PUBLICIDADE
Topo

Música

Com problemas de som, Sebastian Bach revisita Skid Row no Rock in Rio

Mário Barra

Do UOL, no Rio

19/09/2013 17h33

Sebastian Bach estava ligado nos 220v ao entrar no palco Sunset nesta quinta-feira (19), quarto dia do Rock in Rio 2013. Empolgado com o festival e com a cidade, o artista deu início a show com bastante energia com a música "Slave to the Grind".

  • 12526
  • true
  • http://musica.uol.com.br/enquetes/2013/09/19/qual-foi-o-melhor-show-do-quarto-dia-de-rock-in-rio-2013.js

A voz estridente de Sebastian Bach -- ou "Tião", como o cantor gosta de ser chamado pelos fãs no Brasil -- dava o tom da empolgação do cantor, vocalista do Skid Row no passado, que chamava o público para cantar e pular.

Mas os problemas de som prejudicaram o show. Ao longo da apresentação, o som das guitarras estava abafado e o bumbo da bateria, muito mais alto do que o resto -- até mesmo na comparação com a voz de Bach.

No palco, Sebastian se esforçava até em português: "Vamo lá", dizia o cantor, alongando a vogal a com sua voz aguda. "Nós estamos muito felizes de 'astar' com vocês", bradou o vocalista minutos depois.

O início pesado foi amansado com faixas mais lentas como "Here I Am" e "Big Guns", mais marcadas com o estilo de heavy metal do final dos anos 1980. Já a atitude de Bach seguia a mesma: "Todo mundo comigo", dizia o cantor, tentando elevar a animação do público, que embora estivesse empolgado, não chegou a se animar como durante o show do Almah.

Balões e clássicos

Na plateia, chamava a atenção um grande número de balões promocionais de marcas presentes no festival. Não tão comuns em shows de heavy ou glam metal, os objetos plásticos eram dos mais variados -- com direito a uma boneca, que subia em frente a Sebastian Bach.

Com o som um pouco melhor apesar do vocal ainda baixo, um dos principais sucessos de Bach com o Skid Row foram executados, marcando a melhor parte de um show no qual a maior parte das pessoas esperava somente as músicas mais famosas: "18 and Life", que foi cantado por toda a plateia, arrancando um sorriso de Bach.

Mais tarde, foi a vez de "Monkey Business" e da balada "I Remember You", que também foi muito mais celebrada do que o resto do setlist. Antes disso, Bach aqueceu o palco para a entrada de Rob Zombie com a faixa "Tunnelvision", que contou com participação de John 5, guitarrista da banda durante a gravação.

Pouco antes do fim, os balões eram tantos que até Sebastian Bach colocou um deles em sua cabeça e na de seu guitarrista -- o artefato era moldado como se fosse uma peruca loira. Foi um momento divertido em uma apresentação que não esteve à altura da expectativa de fãs consultados pelo UOL antes da apresentação. Como se isso não bastasse, a última música foi prejudicada pelo início do show do Sepultura com o grupo Tambours du Bronx, que inaugurou a noite de shows no Palco Mundo e causou um êxodo de fãs de metal no palco Sunset.

 

 

Metal no Palco Sunset
O show ocorre depois de duas apresentações de metal no Palco Sunset. Primeiro, as bandas Dr. Sin e República, com o guitarrista Roy Z,  deram o tom da mudança de ares no quarto dia de Rock in Rio -- o primeiro fim de semana foi marcado pelo pop de artistas como Beyoncé e Justin Timberlake -- tocando músicas próprias e encerrando o show com uma versão mais pesada de "You Really Got Me", da banda Kinks, que também fez sucesso na regravação do Van Halen.

 

Em seguida, o ex-Angra Edu Falaschi voltou ao festival com a Almah e, já na parte final da apresentação, convidou os gaúchos do Hibria, que empolgaram o público com o cover de "Rock And Roll" do Led Zeppelin em um tributo às "raízes do heavy metal".

 

Edu prestou uma homenagem "à força" para o desenho japonês "Cavaleiros do Zodíaco", a pedidos do público. "Essa não", disse ele, aos risos. Mas acabou cedendo e cantou um trecho do tema já interpretado por ele em shows anteriores. Enquanto alguns fãs pediam, outros abaixavam a cabeça. 
 

Música