01/05/2017 22h02

Entre familiares e fãs, personalidades políticas também deram seu "até logo" ao cantor e compositor Belchior, que morreu neste domingo (30). O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), chegou às 19h30 ao velório. Pouco depois, foi a vez do governador do Estado, Camilo Santana (PT), que veio acompanhado da mulher e do pré-candidato a presidência da República Ciro Gomes (PDT), que prestaram suas últimas homenagens.

Fã e conterrâneo ambos nasceram em Sobral (CE) de Belchior, Ciro Gomes demonstrou emoção durante o tempo em que permaneceu ao lado do caixão e cumprimentou familiares. O presidenciável disse que conheceu o artista quando tinha 16 anos e que há algum tempo já vinha sentindo a dor da perda do amigo.

“Ele se desadaptou das vulgaridades da vida brasileira e destes tempos. Sumiu e desfez as relações todas. Não por rancor a ninguém, apenas acho que ele cansou de conviver com a grossura dos tempos ásperos que estamos vivendo.”

Embora viesse tentando saber do paradeiro de Belchior, Gomes ainda guarda as lembranças do último encontro, na Serra da Meruoca, em Sobral (CE), e lamenta a perda do amigo.

“Passamos boa parte da noite cantando, logo antes de ele sumir. Então, se esta perda pessoal é irreparável, o que projeta um homem para imortalidade é o seu verso. E eu não tenho a menor dúvida de que ele conseguiu isso por meio de sua obra.”

O prefeito Roberto Cláudio classificou o legado de Belchior como atemporal, “O melhor significado é a multidão que acompanhou o velório no feriado, tanto aqui em Fortaleza quanto em Sobral. Pessoas de várias idades e origens. A obra dele transcende as classes sociais, os gêneros e, principalmente, as idades. É atemporal e de valor singular."

Já o governador Camilo Santana afirmou estar sentindo um imenso vazio, pois teve a juventude influenciada pelas músicas do cantor, que tinham cunho político, de sonho e de lutas marcantes.

“O Belchior sempre defendeu a construção de um mundo melhor, de paz, amor, liberdade, esperança e justiça. Então, em um momento tão difícil, acho que a lição que ele nos deixa é a de que é preciso viver, mais do que sonhar.”

O velório de Belchior segue em Fortaleza até às 7h desta terça (2), no hall do teatro do Centro Dragão do Mar. Em seguida, o corpo será levado ao cemitério Parque da Paz, no bairro Passaré, onde acontece o sepultamento. Na manhã desta segunda (1º), ele já havia sido velado também em Sobral (CE), sua cidade natal.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Música - Imagens
do UOL
do UOL
Reuters
Adriana de Barros
Reuters
Música
do UOL
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
AFP
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
Adriana de Barros
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Música
UOL Música - Imagens
do UOL
Blog do Matias
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Matias
EFE
AFP
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
Adriana de Barros
Topo