Topo

Música

Sepultura repete fórmula de batucada ao lado do Tambours du Bronx

José Norberto Flesch

Do UOL, no Rio

19/09/2013 18h31

A experiência foi vivenciada há dois anos. Agora, foi levada para a grande massa. O show que o Sepultura fez no palco Sunset com o Tambours du Bronx, em 2011, ganhou o palco principal do Rock in Rio 2013. A performance conjunta dos dois grupos abriu a programação do Palco Mundo desta quinta-feira (19), na primeira das duas noites dedicadas ao metal no evento

  • 12526
  • true
  • http://musica.uol.com.br/enquetes/2013/09/19/qual-foi-o-melhor-show-do-quarto-dia-de-rock-in-rio-2013.js

A mistura se mostrou interessante desde o início, quando o Tambours deu mais peso ao som do quarteto brasileiro. Após "Refuse/Resist", o guitarrista Andreas Kisser aproveitou para inserir um toque politico no show. Pediu ao público que cerrasse os punhos para mostrar que o Brasil não está dormindo (uma referência às recentes manifestações pelo país).

A sonoridade das duas bandas juntas impressionou principalmente em "Fever". A partir dai até o final, com "Roots Bloody Roots", houve ainda outros momentos em que o show virou uma imensa e envolvente batucada regada a metal.

O Sepultura gravou a apresentação para lançar em DVD. A banda também está com um disco pronto, "The Mediator Between the Head and Hands Must be the Heart", que deve sair logo após o festival.

Antes do show, Andreas Kisser conversou com o UOL nos bastidores e contou que o show é "muito especial". "Nós fizemos esse projeto em 2011 e foi um risco, a gente nem sabia o que ia acontecer, nunca tínhamos nos apresentado junto dessa forma", lembrou o guitarrista. "Agora ensaiamos uma vez aqui no Rio e funcionou muito bem. A gente já se conhece melhor, tem uma química que rola muito tranquila. Eles são muito bem organizados. Se fosse um bando de louco, seria difícil, mas eles são impecáveis", elogiou.

Metal no Palco Sunset

O show ocorre depois de três apresentações no Palco Sunset. Primeiro, as bandas Dr. Sin e República, com o guitarrista Roy Z,  deram o tom da mudança de ares no quarto dia de Rock in Rio -- o primeiro fim de semana foi marcado pelo pop de artistas como Beyoncé e Justin Timberlake -- tocando músicas próprias e encerrando o show com uma versão mais pesada de "You Really Got Me", da banda Kinks, que também fez sucesso na regravação do Van Halen.

Em seguida, o ex-Angra Edu Falaschi voltou ao festival com a Almah e, já na parte final da apresentação, convidou os gaúchos do Hibria, que empolgaram o público com o cover de "Rock And Roll" do Led Zeppelin em um tributo às "raízes do heavy metal".

Edu prestou uma homenagem "à força" para o desenho japonês "Cavaleiros do Zodíaco", a pedidos do público. "Essa não", disse ele, aos risos. Mas acabou cedendo e cantou um trecho do tema já interpretado por ele em shows anteriores. Enquanto alguns fãs pediam, outros abaixavam a cabeça neste momento. 

Depois, veio Sebastian Bach, que teve problemas com o som. Ex-vocalista do Skid Row, Bach apresentou sucessos como "18 And Life" e "I Remember You".