PUBLICIDADE
Topo

Internado novamente, baterista do Bon Jovi não tocará no Rock in Rio

Richie Sambora, Jon Bon Jovi, David Bryan e Tico Torres, da banda Bon Jovi, no telhado da O2 Arena, em Londres (07/07/2010) - Getty Images
Richie Sambora, Jon Bon Jovi, David Bryan e Tico Torres, da banda Bon Jovi, no telhado da O2 Arena, em Londres (07/07/2010) Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

20/09/2013 14h50Atualizada em 21/09/2013 03h33

O baterista do Bon Jovi, Tico Torres, foi novamente internado nesta sexta-feira (20) com fortes dores abdominais e passará por uma cirurgia na vesícula. O músico já havia passado por uma cirurgia de apendicite na semana passada. Com isso, Torres fica de fora da apresentação que o Bon Jovi faz no Palco Mundo do Rock in Rio, também nesta sexta, e será substituído por Rich Scannella.

Scanella já tocou com artistas como Bruce Springsteen e Lady Gaga, além de ter atuado ao lado de Jon Jon Bon Jovi no Kings of Suburbia, projeto solo do cantor. "Vocês estão em boas mãos. Aproveitem os show", afirmou Tico Torres em comunicado divulgado no site oficial da banda.

Torres já havia passado por uma cirurgia de emergência no dia 10, levando a banda a adiar o show que faria no México para o dia 25 setembro e suspender apresentações em Santiago, no Chile, em Buenos Aires e em Córdoba, na Argentina. Os shows em Santiago e Buenos Aires foram remarcados para os dias 24 e 26, respectivamente, mas o de Córdoba não tem nova data para acontecer. Em São Paulo, a apresentação, que ocorre após o Rock in Rio, foi remarcada de sábado (21) para domingo.

"O Tico Torres tem sido o coração e alma da nossa banda desde nosso início há 30 anos", disse Jon Bon Jovi, em comunicado. "Também é um sacana duro na queda e esperamos vê-lo tocando, de novo, forte e brilhantemente sua bateria no restante desta e das futuras turnês".

Torres também divulgou uma mensagem para os fãs, na qual afirma que está muito desapontado por não participar do show. "Gostaria de dizer um breve obrigado a todos que torceram por mim até o momento. Não há nada que possa preparar uma pessoa para uma emergência médica, mas eu tenho estado sob ótimos cuidados e gostaria novamente de agradecer a todos os médicos e profissionais de saúde que cuidam de mim. Estou muito desapontado por não poder tocar, mas o nosso amigo Rich Scannella me substituirá", disse.

O Rock in Rio também traz nesta sexta (20) shows de Nickelback, Matchbox Twenty e Frejat, no Palco Mundo. Já o Palco Sunset recebe as apresentações de Ben Harper e Charlie Musselwhite, além dos shows conjuntos de Mallu Magalhães e Banda Ouro Negro, The Gift e Afrolata, Grace Potter and The Nocturnals e Donavon Frankenreiter,

Primeiro dia do metal

Os shows desta quinta-feira marcaram o início das atrações mais pesadas desta edição do Rock in Rio. O destaque da noite foi a apresentação do Metallica, que voltou ao festival após apenas dois anos, com repertório que revirou praticamente toda a discografia da banda -- dos mais antigos "KIll 'Em All" (1983), "Ride The Lightning" (1984) e "Master of Puppets" (1986) a álbuns mais recentes como "Reload" (1997) e "Death Magnetic" (2008). Sucessos do chamado "álbum preto" do grupo, como "Enter Sandman" e "Nothing Else Matters", também compuseram o repertório do show, de quase duas horas de duração.

O saudosismo também deu as cartas no show dos veteranos do grunge Alice in Chains, que levaram os fãs de volta ao ano de 1992, época em que a banda lançou "Dirt", um de seus álbuns mais celebrados, que ajudou a compor o repertório da apresentação. Mesmo com um cantor novo na banda, Wlliam DuVall -- já conhecido do público brasileiro desde 2011, quando a banda tocou no festival SWU --, o Alice In Chains soube passar pela sombra da morte do vocalista Layne Staley e preservar o mesmo som, até um pouco mais pesado.
 
Principal palco do festival, o Mundo teve ainda nesta quinta os brasileiros do Sepultura, que tocaram junto com o grupo francês de percussão Tambours du Bronx, e os suecos do Ghost BC, em sua apresentação performática repleta de provocações à igreja católica que não animou muito o público da Cidade do Rock.
 
Já o Palco Sunset, cuja programação começou no início da tarde e é marcada por parcerias, trouxe as bandas Dr. Sin e República, com o guitarrista Roy Z,, além do ex-Angra Edu Falaschi, que voltou ao festival com a Almah e, empolgou o público com um cover de "Rock And Roll" do Led Zeppelin em um tributo às "raízes do heavy metal".

O Sunset também teve a volta do ex-Skid Row Sebastian Bach, que enfrentou problemas com o som e uma plateia mais fria. Rob Zombie encerrou o palco não apenas com seu som pesado -- que vai do thrash metal ao noise rock --, mas com seu baú cheio de referências ao universo do cinema de horror.