Topo

Música


Ghost tenta criar clima sinistro, mas público não acompanha no Rock in Rio

Mario Barra

Do UOL, no Rio

19/09/2013 20h32

Os chifrinhos na plateia do show do Ghost nunca pareceram fazer mais sentido. Com um visual obscuro e referências nada elogiosas à cultura cristã, o grupo sueco foi a segunda banda a subir ao Palco Mundo nesta quinta-feira (19), quarto dia de festival e o primeiro claramente dedicado ao heavy metal.

  • 12526
  • true
  • http://musica.uol.com.br/enquetes/2013/09/19/qual-foi-o-melhor-show-do-quarto-dia-de-rock-in-rio-2013.js

O vocal do cantor com nome em latim de Papa Emeritus 2º não é rasgado e gutural como o de Derrick, do Sepultura, ou agudo como o de Sebastian Bach, para citar atrações que já passaram pelo Rock in Rio 2013.

Já o som é, curiosamente, menos pesado do que as bandas de metal normalmente associadas com satanismo e afins. Os suecos misturam influências que vão desde o heavy metal clássico desenvolvido pelo Black Sabbath até o thrash metal atual, sempre com músicas marcadas por um tom macabro.

Mas o Papa do Ghost é simpático. Logo após a faixa "Infestissumam", que integra o álbum homônimo lançado em 2013, o cantor sueco saudou o público brasileiro com um "boa noite" em claro e bom português.

Sua verdadeira identidade, assim como a dos demais integrantes, é desconhecida. Nada novo no rock: Slipknot e Brujeria já fizeram isso há anos; no Brasil, o Pavilhão 9 começou a carreira com gorros na cara. Os demais integrantes são conhecidos como "ghouls" -- algo como morto-vivo em tradução livre para o português.

"Papa" disposto, súditos nem tanto

O "Papa", por sinal, canta como se estivesse no comando de um coral, balançando os braços e orientando seus pupilos -- no caso, a plateia na Cidade do Rock, pouco menor do que na apresentação anterior, do Sepultura.

Mas as pessoas não pareceram ser muito fiéis. O Ghost pouco conseguiu arrancar da plateia além de palmas e risos por conta da indumentária da banda -- com maquiagem carregada, similar ao que se observa em festividades mexicanas.

Ao término das músicas, o "Papa" perguntava como a plateia estava. Como não obtinha resposta, seguia tocando. Faixas mais famosas como "Secular Haze" estiverem no repertório da banda, sem empolgar uma plateia que parecia mais ávida a esperar pelo Metallica do que a entrar no clima sinistro emanado pela banda.

Formado em 2008, o grupo traz um som menos pesado do que as atrações da noite no Palco Mundo, mas tão cheio de camadas como os das demais bandas que vão tocar no Rock in Rio. Letras que aludem a satanismo, catolicismo e entidades como zumbis são misturadas com uma sonoridade influenciada por hard rock e heavy metal, mas com forte presença de teclados. Com apenas dois álbuns, a banda entrou para o circuito de festivais mundo afora como o Lollapalooza e o Coachella.

"Pai-Nosso" alterado

Mesmo com uma apresentação competente, o Ghost somente empolgou de verdade quando apresentou a música "Year Zero". Ao notar os aplausos, Emeritus II resolveu se dirigir aos "fiéis" novamente. "Finalmente chegamos ao Brasil. Nós nos sentimos bem e vocês?", perguntou o vocalista. Tão educadamente quanto antes, o "Papa" em seguida anunciou a faixa "Ritual", que traz letras que alteram o texto original do "Pai-Nosso".

Pouco antes do fim, escuridão e silêncio tomaram conta do palco até o som do piano ser ouvido para a música "Ghulen", que traz uma voz no começo que lembra o som de assombrações nos filmes de terror atuais. Já a canção em si não poderia ser mais calma, trazendo uma atmosfera diferente para a apresentação -- menos voltada ao impacto e mais baseada em "clima".

Ao término da apresentação, é inevitável a sensação de frustração quanto aos temas densos e provocadores propostos pela banda, que são embalados com uma sonoridade não tão desafiadora assim. Apesar de muito talentosa, a banda não chegou a empolgar o público, que estava mais curioso em entender o que se passava no palco -- uma espécie de charada a ser resolvida, entre um sanduíche e outro dos famintos à espera do show principal da noite.

As caretas mais engraçadas do festival
Veja Álbum de fotos

Primeiro dia do metal

O show do Ghost ocorreu depois de quatro apresentações no Palco Sunset e uma no Palco Mundo. Primeiro, as bandas Dr. Sin e República, com o guitarrista Roy Z,  deram o tom da mudança de ares no quarto dia de Rock in Rio -- o primeiro fim de semana foi marcado pelo pop de artistas como Beyoncé e Justin Timberlake -- tocando músicas próprias e encerrando o show com uma versão mais pesada de "You Really Got Me", da banda Kinks, que também fez sucesso na regravação do Van Halen.

Os shows do 4º dia do festival em um "tuíte"
Veja Álbum de fotos

Em seguida, o ex-Angra Edu Falaschi voltou ao festival com a Almah e, já na parte final da apresentação, convidou os gaúchos do Hibria, que empolgaram o público com o cover de "Rock And Roll" do Led Zeppelin em um tributo às "raízes do heavy metal".

Edu prestou uma homenagem "à força" para o desenho japonês "Cavaleiros do Zodíaco", a pedidos do público. "Essa não", disse ele, aos risos. Mas acabou cedendo e cantou um trecho do tema já interpretado por ele em shows anteriores. Enquanto alguns fãs pediam, outros abaixavam a cabeça neste momento. 

Depois, veio Sebastian Bach, que teve problemas com o som. Ex-vocalista do Skid Row, Bach apresentou sucessos como "18 And Life" e "I Remember You".
 
No Palco Mundo, o Sepultura se juntou ao grupo francês de percussão Tambours du Bronx, em uma apresentação gravada que será lançada em DVD. "The Mediator Between the Head and Hands Must be the Heart", que deve sair logo após o festival.
 
Antes do show, Andreas Kisser conversou com o UOL nos bastidores e contou que o show será "muito especial". "Nós fizemos esse projeto em 2011 e foi um risco, a gente nem sabia o que ia acontecer, nunca tínhamos nos apresentado junto dessa forma", lembrou o guitarrista. "Agora ensaiamos uma vez aqui no Rio e funcionou muito bem. A gente já se conhece melhor, tem uma química que rola muito tranquila. Eles são muito bem organizados. Se fosse um bando de louco, seria difícil, mas eles são impecáveis", elogiou.
 
Para encerrar o Sunset, Rob Zombie subiu ao palco não apenas com seu som pesado -- que vai do thrash metal ao noise rock --, mas com o baú cheio de referências ao horror.
 
O também produtor e diretor de cinema, aficionado pelo gênero, mostrou à cidade do rock músicas do seu último disco, "Venomous rat regeneration vendor", além do single dançante (a seu modo), "Dead City Radio", que Rob fez ao ouvir que as rádios só tocam músicas de artistas mortos.

Depois de Ghost, o primeiro dia de metal no Rock in Rio terá ainda Alice in Chains e Metallica.
 
 

Música